Menu
Busca terça, 20 de fevereiro de 2018
(67) 9860-3221
Clube Indaiá - Janeiro 2018
BARBÁRIE

Justiça prorroga prisão de suspeito de estuprar, matar e esquartejar Kauan em MS

12 setembro 2017 - 19h05

A Justiça prorrogou por mais 30 dias a prisão do professor suspeito de estuprar, matar e esquartejar o menino Kauan Andrade dos Santos, de 9 anos, em Campo Grande. Decisão saiu na segunda-feira (11), conforme informa o portal G1/MS.

Kauan desapareceu no dia 25 de junho. Foram feitas várias buscas pelo corpo do menino, que teria sido jogado no rio Anhanduí.

A polícia prendeu o suspeito de ter estuprado e matado a criança. Quatro adolescentes contaram aos policiais que teriam presenciado o crime. O professor de 38 anos está preso e nega ter matado o menino.

Investigações da Polícia Civil apontam que Kauan morreu enquanto era estuprado por um professor, foi abusado também por adolescentes e esquartejado duas vezes.

Segundo os delegados Paulo Sérgio Lauretto e Aline Sinot, os quatro adolescentes envolvidos no caso contaram a mesma versão várias vezes em ocasiões diferentes. Eles relataram o que aconteceu com o menino depois de semanas de investigação, quando tiveram a certeza de que o professor não seria solto facilmente.

Na versão deles à polícia, Kauan, o garoto de 14 anos que foi apreendido e mais dois adolescentes foram à casa do professor no dia 25 de junho. Lá, o homem pediu que a criança e o garoto ficassem e que os outros dois buscassem um quarto adolescente.

Enquanto os garotos saíram, o professor abusou de Kauan. Segundo os relatos, o menino sangrou e desmaiou. Quando os outros chegaram, o professor obrigou os quatro adolescentes a estuprarem a criança.

Para a Polícia Civil, Kauan morreu enquanto era estuprado pelo professor, que depois dos abusos forçou os adolescentes a ficarem na casa, esquartejou o corpo e o colocou em um saco preto no porta-malas de seu carro.

Ainda na versão dos adolescentes, o professor foi até o rio Anhanduí, colocou o saco preto sobre uma pedra, voltou para o carro e levou cada um dos garotos para casa. A partir daí, os meninos afirmam não saber mais o que aconteceu.

Segundo os delegados da Delegacia de Proteção à Criança (Depca) e da Delegacia de Atendimento à Infância e à Juventude (Deaij), as investigações indicam que, após deixar os adolescentes em casa, o professor teria voltado ao local, pegado o saco preto e ido para a residência dele.

No imóvel, o homem teria seguido a um cômodo que fica nos fundos e lá esquartejado mais uma vez as partes do corpo de Kauan.

Perícia com luminol no local indicou grande quantidade de sangue de duas pessoas do sexo masculino. Um deles é parcialmente compatível com o da mãe de Kauan. O resultado, porém, é inconclusivo, porque não havia nenhum um objeto na casa do menino que tivesse sido utilizado apenas por ele para que a perícia pudesse ser feita.

Buscas pelo corpo do menino foram feitas vários dias no rio Anhanduí. (G1/MS)

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAU
Ostentando corpão, Aline Riscado posa de biquíni e recebe elogios
ZÉ PEREIRA
Polícia da Capital investiga execução após rapaz de 27 anos desaparecer
JUSTIÇA
Empresas aéreas são condenadas em R$ 15 mil por extravio de bagagem
CONDENADO
Preso, Paulo Maluf é afastado do mandato de deputado federal
OURO DE OFIR
Dois suspeitos de aplicar golpes em 25 mil vítimas saem da prisão
NAVIRAÍ
Polícia apura se morte de mãe e filho em incêndio foi acidente ou suicídio
MEIO AMBIENTE
Fazendeiro é autuado em R$ 13 mil por desmatamento ilegal
POLÍTICA
Marun diz que não há como votar reforma da Previdência com intervenção
UFGD
Estão abertas as inscrições para participar do Projeto Bolsa Cultura
CRÉDITO
Ministério da Educação abre inscrições do Fies; prazo vai até o dia 28

Mais Lidas

ITAQUIRAÍ
Contador é executado com cinco tiros em MS
POLÍCIA
Acidente com caminhão carregado com cigarros mata motorista na MS-339
DESAPARECIMENTO
Ação conjunta encontra adolescente desaparecida na fronteira
DOURADOS
Homem é preso após invadir carro e furtar aparelho de som