Menu
Busca segunda, 17 de dezembro de 2018
(67) 9860-3221
EM BRASÍLIA

Juíza de MS entrega cartilha em Guarani e Terena para ministra Cármen Lúcia

10 agosto 2018 - 07h30

Durante a abertura da XII Jornada Maria da Penha, na quinta-feira (9), em Brasília, a juíza Jacqueline Machado, que responde pela Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar em MS e titulariza a 3ª Vara da Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher da Capital, entregou para a ministra  Cármen Lúcia um exemplar da cartilha Lei Maria da Penha nos idiomas Guarani e Terena.

Ao lado dos juízes Liliana de Oliveira Monteiro, Alessandro Leite Pereira e Aluizio Pereira dos Santos, Jacqueline representa a magistratura sul-mato-grossense no evento e apresentará ações e resultados obtidos pela justiça de Mato Grosso do Su no painel Boas Práticas em Prevenção de Violências Contra a Mulher, a ser realizado nesta sexta-feira.  

Assim, hoje e amanhã, magistrados, delegados, policiais, promotores e defensores públicos de todo o país estarão reunidos para debater o efetivo cumprimento da Lei nº 11.340/2006, conhecida como Lei Maria da Penha, que completou 12 anos de vigência no dia 7 de agosto. 

Em sua fala, a ministra, que preside o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o Supremo Tribunal Federal (STF), alertou para o aumento no número de casos de assassinatos de mulheres vítimas de feminicídio no Brasil. 

Para Cármem Lúcia, apesar da Lei Maria da Penha ter modificado substancialmente o tratamento da violência contra a mulher, ainda falta descobrir as motivações desses crimes, que seguem causando milhares de vítimas unicamente por questões de gênero. Atualmente, tramitam no Judiciário 10 mil processos de feminicídio.   

Cartilha - As cartilhas foram criadas em 2016, no Núcleo Institucional de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher (Nudem), pelas defensoras Edmeiry Silara Broch Festi, Graziele Carra Dias Ocáris e Thaís Dominato Silva Teixeira, e impressas na gráfica do Tribunal de Justiça de MS.

A publicação se justifica em razão de ser Mato Grosso do Sul o segundo estado brasileiro a ter o maior número de população indígena. Dados do IBGE, na época do lançamento, revelavam que 50 mil indígenas do Estado são da etnia Guarani e 23.500 Terenas. A maioria, 51%, é de mulheres que não dominam a Língua Portuguesa. 

A cartilha foi criada pelo Nudem depois que indígenas de todo o Estado participaram de um Fórum de Discussão, na Semana de Combate à Violência Contra a Mulher.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Grávidas podem correr? Especialista tira algumas dúvidas recorrentes entre corredores
BRASIL
Tratamento brasileiro contra HIV/Aids se consolida como referência mundial
NORTE
Conheça Palma: a mais nova capital do País
PARA DORMIR
O pijama de Camila Queiroz foi o look mais bonito da semana
CAMPO GRANDE
Assaltante tenta roubar policial que fazia ‘bico’ como motorista de aplicativo e acaba morto
FIT
Aprenda a fazer essa coxinha pré-treino
2019/2020
Amamsul empossa nova diretoria para próximo biênio
RECORD
“Canta Comigo” volta para programação especial de fim de ano
LEGISLATIVO
Câmara de Dourados limpa pauta na última sessão ordinária de 2018
MATO GROSSO DO SUL
Abertas inscrições para professores atuarem nas unidades da Escola da Autoria

Mais Lidas

ABV
Homem é preso por tentativa de furto em supermercado de Dourados
QUINTINO BOCAIUVA
Bombeiros combatem incêndio em apartamento no centro de Dourados
DOURADOS
Homem de 35 anos é preso acusado de estupro de vulnerável
CAMPO GRANDE
Motociclista encontra bilhete em retrovisor quebrado: 'Caráter'