Menu
Busca sábado, 30 de maio de 2020
(67) 99659-5905
NÃO SOLICITADO

Loja é condenada a indenizar cliente por envio de cartão

10 outubro 2017 - 18h35Por Da Redação

Sentença proferida pelo juiz Ariovaldo Nantes Correa, da 8ª Vara Cível de Campo Grande, julgou procedente a ação movida por consumidora que recebeu um cartão de crédito de estabelecimento comercial, mesmo após recusar a assinatura do contrato.

A loja foi condenada ao pagamento de R$ 5 mil de danos morais pela situação, que foi considerada prática abusiva. 

Alega a autora que estava em uma das unidades da ré com sua mãe quando lhe foi ofertado um cartão da loja e disse que tinha interesse. Foram solicitados seus dados apenas para preencher a minuta e, após a leitura, deparou-se com cláusula que não concordava e decidiu não firmar o contrato de serviço. Afirma que foi informada pela atendente que o documento com os seus dados seria destruído.

No entanto, um mês após o ocorrido recebeu em sua residência um cartão de débito/crédito em seu nome e, mesmo sem utilizar o cartão, recebeu a fatura lhe cobrando tarifa de anuidade. Sustenta que a conduta da ré configura prática abusiva e deve ser condenada ao pagamento de dano moral. 

Em contestação, a loja defende que agiu dentro da legalidade e que a autora não demonstrou o pedido de cancelamento do cartão e que não pode ser responsabilizada por insatisfação posterior do consumidor, pois a autora tinha ciência da contratação do seguro e suas implicações.

A ré sustenta, por fim, que o contrato é válido e que não houve dano moral. 

O juiz Ariovaldo Nantes Correa esclareceu que a ré não demonstrou por meio de documentos, de modo satisfatório, a contratação do serviço pela autora, ônus que lhe cabia conforme prevê o Código de Processo Civil. “Como a ré não comprovou que a autora tenha contratado os serviços de cartão de crédito, indevida qualquer cobrança ao mesmo relacionada”. 

Com relação ao pedido de danos morais, o juiz apreciou que o envio do produto sem qualquer solicitação prévia por parte do consumidor configura prática abusiva, conforme dispõe o art. 39, III, do Código de Defesa do Consumidor e a Súmula 532 do Superior Tribunal de Justiça, de modo que julgou procedente o pedido. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Pai recebe vídeo de bebê sendo forçado a beber pimenta e denuncia
INFLUENZA
Campanha de vacinação contra a gripe é prorrogada até 30 de junho
SAÚDE
Cartilha na língua terena informa sobre cuidados com a Covid-19
PAGAMENTO
Salário dos servidores estaduais estará dispinívels no dia 05 de junho
TRÊS LAGOAS
Polícia investiga morte de bebê de seis meses após queda de carrinho
ECONOMIA
Saque aniversário do FGTS poderá ser usado para garantir empréstimos
TRÁFICO
Polícia apreende 743 quilos de maconha que seguiria para a Capital
RECURSOS
Estado repassa R$ 6 milhões para auxiliar ações na saúde de Dourados
ECONOMIA
Novo Plano Decenal de Energia trará ajustes por causa da pandemia
DOURADOS
Bancários empossam nova diretoria no domingo

Mais Lidas

DOURADOS
Protocolo é seguido e mulher vítima do coronavírus é enterrada sem despedida de familiares
MAIORIA JOVENS
Vítima fatal da Covid-19 faz parte da faixa etária com mais casos da doença em Dourados
COVID-19
Curva segue ascendente e Dourados ultrapassa 200 casos de coronavírus
PANDEMIA
Comitê diz que Dourados não é epicentro do novo coronavírus e descarta lockdown