Menu
Busca quinta, 21 de novembro de 2019
(67) 9860-3221
DEBATE

Juíza de MS debate reformulação do Cadastro Nacional de Adoção

03 novembro 2017 - 18h50

Mais uma vez, a convite do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a juíza Katy Braun do Prado, titular da Vara da Infância, da Juventude e do Idoso da Capital e coordenadora da Infância e da Juventude de MS (CIJ), foi a Brasília para participar de uma reunião de trabalho a fim de discutir reformulações no Cadastro Nacional de Adoção (CNA).

Nesta reunião, os integrantes do grupo de trabalho avaliaram e separaram quais propostas serão aproveitadas pelo CNJ para a reformulação do CNA. Importante ressaltar que as ideias propostas são resultado de workshops realizados em cada região do país em que se discutiu o cadastro.

“O que se propõe é a unificação do Cadastro Nacional de Adoção e do Cadastro Nacional de Crianças Acolhidas, sempre com o objetivo de bem acompanhar a medida protetiva de acolhimento institucional ou familiar, especialmente no tocante à fiscalização dos prazos em que as crianças e adolescentes permanecem afastadas da convivência familiar e sob a tutela do Estado. Está previsto o compartilhamento do mesmo banco de dados pelos dois cadastros e novos recursos para busca de pretendentes, a fim de tornar mais eficaz a busca de famílias para as crianças. A reunião se mostrou extremamente produtiva”, explicou Katy.

O Cadastro Nacional de Adoção é uma ferramenta digital lançada em 2008 pelo CNJ, visando facilitar o trabalho dos magistrados das Varas da Infância e Juventude de todo o país no que diz respeito aos procedimentos do processos de adoção. O Cadastro Nacional de Crianças Acolhidas (CNCA), por sua vez,  foi desenvolvido com o objetivo de criar um sistema on-line contendo dados das entidades de acolhimento e de crianças/adolescentes acolhidos. A intenção é integrar, via web, as informações de todos os órgãos e entidades de proteção envolvidos com a medida protetiva de acolhimento, tais como juízos de Direito da Infância e da Juventude, Promotorias de Justiça da Infância e da Juventude, Conselhos Tutelares, instituições de acolhimento, entre outros, na busca pela garantia do direito de crianças e adolescentes de serem criados no seio de uma família.

A juíza de MS lembrou ainda que o cadastro surgiu como uma inovação para simplificar e acelerar os processos de adoção no país, contudo, quase uma década depois, reclamações e sugestões dos usuários motivaram o corregedor Nacional de Justiça, ministro João Otávio de Noronha, a instituir um grupo de trabalho para aperfeiçoar os cadastros.

Além da juíza Katy Braun do Prado, participaram da reunião a juíza auxiliar da Presidência do CNJ, Sandra Silvestre, o juiz Élio Braz (PE), a juíza Morgana Emerick (SC), a juíza Ana Valéria Queiroz Santiago e o juiz Rodrigo Clazer.

Deixe seu Comentário

Leia Também

LEGISLATIVO
Deputados devem votar proposta de Refis e outras sete matérias nesta quarta-feira
GOVERNO PRESENTE
Murilo não descarta governo em 2022 e deixa eleição municipal “nas mãos” de Barbosinha
CONCURSO
TJ/MS divulga ensalamento do processo seletivo para estagiários
Educação
Ensino a Distância Mackenzie – Novo Polo em Dourados! Prepare-se para o mundo com a tradição Mackenzie.
LAVA JATO
Lula pede que STF suspenda julgamento de recurso no caso do sítio
ESTÉTICA
FLACIALL
EDUCAÇÃO
Enade: termina nesta quinta-feira prazo para responder a questionário
NEGÓCIOS & CIA
MasterMind Eu Sou arrecada mais de 10 mil reais para entidades carentes
LOTERIA
Mega-Sena acumula mais uma vez e prêmio vai a R$ 31 milhões
POLÍTICA
TRE/MS autoriza deputado estadual sair do PDT sem perder mandato

Mais Lidas

TENTATIVA DE FEMINICÍDIO
Ex esperou mulher chegar de curso para tentar matá-la no Estrela Verá
DOURADOS
Corregedoria abre sindicância para apurar ação da Guarda que terminou em morte
JÚRI POPULAR
Primeira tentativa de feminicídio do ano ocorre às vésperas de julgamento por crime de 2018
DOURADOS
Secretaria de Saúde contrata pessoal para limpeza com salários de R$ 1 mil a R$ 1,4 mil