Menu
Busca sábado, 25 de maio de 2019
(67) 9860-3221
TJ/MS

Justiça mantém condenação de réu por violência doméstica e injúria

13 maio 2019 - 07h07Por Da redação

Os desembargadores da 1ª Câmara Criminal do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), por unanimidade, negaram provimento ao recurso de V.B. de O. diante do pedido de reforma da sentença que o condenou à pena de 1 ano e 9 meses de reclusão e 113 dias-multa, e 8 meses e 5 dias de detenção, em regime semiaberto, pelos crimes de lesão corporal no âmbito doméstico e injuria racial.

Extrai-se dos autos que no dia 13 de maio de 2017, por volta das 20 horas, numa residência na cidade de Japorã, no âmbito das relações domésticas, o apelante ofendeu a integridade corporal da vítima M.S. de O., sua companheira, causando lesões corporais aparentes. Além da agressão, a injuriou denegrindo a sua raça e cor.

Consta também nos autos que o acusado estava na sua residência com a vítima conversando e ingerindo bebidas alcoólicas e, após discutirem, ele agrediu verbalmente a vítima. Pegou ainda um pedaço de bambu e desferiu golpes contra a vítima, atingindo-a na altura da coxa e em seu braço esquerdo, causando graves lesões. O apelante foi preso pelos Policiais Militares na posse de uma faca de 20 cm.

V.B. de O. foi julgado em primeira instância e condenado pelo crime de violência contra mulher e injuria racial, conforme os artigos 129, § 9º, e 140, § 3º, ambos do Código Penal.

Em recurso de apelação, requereu a reforma da sentença pedindo a aplicação da detração (desconto do tempo de prisão provisória ou internação provisória na pena privativa de liberdade) alegando que passou quatro meses internado em tratamento médico voluntário, para tratar da dependência química que o acomete.

O juiz substituto em 2º Grau, Lúcio Raimundo da Silveira, negou provimento ao recurso visto a gravidade do crime ressaltando que a internação voluntária foi realizada antes mesmo da expedição da guia de recolhimento, sendo que não houve decretação de prisão ou de medida de segurança durante a instrução do feito.

“Desta forma, não há como considerar o prazo de internação em clínica de recuperação como pena cumprida, já que não houve qualquer determinação ou autorização judicial para tanto, bem como realizada antes do início do cumprimento da reprimenda, sendo o fato totalmente estranho ao processo criminal a que responde o apelante”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MS
Carga de cigarro avaliada em R$ 1,5 mi é apreendida na MS-345
POLÍTICA
Ricardo Ayache assume o comando do PSB em Mato Grosso do Sul
CAPITAL
Dupla é presa vendendo ecstasy, LSD, maconha e cocaína pelo Whatsapp
SHOWBIZZ
Marina Ruy Barbosa vai processar empresária de Xuxa por difamação
FUTEBOL
Paranhos sedia neste sábado a 4ª rodada da Copa Assomasul
MS
DOF prende homem que levaria droga para São Paulo
CRIME AMBIENTAL
Ambiental autua assentado por derrubada ilegal de árvores nativas
DOURADOS
Jovem contrata programa com travesti, diz não ter sido atendido e ainda roubado
MIRANDA
Homem é preso com arma e munições durante abordagem na MS-339
LOTERIA
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 3 milhões neste sábado

Mais Lidas

APÓS INVESTIGAÇÃO
Polícia conclui que atentado registrado por vereadora foi acidente de trânsito
VILA CACHOEIRINHA
“Boca” é fechada, mulher é presa e diz traficar pelo baixo valor do salário mínimo
TRÁFICO
Motorhome com destino a São Paulo é apreendido com mais de 4 toneladas de maconha
MS-156
Dupla é presa pela PF com pistolas entre Dourados e Itaporã