Menu
Busca quinta, 22 de agosto de 2019
(67) 9860-3221
ERRO MÉDICO

Paciente que teve complicações em cirurgia feita por vereador morre na Capital

20 setembro 2017 - 09h21

Horas depois de ter sua história contada pelo site Campo Grande News, a dona de casa Maria Conceição Feitosa dos Santos, 56 anos, morreu na Santa Casa de Campo Grande.

A família, acusa o médico e vereador do PMDB, Loester Nunes de Oliveira de ter perfurado o intestino da paciente, durante uma cirurgia de retirada de útero, na quarta-feira da semana passada, dia 13 de setmbro.

Em menos de um mês, este é o segundo caso registrado na Capital. No dia 1º deste mês, Julia dos Santos Rodrigues, de 47 anos, morreu no Hospital Regional, por infecção generalizada. Ela teve o intestino perfurado, complicação rara que a família atribui a um erro médico.

Abalada com a notícia, a sobrinha de Maria, que se identificou apenas como Adriana, contou que ainda não teve acesso as detalhes sobre a causa da morte, mas adiantou que a família acredita em complicações devido ao suposto erro médico cometido pelo então médico e vereador.

Detalhes como horário e local do sepultamento ainda não foram revelados.

###Cirurgia
Maria precisou fazer uma correção de uma cessaria feita há cerca de 20 anos. O procedimento foi realizado há dois anos, mas não pôs fim ao problema.

Foi então que ela pediu ajuda da família para poder custear a cirurgia que devolveria sua saúde. "Fizemos feijoada e rifas para ajudar", relata a cunhada.

De acordo com familiares, as quantias necessárias para a cirurgia eram: R$ 1.100 no atendimento, R$ 700 para o anestesista e por fim R$ 1.600 ao médico.

Com dinheiro em mãos, a dona de casa procurou o médico Loester e, após realizar exames de praxe, a cirurgia para retirada do útero foi marcada para a quarta-feira. Sem que o problema fosse detectado, Maria Conceição recebeu alta na sexta-feira, porém sentia dores e estava com a barriga inchada. "O médico disse que era gases, fez uma lavagem nela e passou remédio. Nós a levamos pra casa, mas ela começou a passar muito mal e reclamava até de falta de ar", detalha.

Apreensivos, os familiares buscaram novamente atendimento na Santa Casa no sábado (16), onde ao dar entrada foi atendida por um médico plantonista, que a internou com urgência. "Ela passou por uma cirurgia de emergência e de lá não saiu mais. O médico Loester chegou a comentar para nós que o intestino dela pode ter sido perfurado", acusa.

###Prontuário
Por meio da família, o site Campo Grande News teve acesso ao prontuário da paciente. Segundo o documento, Maria da Conceição foi internada, na quarta-feira, de maneira particular. Ela deveria retirar o útero, porém o procedimento feito foi a retirada de uma fistula no órgão.

No sábado, quando retornou a unidade de saúde, a dona de casa foi diagnosticada com quadro infeccioso abdominal agudo. O hospital não confirma a perfuração de intestino.

Internada, ela passou por uma laparotomia, cirurgia exploratória de correção. Após o procedimento, o plantonista solicitou uma gasometria, exame realizado pelas veias da paciente, fez uma drenagem de cavidade e a internou no CTI (Centro de Terapia Intensiva) da ala amarela da unidade de saúde, onde é tratadada com antibióticos, entre outros medicamentos.

No início da tarde desta terça-feira (19), pelo menos 10 familiares estiveram no estacionamento da Santa Casa, onde munidos de folhas com dizeres "queremos uma solução", protestaram.

"Não fomos nem informados que o útero dela não foi retirado, o que tínhamos pagado para ser feito. O médico nem entrou em contato conosco", desabafa a familiar Marines.

###Santa Casa
Por meio de sua assessoria de comunicação, a unidade de saúde informou que o estado de saúde da paciente é considerado grave. E esclareceu que a internação da dona de casa, na quarta-feira foi feita de maneira particular, mas agora ela segue internada peloSUS (Sistema Único de Saúde) onde recebe todo o tratamento que está ao alcance.

Durante a tarde, a reportagem conseguiu contato contato com o médico e vereador Loester e por telefone ele foi sucinto. "Toda complicação pós-cirúrgica é considerada um erro médico, só não tem quem não faz".

Questionado sobre a internação da paciente pelo SUS, Loester explica que o importante neste momento é que ela conseguiu o atendimento e ainda ressaltou que acompanha o caso, pois foi ele quem solicitou a internação.

"Como ela está no CTI não há muito o que se fazer. Nem familiares podem ficar lá. Mas, estamos esperando a melhora dela para que então o acompanhamento seja feito", completa.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÁFICO
Polícia apreende carretas com droga estimada em 5 toneladas
MS
Paciente deverá receber atendimento domiciliar pelo SUS
CAMPO GRANDE
Justiça concede tutela antecipada para que Estado deixe de realizar obra no Parque dos Poderes
BRASIL
Parecer da previdência dos militares será apresentado em setembro
DOURADOS
Igreja forma nova turma de músicos e apresenta concerto
COSTA RICA
Polícia encontra armas na casa de empresário suspeito de violência doméstica
ALERTA
Saúde confirma casos de sarampo em mais 7 estados
SANGUE FRIO
MPF recorre de sentença que absolveu dois acusados em uma das ações
LOMBADAS
Detran-MS negocia dívida e pede rescisão de contrato com empresa de radares no Estado
ECONOMIA
Dólar fecha em queda após início de nova atuação do BC no câmbio

Mais Lidas

BR-163
Pedaço de pneu na pista causou acidente com morte que envolveu quatro carretas
POLÍCIA
Travesti furta veículo e é presa em Dourados
CAARAPÓ
Colisão frontal entre carretas deixa um morto na BR-163
CAARAPÓ
Ferido em acidente com morte na BR-163 é transferido para Dourados