Menu
Busca sexta, 17 de janeiro de 2020
(67) 9860-3221
JUSTIÇA

Desembargadores mantêm regime semiaberto para motorista embriagado

19 julho 2019 - 16h35

Por unanimidade, os desembargadores da 1ª Câmara Criminal negaram provimento ao recurso interposto por M.B. da S. contra sentença que o condenou por conduzir veículo automotor com capacidade psicomotora alterada, em razão da influência de álcool. A pena aplicada foi de sete meses de detenção, em regime inicial semiaberto, 120 dias-multa, além da suspensão para dirigir veículo automotor pelo período de três meses.

Segundo o processo, no dia 13 de agosto de 2017, em Campo Grande, o denunciado conduzia seu veículo, quando invadiu a pista contrária, e causou a colisão no carro de L.R. de O.S. Assim, teve que frear bruscamente seu carro e acabou sendo atingido na parte traseira por uma motocicleta, conduzida por W. S. dos. S, que tinha como passageiros esposa e o filho de dois anos, que sofreram lesões corporais leves.

No momento em que os policiais abordaram M.B. da S., constataram que o mesmo apresentava visíveis sinais de embriaguez como, olhos avermelhados, odor etílico, dificuldade no equilíbrio e fala alterada. Além disso, o denunciado também se recusou a realizar o teste etilômetro.

Na apelação, o autor busca a absolvição por ausência de materialidade quanto ao fato de conduzir veículo automotor com capacidade psicomotora alterada, pois afirma que, mesmo que tenha ingerido bebida alcoólica, isso não garante a alteração de sua capacidade psicomotora. Sustenta que o regime semiaberto é excessivo, pois reparou todos os danos a terceiro, solicitando o regime aberto para o cumprimento.

O juiz substituto em 2º grau Lúcio Raimundo da Silveira, relator do processo, apontou que o próprio apelante afirmou que bebeu algumas latinhas de cerveja e que não se recorda de ter invadido a pista contrária, tampouco de se negar à realização do teste etilômetro. Ele ciou ainda que as testemunhas afirmaram que havia sinais aparente de embriaguez. “Logo, mesmo sem o teste de bafômetro, essas constatações são suficientes para comprovar a materialidade delitiva”, escreveu o relator em seu voto.

Ao concluir, o relator destacou que se as provas documentais estão em consonância com as provas orais colhidas, em especial o depoimento dos policiais, que atestam a autoria e materialidade delitiva, confirmando o estado de alteração da capacidade psicomotora do acusado, não há que se falar em absolvição.

“Deve ser mantida a condenação e, em se tratando de sentenciado reincidente, ainda que condenado a pena igual ou inferior a quatro anos, mostra-se acertada a fixação do regime inicial semiaberto. Posto isso, nego provimento ao recurso. É como voto”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MUNDO
População da China aumenta para 1,4 bilhão de habitantes
BRASIL
Piso salarial de educadores vai para R$ 2,8 mil
ECONOMIA
Ociosidade na indústria cai para o menor nível desde agosto de 2018, diz CNI
POLÍCIA
DOF recupera veículo de família que foi feita refém
NEGÓCIOS & CIA
Novo conceito em prestação de serviços
CAPITAL
Veterinária deixa motel em surto e morre embaixo de caminhão
ESTADO
Van furtada há quase um ano é recuperada pela PRF
DOURADOS
Ex-secretário de Saúde tem mais um habeas corpus negado
ESTADO
Honorários do perito nos casos de Justiça gratuita devem seguir tabela do próprio tribunal ou do CNJ
CHAPADÃO DO SUL
Padrasto tortura menino de 3 anos após criança fazer xixi na cama

Mais Lidas

DOURADOS
Dono de borracharia sofre ferimentos com explosão ao encher pneu
DOURADOS
Motorista envolvido em acidente com morte no domingo se apresenta à polícia
DOURADOS
Homem é preso por destruir celular em operação deflagrada para esclarecer homicídio
POLÍCIA
Mulher é presa após furtar loja de departamentos em Dourados