Menu
Busca segunda, 24 de setembro de 2018
(67) 9860-3221
JUSTIÇA

Justiça bloqueia bens de Olarte, de secretário e supostos "fantasmas"

30 junho 2015 - 07h08

O juiz Marcelo Ivo de Oliveira, da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande decretou a indisponibilidade de R$ 270.056,29 dos bens do prefeito Gilmar Olarte (PP), do secretário de Administração, Valtemir de Brito, e três supostos funcionários fantasmas.

O advogado do prefeito e do secretário, Jail Benites Azambuja, disse que os clientes não foram notificados, mas que entrou com agravo de instrumento com efeito suspensivo no TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), nesta segunda-feira, dia 29 de junho.

A defesa de Ana Maria Ferreira Feliciano, Carlos Eduardo Motta Lameira, informou que a cliente não foi notificada e que só poderia se pronunciar depois de tomar conhecimento da liminar.

O filho da diretora-presidente da Agência Municipal de Trânsito (Agetran), Elizabeth Félix da Silva Carvalho, Felipe Félix de Carvalho, não foi notificado porque “se não ele teria comentado alguma coisa” com ela.

O portal G1 tentou contato com a depiladora Fabiana Garcia de Souza, mas até a publicação desta reportagem não conseguiu localizar.

Conforme a decisão, foi decretada indisponibilidade dos bens do prefeito e secretário até o valor de R$ 148.816,95, de Ana Maria até o valor de R$ 59.358,82, de Carvalho até o valor de R$ 3.934,13, e de Fabiana Garcia de Souza, até o valor de R$ 57.946,39.

O Ministério Público do Estado (MP-MS) protocolou ação civil pública no dia 20 de maio deste ano. Na ação também pedia a indisponibilidade dos bens dos acusados.

###Investigação
Os investigadores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) seguiram alguns funcionários da prefeitura em 2014. Com isso, descobriram que os servidores se dedicavam a atividades particulares no horário em que deveriam trabalhar e não cumpriam a jornada de trabalho. Essa situação materializa ato de improbidade administrativa previsto na Lei 8.429/92.

Na época da divulgação de escutas mostrando o prefeito negociando a contratação de servidores fantasmas, Olarte garantiu que não tinham funcionários fantasmas na prefeitura de Campo Grande e se fossem descobertos seria exonerados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FAMOSOS
Luisa Sonza relata críticas após procedimento: 'Acharam feio'
MEDIDA
ANP vai fazer consulta para substituir GNL importado por gás doméstico
LADÁRIO
Três pessoas ficam feridas em capotagem de carro
INVESTIGAÇÃO
Polícia Federal reforça versão de que agressor de Bolsonaro atuou sozinho
CAPITAL
Carreta tomba com 27 toneladas de agrotóxico
POLÍTICA
Temer viaja a Nova York para participar da Assembleia Geral da ONU; Toffoli assume Presidência
PONTA PORÃ
PM recebe solicitação por desentendimento familiar e captura foragido
CAPITAL
Homem é encontrado morto com tiro na cabeça
TRÁFICO DE DROGAS
PRF apreende 42kg de maconha e skank após fuga de condutor
BRASIL
Multas por uso de celular ao volante crescem 33% em 2018

Mais Lidas

DOURADOS
Amiga de jovem encontrada morta é presa acusada por tráfico e por alterar a cena do crime
TEMPORAL
Chuva e ventos fortes derrubam árvores em Dourados
POLÍCIA
Presos em Dourados são transferidos para capital
POLÍCIA
Homem sofre tentativa de homicídio em Dourados