Menu
Busca segunda, 18 de junho de 2018
(67) 9860-3221
UFN III

Justiça bloqueia R$ 155 mi de ex-dirigentes da Petrobras por desvios em obra no MS

09 novembro 2017 - 16h20Por da Redação, com MPF

A Justiça Federal deferiu pedido do Ministério Público Federal (MPF) em Mato Grosso do Sul e expediu liminar decretando a indisponibilidade de bens móveis e imóveis dos ex-presidentes da Petrobras, José Sérgio Gabrielli de Azevedo e Maria das Graças Silva Foster, de outros seis ex-diretores da Petrobras, das empresas Galvão Engenharia e Sinopec Petroleum do Brasil, e dos seus representantes legais, no valor de R$ 155 milhões.

O valor - correspondente a 5% do montante contratado (R$ 3,1 bilhões) - foi adiantado ao consórcio responsável pela obra sem qualquer contraprestação específica que protegesse a Petrobras em caso de inadimplemento do contrato, como, de fato, aconteceu, conforme informa o MPF.

A UFN III está paralisada desde 2014, com 80% da edificação concluída, sem previsão de finalização, mesmo após adiantamentos e um investimento de mais de R$ 2 bilhões pelo BNDES.

Na decisão, a Justiça Federal acatou os argumentos do MPF e destacou a existência de atos de improbidade que causaram prejuízo ao erário e ofenderam os princípios da Administração Pública pelos então responsáveis pela Petrobras e pelos representantes remanescentes do Consórcio UFN-III, principalmente pelo fato da obra não ter sido concluída e estar paralisada, apesar da realização de pagamentos antecipados.

Responsabilizados 

São responsabilizados pela irregularidade os ex-presidentes da Petrobras José Sérgio Gabrielli de Azevedo e Maria das Graças Silva Foster; os ex-diretores da Petrobras Almir Guilherme Barbassa, Guilherme de Oliveira Estrella, Jorge Luiz Zelada, e Renato de Souza Duque; as empresas Galvão Engenharia e Sinopec Petroleum do Brasil, bem como os representantes legais das empresas à época dos fatos.

De acordo com o MPF, os agentes públicos requeridos participaram de diversas reuniões da Diretoria Executiva da Petrobras, onde discutiram, deliberaram e aprovaram os atos que culminaram na pactuação do contrato, cujas cláusulas permitiram o pagamento antecipado irregular às empresas apurado pelo TCU.

“Os réus não podiam se furtar da responsabilidade de supervisionar, desde o início e inclusive quando da pactuação, todo a regularidade do contrato e dos pagamentos e cabiam a eles, ante a constatação das irregularidades em apreço, proceder à correção, evitando, dessa forma, dano ao erário”, destaca o órgão ministerial.

Improbidade

Na ação ajuizada, o Ministério Público ressalta que, além do repasse irregular, os dirigentes ainda não exigiram das construtoras a devida comprovação dos serviços prestados durante a execução da obra, não se podendo afirmar que os valores repassados ao Consórcio UFN III foram efetivamente utilizados para a finalidade constante no contrato firmado.

“Esse fato é extremamente grave e sinaliza para indício de desvio de verbas públicas envolvendo grande montante, maculando a licitude dos pagamentos de bens e serviços realizados, sem a devida exigência da nota fiscal comprobatória da prestação”, aponta a instituição.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESPORTE
Definidos os campeões do estadual de beach tennis
ACORDO
Países do Mercosul assinam acordo para rótulo frontal de alerta em alimentos
FUTEBOL
Com dois de Lukaku, Bélgica derrota o Panamá por 3 a 0
41ª FESTA JUNINA DE DOURADOS
Cultura estende até esta segunda-feira inscrições para grupos de quadrilha
DE OLHO NA SAÚDE
Pessoas com doenças cardíacas não se exercitam o suficiente, diz estudo
VIAGEM NO FRIO
Fazendo a mala no inverno
TRÂNSITO
DPVAT pagou mais de 3 mil indenizações em MS de janeiro a maio
CORUMBÁ
Centro Internacional de Negócios capacita empresários sobre novo processo de exportações
MODA
Acessórios de cabelo para aquecer você neste inverno
MARAVILHA
Aprenda a fazer uma costelinha de porco com milho

Mais Lidas

ATENTADO
Suspeitos de atentado contra prefeito de Paranhos são presos
DOURADOS
Homem morre após acidente na Guaicurus
TRÁFICO
Douradense é preso após abandonar veículo carregado com maconha na BR-463
PEDRO JUAN
Jovem dado como morto pela família fronteira aparece no próprio velório