Menu
Busca quarta, 11 de dezembro de 2019
(67) 9860-3221
ANTIVÍRUS

Justiça decide que ex-chefe do Detran/MS não tem foro privilegiado

18 setembro 2017 - 10h03

O ex-presidente do Detran (Departamento Estadual de Trânsito), Gerson Claro, não tem direito a foro privilegiado por ocupar cargo de secretário especial, segundo decidiu a Justiça. Também foi negada a nulidade da operação Antivírus, desencadeada no dia 29 de agosto, onde ele foi um dos alvos do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado).

A ação apura contratos do Detran, um deles classificado como "negócio da China".

Conforme publicou o site Campo Grande News, a defesa de Claro pediu no dia 5 de setembro que a operação fosse anulada. A justificativa era de que o ex-diretor foi nomeado como secretário especial, com direito a foro privilegiado.

Neste raciocínio, o pedido de investigação deveria ter partido da PGJ (Procuradoria Geral de Justiça) e a prisão só poderia ser autorizada por desembargador do Tribunal de Justiça. Ele foi preso por ordem de juiz de primeira instância.

Contudo, o desembargador Luiz Cláudio Bonassini da Silva afirma que a Lei Estadual 4.640/2017 não equipara o cargo de secretário especial ao de secretário de Estado e, caso o tivesse feito, seria inconstitucional.

"Sem dúvida, portanto, que a Lei Estadual nº 4.640, de 24 de dezembro de 2014, não coloca no mesmo patamar, muito menos atribui a ocupantes de quaisquer outros cargos, as prerrogativas funcionais reservadas a Secretários de Estado, Procurador-Geral do Estado e Controlador-Geral do Estado, inobstante identificados pelo mesmo símbolo", diz Bonassini na decisão, datada de 12 de setembro.

Em seguida, o desembargador cita o rol taxativo dos cargos com direito a foro privilegiado. A lista é formada por deputados estaduais, secretários de Estado, o Procurador-Geral de Justiça, o Procurador- Geral do Estado, o Procurador-Geral da Defensoria Pública, os procuradores de Justiça, os membros do Ministério Público, os procuradores do Estado, os procuradores da Defensoria Pública, os defensores públicos e os prefeitos municipais.

Na mesma decisão, o desembargador indeferiu o pedido do MPE (Ministério Público Estadual), do qual o Gaeco é um braço, para rever a decisão que colocou os presos em liberdade. Segundo Bonassini, o afastamento do cargo é suficiente para interromper a alegada prática delituosa e negou a prisão preventiva. Gerson Claro deixou o cargo no Detran.

O pedido de nulidade da operação também foi negado em primeira instância pelo juiz Mário José Esbalqueiro Júnior. O advogado André Borges, que atua na defesa do ex-presidente do Detran, informou que o processo é sigiloso e não vai se manifestar.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Governo edita MP para regularizar 600 mil posses rurais até 2022
ASSEMBLEIA LEGISLATIVA
Parlamentares devem votar em segunda discussão projetos do PPA e da LOA
ECONOMIA
Com inauguração de indústrias e processo de liquidação, cooperativas vivem situações opostas em Dourados
Educação
Aulas de Raciocínio Lógico disponíveis na Wizard Dourados
DOURADOS
Homem leva paulada na cabeça e tem casa furtada após pedido de água
OPERAÇÃO VILA BRASIL
Gaeco vai às ruas e cumpre mandados na Grande Dourados
ARTIGO
Mais amor por favor
NEGÓCIOS & CIA
Existe uma fórmula para o sucesso no empreendedorismo?
PED
Penitenciária de Dourados inaugura sistema de vigilância nesta quarta-feira
DOURADOS
Dupla é presa no Trevo da Bandeira com maconha em carro roubado

Mais Lidas

CAARAPÓ
Homem é assassinado a golpes de faca após discussão em bar
DOURADOS
Inteligência da PM prende dois por tráfico no bairro Estrela Tovi
GRANDE DOURADOS
Quadrilha especializada em roubo de caminhonetes é desarticulada e seis são presos
FURTO
Polícia recupera objetos e fecha ponto de receptação em Dourados