Menu
Busca quinta, 17 de outubro de 2019
(67) 9860-3221
ANAURILÂNDIA

Médicos que faziam dupla jornada deverão devolver R$ 300 mil

25 junho 2019 - 20h05Por Da redação

A 2ª Vara Federal em Dourados acatou o pedido do MPF/MS (Ministério Público Federal) em Mato Grosso do Sul e condenou o casal de médicos Guilherme Augusto Silva Pavaneti e Cláudia Fernandes Balista por atos de improbidade administrativa. A pena foi a perda dos bens e valores acrescidos ao patrimônio ilicitamente mais multa, no total de R$ 301.005,71.

Segundo a investigação do MPF, os profissionais foram contratados como médicos para atuar na Rede Municipal de Saúde de Anaurilândia por 40 horas semanais, no período de 03 de janeiro de 2012 a 31 de dezembro de 2012. Ao mesmo tempo, e de forma ilícita, eles mantinham vínculo empregatício com outra instituição de saúde - Hospital Sagrado Coração de Jesus -, fazendo plantões nos mesmos períodos em que deveriam prestar serviços médicos na ESF (Estratégia Saúde da Família). 

Ao serem interrogados, no curso da investigação, eles confirmaram o descumprimento da carga horária. Guilherme disse que atendia “na ESF de Anaurilandia II por meio período”. Cláudia afirmou que realizava “atendimento médico das 13 até as 15 horas”. Para o MPF, a prática se configura como enriquecimento ilícito e atenta contra os princípios da administração pública. 

Como pena, foi decretada a perda dos bens e valores acumulados de forma ilegal por ambos os profissionais. Os valores, somados e atualizados, resultam no montante de R$ 204.211,55 mil. Além disso, também foram aplicadas multas proporcionais às remunerações recebidas, em um total de R$ 96.794,16 mil.

Entenda o caso

Em 2017, o MPF ajuizou ação, pedindo a condenação dos profissionais por enriquecimento ilícito e atos de improbidade contra a administração pública. Segundo o órgão ministerial, os médicos descumpriram, entre janeiro e dezembro de 2012, a carga horária de 40 horas semanais definida para as equipes do Estratégia Saúde da Família (ESF), programa que integra a Política Nacional de Atenção Básica à Saúde, e que provê atendimento básico a usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) em Anaurilândia.

Conforme apurado por meio de auditorias extraordinárias, os médicos descumpriam as cargas horárias e exerciam, ao mesmo tempo em que deveriam prestar serviços ao programa, vínculo empregatício no Hospital Sagrado Coração de Jesus, também em Anaurilândia. Lá, os condenados prestavam serviços médicos por meio de pessoa jurídica. Desde plantões, a atendimento ao pronto socorro, cirurgias, consultas e anestesia, sempre de forma presencial. Os registros de serviços prestados equivalem às datas e horários em que os profissionais deveriam atender nas ESFs. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

UEMS
Terminam hoje as inscrições do workshop “Redação de Patentes - Além dos Guias”
JUDICIÁRIO
Supremo julga nesta quinta-feira prisão após segunda instância
DINHEIRO NOVO
Pagamento do Pis/pasep aos nascidos em outubro começa nesta quinta
Carreta carregada com material bélico do Exército tomba na divisa com MS
TEMPO
Quinta-feira de sol com aumento de nebulosidade em Dourados
INVESTIMENTO
MEC vai liberar mais R$ 43 milhões para 96 obras em universidades
UEMS
Semana Técnica de Computação acontece de 21 a 25 de outubro
SAÚDE
Senado aprova obrigação de exame em 30 dias para diagnóstico de câncer
FERRAMENTA
Banco do Brasil lança cartão para escolas públicas comprarem merenda
UFGD
Centro de Formação abre 50 novas vagas para Cursinho Pré-vestibular

Mais Lidas

POLÍCIA
Irmãos são detidos após polícia encontrar droga no Jardim Flórida
DOURADOS
Ciclista morre no HV após ser atropelado por ônibus
DOURADOS
UPA passa a atender apenas casos de urgência e emergência
EXPULSÃO
Chefão do narcotráfico é entregue à Polícia Federal brasileira