Menu
Busca quarta, 20 de fevereiro de 2019
(67) 9860-3221
PESQUISA NACIONAL

Mesmo com problemas no atendimento, 1/3 da população de MS possui plano de saúde

02 junho 2015 - 11h54

A segunda parte da PNS (Pesquisa Nacional de Saúde) divulgada na manhã desta terça-feira (2) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostra que pouco mais de um terço da população de Mato Grosso do Sul, (33,9%) paga algum tipo de plano de saúde. Os dados apresentados pela pesquisa são de 2013.

Apesar de pequena, a quantidade credencia o Estado como o quarto maior no país nos números de contratação do serviço, ficando acima da média nacional, que é de 27,9% e da região Centro-Oeste, 30,4%.

Em relação ao ranking, São Paulo lidera com 42,1% da população utilizando os serviços, seguido pelo Distrito Federal, com 39,1% e Rio Grande do Sul, onde 36,6% da população tem convênio particular.

BAIXA QUALIDADE NO SERVIÇO

A baixa quantidade de pessoas utilizando esses planos pode estar ligada a pouca eficiência no atendimento, além dos valores cobrados pelas administradoras.

A situação típica foi mostrada no início do ano pelo Dourados News.

Na época, uma pesquisa foi realizada em diversas clínicas da cidade e para se conseguir agendar consulta pela Unimed, o paciente precisava aguardar até um ano. O caso específico se dava em relação à contratação de neuropsiquiatria, [relembre aqui](http://www.douradosnews.com.br/dourados/consulta-pela-unimed-em-dourados-pode-demorar-ate-um-ano).

Em outras especialidades das áreas de ginecologia e ortopedia, por exemplo, a espera era de 45 dias.

Durante entrevista ao Dourados News em fevereiro, a advogada e diretora da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) no município, Daniely Heloíse Toledo, afirmou que as prestadoras de serviço estariam ‘capengando’ no país e entre elas, as de planos de saúde. Ente os fatos citados estariam a falta de contato pessoal e a burocracia.

“De forma geral, a prestação de serviços está problemática, está “capenga”, tudo que você vai buscar tanto nesta situação –telefonia-, quanto na dos planos de saúde, ou na parte administrativa demora para solucionar, é muito burocrático. Hoje não tem mais a pessoalidade, é tudo via telefone, via internet, então isso dificulta mesmo para o consumidor”, disse na época. [Relembre aqui a entrevista na íntegra](http://www.douradosnews.com.br/entrevistas/descaso-das-prestadoras-de-servico-e-motivado-por-falta-de-denuncia-e-fiscalizacao-diz-diretora-da-oab).

Deixe seu Comentário

Leia Também

THETAHEALING
Capital sedia curso sobre cura energética no final de semana
EM BRASÍLIA
Reforma da Previdência deve incluir interesses de estados e municípios, diz Reinaldo Azambuja
SUSTO
Cascavel é capturada em cômodo de casa na Capital; veja vídeo
DARUK
PF prende homem em operação contra pedofilia em MS
BRASIL
MEC vai rever texto da base de formação de professores
ASSEMBLEIA
Cota zero volta a ser debatida com sugestão de autorização para captura de jacarés
CAMPO GRANDE
Veneno em carne crua mata cinco animais na Capital
BRASIL
Gabaritos do Enade 2018 já estão disponíveis no site do Inep
MS
Concurso da Educação: Governo abre prazo para recurso das provas para administrativos
APARECIDA DO TABOADO
MPMS pede que Sanesul substitua tubulação que contenha amianto asbesto

Mais Lidas

CRIME EM 10 DE FEVEREIRO
Acusados de matar jovem a facadas em Dourados se apresentam à polícia
DOURADOS
"Lata de sardinha": universitários sofrem com ônibus lotados para chegar até Universidades
TRÁFICO
Trio é preso com mais de meia tonelada de cocaína
DOURADOS
Polícia busca imagens para chegar a motociclista que atropelou e matou criança