Menu
Busca domingo, 17 de fevereiro de 2019
(67) 9860-3221
PARANHOS

Ministério Público recomenda rejeição das contas e vice-prefeito pode ficar inelegível

22 junho 2015 - 15h00

O vice-prefeito de Paranhos, Donizete Aparecido Viaro, pode ficar inelegível por 8 anos, com base na lei da ficha limpa, caso o plenário do Tribunal de Contas e a Câmara Municipal acatem o parecer do Ministério Público de Contas. O procurador José Aêdo Camilo, recomenda aos conselheiros que julguem “como contas irregulares, a prestação de contas do balanço geral de 2012 da Câmara Municipal de Paranhos, gestão do senhor Donizete Aparecido Viaro, presidente da Câmara”.

No parecer o procurador, que encampou as conclusões de uma equipe de auditores do TCE/MS integrada por Sueli Sebastiana, técnico de controle e Américo José de Moura, supervisor de processo contábil, foram elencados nove itens de irregularidades.

Entre os itens estão a ausência do Certificado de Regularidade do Contador da Câmara; falta de ato legal de criação do sistema de controle interno da Câmara e o de nomeação do controle interno; ausência do ato legal que nomeou a comissão de avaliação de bens do Legislativo;ausência do inventário anual separando os bens móveis e imóveis.

O procurador constatou ainda a falta do ato legal que autoriza o cancelamento de restos a pagar; o cancelamento da dívida passiva; lei que autoriza a alienação e baixa de bens móveis; falta do balanço patrimonial de 2012 e do extrato bancário com as respectivas conciliações de dezembro de 2012.

O Ministério Público de Contas entendeu como “ilegal e irregular”, a venda de um veículo da Câmara no valor de R$ 2,5 mil e o conseqüente registro da receita desta operação, conforme demonstrado no balanço financeiro.

Aponta o relatório: “ A referida operação foi realizada de forma ilegal e irregular, visto que a apropriação dessa receita deve ser feita pelo Executivo e não pela Câmara de Vereadores, o que implica necessariamente, o repasse dos valores então obtidos a este título para a Prefeitura Municipal”.

Este entendimento leva em conta que “o Poder Legislativo não realiza a arrecadação de valores, e ainda tendo em vista que a Câmara Municipal é uma unidade do orçamento da administração direta, deve ser respeitado o princípio da unidade de tesouraria estampado no artigo 56 da lei 4320/64”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Ao menos 14 órgãos abrem inscrições para preencher quase mil vagas
EMPRÉSTIMO
Sem regra rígida para consignado, bancos mantêm assédio a idosos
CAMPO GRANDE
Advogado é preso por intimidar policiais durante fiscalização
POLÍCIA
Para defender a mãe de agressão, adolescente mata padrasto a tiros
CONCURSO
IFMS encerra inscrições para seleção de professores substitutos
TRÊS LAGOAS
Mulher morre ao dar entrada em hospital com dengue dos tipos B e C
BRASIL
MEC quer saber quantas adolescentes em idade escolar engravidaram
CAMPO GRANDE
Policial municipal embriagado é preso após atirar em frente conveniência
SHOWBIZZ
Debora Nascimento e José Loreto se separam após 6 anos
PROBLEMAS FINANCEIRO
Endividado, Emerson Fittipaldi tem contas bloqueadas por Justiça

Mais Lidas

TRÂNSITO
Vídeo mostra acidente que matou duas pessoas em Dourados
TRÂNSITO QUE MATA
Dois morrem em colisão frontal em Dourados
DOURADOS
Jovem morre após troca de tiros com a polícia no Água Boa
JARDIM COLIBRI
Homem é executado na frente da mulher em Dourados