Menu
Busca quarta, 20 de março de 2019
(67) 9860-3221
ARTIGO

Jakairá

16 março 2019 - 19h25Por Neimar Machado de Sousa

O calendário tradicional guarani na região do Mato Grosso do Sul aponta o mês de março como o tempo do jerosy, o ritual do batismo do milho saboró, chamado de Milho Jakairá. O ritual foi realizado em diversas aldeias guarani do estado. 

O aparecimento dos deuses e deusas expressam que Nhanderu Guasu, o criador, não queria ficar só. Da vitalidade primordial, o Jasuka, aos pés do Xiru, procederam Pa’i Tambeju, Jakaira Guasu, Jakaira Mir?, Tupã Guasu e muitos outros deuses e deusas. Jakairá, o pai verdadeiro, e seu filho, Jakairá Guasu, foram designados como os guardiões, jára, da bruma de onde nascem as belas palavras. É ele quem espalha a bruma pelo leito da terra para que o bem-viver e os alimentos germinem todos os anos. Esta bruma é reproduzida na fumaça do tabaco, pet?ngua, dos rezadores, mediante a qual comunicam-se com as divindades. 

O ritual do Jerosy (mborahéi itymbýry rete rehegua), dividido em canto longo (jerosy puku) e canto menor (jerosy mbyky) é uma canto-dança-reza sobre as plantas que brotam do corpo de Jakaira. 

Jakaira foi a divindade que criou o milho branco (Avati Jakairá), amarelo (Avati Tupi), a mandioca (mandi’o) e a batata (jety). Ele é o guardião que proporciona uma boa produção de todos os produtos agrícolas e alimentos tradicionais. O resultado do jerosy puku, seu canto ritual, é a purificação dos produtos agrícolas de todas as impurezas, trazendo equilíbrio social. O Jerosy conta como surgiram os produtos agrícolas e quando o nhanderu, sacerdote indígena, o canta novamente junto aos seus auxiliares, yvyra’ija, o tempo recomeça. O tempo histórico põe-se a caminhar (oguata) no mesmo ritmo do tempo sagrado e o calendário inicia renovado um novo ciclo terreno como no princípio da criação. 

O jerosy é a benção cantada (jehovasa) da colheita e dos alimentos maduros (aguije) antes de seu consumo. Durante este canto cada divindade é buscada do lugar de sua plenitude e em cada palavra dita com perfeição o jakairá é incorporado na sua força vital que provém do jasuka, princípio vital. 

A semente do milho saboró foi retirada da vestimenta de Jakaira, o ku’akuaha, seu cinto, germinada magicamente pela reza. O milho deve ser cultivado segundo as mesmas etapas de jakairá, do cultivo à colheita. Assim crescerá livre das pragas até ser colhido verde (avati kyry) e abençoado. O ritual é conduzido pelo sacerdote, nhanderu, o primeiro a consumi-lo ritualmente sob a forma de chicha, o jakairárary. Esta é a bebida preferida de todos os deuses. 

Jakairá guasu, irmão mais velho, e jakairá mir?, o mais novo, garantem a fecundidade da produção agrícola mediante a invocação, no início do ritual, da força vital que fecunda as plantas, ytymby jasuka, a partir da base do Xiru. 

Jakaira foi quem plantou a primeira roça (kokuê). O primeiro alimento que plantou foi o milho branco, saboró ou avati jakairá. Um dia depois de plantar a roça, pediu que Pa’i Tambeju fosse buscar o milho. Este pediu que sua esposa fosse buscar, mas esta perguntou se já estava maduro porque o milho havia disso plantado no dia anterior e não podia estar pronto para a colheita. Jakairá entristeceu-se e aumentou o tempo de crescimento do milho nas próximas roças para cinco meses. O milho é semelhante ao corpo de uma pessoa e se funde com o corpo de quem o consome, sendo o xamã, nhanderu, o primeiro a fazê-lo ritualmente. 

Jakairá tornou-se grande aliado de Nhanderu guasu em reconhecimento pelo seu trabalho na roça. 
Segundo a narrativa coletada na aldeia Limão Verde (Mbo’ehara Delfino), Amambai, MS, e aldeia Jaguapiru (Yvyra’ija Marciel), Dourados, MS, o pai de Jakaira, Xiru Jakaira, protetor das sementes, estava apaixonado pela filha de Nhanderu Guasu, mas era muito velho, desarrumado e sua aparência desagradava a moça. Tinha bichos de pé, piolhos, feridas pelo corpo e cheirava muito mal. Após algum tempo frequentando a casa de Nhanderu Guasu, percebeu que a moça nunca se casaria com ele. 

Um dia foi ao rio onde a moça costumava tomar banho com as amigas, mas quando chegaram o expulsaram da água, pois não se banhariam no mesmo lugar em que aquele homem tão feio e sujo estivesse. Ao sair, retirou um pedaço de seu cinto, o ku’akuaha, e deixou no meio das roupas deixadas por ela na margem do rio. Após um tempo, engravidou e deu à luz um menino sem saber quem era o pai. 
Nhanderu organizou uma grande reunião para a qual convidou todos os homens-divinos da aldeia e descobrir quem era o pai de seu neto. Apenas o Anhãy não foi convidado, pois era um demônio malvado. Cada um deles deveria fazer e enfeitar um pequeno arco de brinquedo, guyrapa’i, e oferecer ao garoto, que reconheceria o pai aceitando o presente. 

Quando chegou o dia da reunião o menino recebia os participantes que passavam diante da porta da grande casa, a ongusu. Depois que todos os homens passaram diante do menino, mas nenhum deles foi reconhecido como pai, restava apenas Jakairá, que passou a tardezinha depois das três da tarde, cujo arco foi aceito alegremente pelo menino. Ao aceitar o seu arco disse para a mãe: - Hu’i, pai. Contando que passaria no dia seguinte pela manhã. Naquele dia seu pai plantou a primeira roça com as sementes que brotavam de seu corpo, ficando magicamente rejuvenescido, livre do peso de todas aquelas sementes. 
Quando chegou à casa de Nhanderu, foi muito bem recebido, convidado para entrar e sentar-se na rede e colocar os pés sobre um banco. Nhanderu e Nhandesy, os avós do menino vieram conversar com ele e as irmãs tiveram ciúme uma da outra. A mãe perguntou a Jakairá se podia ir à sua roça. Este disse que ela podia ir com o Mynaku, cesto, buscar o milho, mas ela perguntou como podia estar maduro se havia plantado no dia anterior. 

Com este arco, Jakairá entoou o canto de Xiru Pa’i Kuara e a história dos gêmeos: Pa’i Kuará e Jasy. Este canto, guahu, é reproduzido até hoje ao final do ritual do Jerosy. Jakairá teve seu corpo purificado pela reza de Xiru Marangatu, sendo aceito posteriormente pela filha de Nhanderu Guasu. 

*Doutor em história da educação pela UFSCar e docente na UFGD. E-mail: neimar.machado.sousa@gmail.com

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Homem é preso após furtar tela de Associação de Moradores
ECONOMIA
Dólar fecha em queda com foco no Fed e aposentadoria dos militares
CRIME AMBIENTAL
Desmatamento gera multa de R$ 41 mil a produtor rural
IBOPE
Aprovação do governo Bolsonaro cai 15 pontos e chega a 34%
TEMPO
Caarapó é castigada com mais de 70 mm de chuva
TJMS
Juiz da infância de Dourados é promovido a desembargador do TJ
TRAGÉDIA
Brumadinho: total de mortes confirmadas sobe para 209
FUTEBOL DE MS
Primeira fase do Estadual termina sem troca de técnicos
DOURADOS
Defesa Civil mantém alerta com “chuvarada” que deve continuar na região
RESSOCIALIZAÇÃO
Artesã ensina detentas a confeccionar bonecas de pano

Mais Lidas

PREJUÍZO
Chuva forte derruba árvores e deixa ruas alagadas em Dourados
DOURADOS
Pai e madrasta de criança morta por agressão vão a júri popular
FRONTEIRA
Homem é executado enquanto tomava tereré na frente de açougue
IMPETUS
“Central de inteligência” do PCC que planejava matar servidores de MS é desarticulada na PED