Menu
Busca quarta, 21 de fevereiro de 2018
(67) 9860-3221
EM MS

Justiça nega indenização a homem que perdeu horário de aposta em lotérica

21 outubro 2017 - 11h00

Um apostador de Três Lagoas que não conseguiu realizar o seu jogo em uma casa lotérica teve o seu pedido de indenização por dano material negado. Na ação, o homem pretendia receber R$ 20 mil de indenização por ter a chance perdida.

A juíza da 2ª Vara Cível de Três Lagoas, Emirene Moreira de Souza Alves, julgou improcedente o pedido, pois o autor não comprovou a certeza do dano, já que a aposta é mera expectativa de ganhar o prêmio.

Alega A.J. de P. que no dia 6 de fevereiro de 2016, por volta das 10 horas, dirigiu-se até a lotérica para fazer um jogo de loteria esportiva (Lotogol). Conta que o jogo se trata de uma aposta que ocorre sobre os resultados de jogos de futebol do dia seguinte, sendo que se jogasse R$ 4, o ganhador receberia quatro vezes o valor do prêmio dependendo do número de acertos.

Entretanto, afirmou o autor, não conseguiu realizar o referido jogo, pois, quando chegou a sua vez de ser atendido, foi informado que não poderia ser efetivado o jogo. A justificativa foi de que a fila estava muito grande e também, em razão do horário que já estava próximo do fechamento, a prioridade da atendente era receber as contas de água, luz e demais boletos, sendo que os jogos não eram a prioridade do dia.

Assim, argumenta o autor que foi impedido de participar do sorteio e que, conforme se verificou no extrato de resultados daquele jogo, caso tivesse acertado 5 números de 7 receberia então um valor estimado de R$ 5.072,47 e sendo multiplicado por quatro, de acordo com a regra do jogo, receberia um total de R$ 20.289,88. Por estas razões, A.J. de P. pediu a condenação da lotérica ao pagamento de indenização por danos materiais no valor de R$ 20 mil, a título de indenização por chance perdida.

Devidamente citada, a lotérica apresentou contestação alegando que não existiu o referido dano, pois o jogo só não foi realizado por culpa do autor, uma vez que os fatos alegados não correspondem com a realidade, bem como sequer comprovou a sua probabilidade de ganhar, apenas juntou nos autos os resultados dos jogos.

A ré afirmou ainda que não houve por parte do suposto apostador uma chance real e séria, sendo certo que para isso seria necessário comprovar que o suposto prejuízo não poderia ser evitado, o que não ocorreu.

Conforme os autos, a juíza observou que o autor não comprovou o erro por parte da lotérica, tampouco provou que o resultado do seu jogo coincidiu com a suposta aposta, ou seja, ficou efetivamente claro no processo que não passa de um dano hipotético e o seu pedido de indenização não merece prosperar. “Embora seja possível, em tese, a indenização, há que se demonstrar a certeza do dano e o seu montante, o que o autor não fez”.

Desse modo, a juíza concluiu que “é essencial que o dano seja passível de avaliação imediata e haja certeza de sua positivação, não podendo ser meramente hipotético”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASILEIRÃO
Novo e Corumbaense conhecem adversários na Série D
LOTERIA
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 3 milhões nesta quarta-feira
MEIO AMBIENTE
Pecuarista é autuado em R$ 24 mil por desmatamento ilegal de vegetação
PRORROAÇÃO
Polícia Federal pede mais 60 dias para concluir investigação sobre Temer
RESIDENCIAL ROMA
Criança fica ferida ao cair de prédio em Dourados
POLÍTICA
Senado aprova decreto presidencial de intervenção no Rio de Janeiro
TRÊS LAGOAS
Mulher sequestra e agride ex por vingança, após fim de relacionamento
TEMPO
Quarta-feira de sol com algumas nuvens em Dourados; não chove
OUSADIA
Ex-BBB Mayra Cardi posa de topless na cama: "livre de alma"
PIAUÍ
Jovem morre enquanto usava celular ligado na tomada

Mais Lidas

FÁTIMA DO SUL
Bombeiros farão buscas por mulher que se recusou a entrar em casa
FRONTEIRA
Assaltante morre após trocar tiros com a polícia
DOURADOS
“Chorei muito, perdi o pouco que tinha”, diz pedreiro após incêndio em barraco
DOURADOS
Igreja é arrombada e ladrão leva eletrônicos equipamentos de som