Menu
Busca domingo, 17 de fevereiro de 2019
(67) 9860-3221
TJ/MS

Justiça mantém condenação de acusado de tráfico de entorpecentes

12 fevereiro 2019 - 20h20Por Da Redação

Os desembargadores da 3ª Câmara Criminal do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), por unanimidade, negaram provimento ao recurso interposto por G.C.R.R. contra a sentença que o condenou à pena de cinco anos e 10 meses de reclusão, em regime inicial fechado, e pagamento de 583 dias-multa pelo crime de tráfico de drogas, previsto no art. 33, caput, da Lei nº 11.343/06.

Consta dos autos que na madrugada do dia 18 de janeiro de 2016, em Três Lagoas, G.C.R.R. foi flagrado com sete trouxinhas de cocaína, totalizando de 2,50 gramas. Policiais militares faziam o patrulhamento pelas ruas, quando visualizaram o rapaz em atitude suspeita, pois, ao perceber a presença da viatura policial, tentou fugir na motocicleta que pilotava, sem sucesso. Na garupa estava F. de A.B., proprietário da moto.

De acordo com o processo, durante a abordagem, os policiais localizaram o entorpecente no interior do capacete do réu. Além disso, visualizaram no aparelho celular dele diálogos referentes à comercialização de drogas, entre eles, um áudio, no qual combinava a entrega da droga para um indivíduo momentos antes. Os policiais foram até a residência de G.C.R.R., onde localizaram papel idêntico ao utilizado para embalar a droga apreendida com ele e tesoura.

Inconformado com a sentença de primeira instância, o apelante requereu a desclassificação do crime de tráfico de drogas para a figura prevista no artigo 28, alegando que era apenas usuário e destinaria o entorpecente apreendido para o seu próprio consumo. A defesa pugnou ainda pela redução do valor fixado a título de multa.

A Procuradoria-Geral de Justiça opinou pelo conhecimento e improvimento do recurso.

Em seu voto, o relator do processo, Desembargador Jairo Roberto de Quadros, afirmou que na residência  foram apreendidos tesoura, saco e papel semelhante ao que embalavam as trouxinhas de cocaína apreendidas, provando tratar-se de local utilizado para a preparação e embalagem das substâncias entorpecentes a serem vendidas.

Para o magistrado, se a droga fosse realmente para consumo do réu, não haveria necessidade alguma de sair às ruas com o entorpecente, correndo o risco de ser confundido com traficante, bastando levar o suficiente para saciar sua vontade durante o período que estivesse fora de casa, deixando o restante guardado em sua residência.

“Há nos autos provas de que o apelante comercializava o material apreendido, como as mensagens referentes a venda, imagens e áudios. Diante do exposto, com o parecer, conheço do recurso, mas nego provimento, mantendo inalterada a sentença”, finalizou o desembargador.

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAUUUUU!!
Graciele Lacerda exibe corpão em foto e recebe enxurrada de elogios
PROVA ACONTECE AMANHÃ
Concurso da Educação terá reforço na segurança
BRASIL
eSocial já tem 24 milhões de trabalhadores cadastrados
490 EMPRESAS
Jucems registra em janeiro, melhor resultado em cinco anos
BRASIL
Após tragédia, futuro do Ninho do Urubu está indefinido
CAMPO GRANDE
Casa é queimada e morador acredita em fogo criminoso
PROVAS AMANHÃ
Agência orienta candidatos de concurso a não viajarem com transportadores clandestinos
CASO QUE CHOCOU
Homem que furtou corpo de cemitério disse ter ouvido vozes
BRASIL
Repasses de fevereiro a beneficiários do Bolsa Família vão até o dia 28
BELEZA NATURAL
Asfalto da MS-450 avança entre morros e potencializa o turismo na Estrada Ecológica

Mais Lidas

TRÂNSITO
Vídeo mostra acidente que matou duas pessoas em Dourados
TRÂNSITO QUE MATA
Dois morrem em colisão frontal em Dourados
DOURADOS
Jovem morre após troca de tiros com a polícia no Água Boa
JARDIM COLIBRI
Homem é executado na frente da mulher em Dourados