Menu
Busca quarta, 11 de dezembro de 2019
(67) 9860-3221
JBS

CPI inicia a fase de oitivas na próxima semana com secretário de Fazenda

13 setembro 2017 - 18h00

Na reunião ordinária da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Irregularidades Fiscais e Tributárias de Mato Grosso do Sul, realizada nesta tarde (13), foi aprovado por unanimidade um requerimento de autoria do deputado estadual Paulo Siufi (PMDB) para convocar o secretário de Estado de Fazenda de MS (Sefaz/MS), Marcio Monteiro, para a primeira oitiva da CPI.

O deputado estadual Paulo Corrêa (PR), presidente da CPI, comentou sobre os próximos passos da Comissão.

"Estamos convidando oficialmente, na próxima quarta-feira, o nosso secretário de Fazenda, Marcio Monteiro, para que ele possa prestar esclarecimentos à CPI. Já estudamos o Termo de Ajustamento de Regime Especial [Tare] do Governo Reinaldo Azambuja e dois Tares do Governo André Puccinelli. Continuaremos o cronograma já aprovado de visitas e a reunião a tarde acontecerá normalmente, pois a viagem à Coxim, no dia 20, se não for cancelada, está prevista para ser de manhã", explicou.

O presidente da CPI esclareceu que as primeiras visitas às unidades da JBS no Estado, que constam no 1º Tare verificado, não aconteceram devido ao documento, sempre protocolado no dia anterior à visita marcada, trazido pelo advogado da J&F, holding que controla a JBS, declarando que não a visita não era necessária, pois aquela unidade da JBS não cumpriu a contrapartida que deveria ser prestada ao receber os benefícios fiscais do Estado.

O requerimento apresentado pelo deputado Pedro Kemp (PT), que trata da regulamentação da Lei Federal 12846/2013 no Estado também foi aprovado. "Que o Governo do Estado encaminhe um projeto ou faça, através de um Decreto a regulamentação da lei federal anticorrupção, até porque, para buscar o ressarcimento daquilo que a JBS deve ao Estado, nós precisamos de instrumentos legais e jurídicos para fazer essa cobrança, para um possível acordo de leniência, e a regulamentação dessa lei aqui no Estado será fundamental para obrigar a JBS a pagar aquilo que ela deve ao Estado de Mato Grosso do Sul", ressaltou.

Também estava presente na reunião o vice-presidente da CPI das Irregularidades Fiscais e Tributárias do Estado de Mato Grosso do Sul, deputado estadual Eduardo Rocha (PMDB).

Tares

São os Termos de Ajustamento de Regime Especial que a empresa JBS firmou com o Governo do Estado, bem como os aditivos, notas fiscais e detalhamentos sobre os incentivos fiscais concedidos.

CPI

A CPI foi constituída para investigar a denúncia realizada pelos executivos da JBS, Joesley Mendonça Batista, Wesley Mendonça Batista e Ricardo Saud, do pagamento de diversas notas fiscais ‘frias’ emitidas por pessoas físicas ou jurídicas entre os anos de 2010 a 2017, sem o devido fornecimento de bens ou serviços, em contraprestação à suposta concessão indevida de benefícios fiscais pelo Estado de Mato Grosso do Sul.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Seis em cada dez industriais consideram governo Bolsonaro ótimo ou bom
FRONTEIRA
Ponta Porã e Pedro Juan podem receber construção de porto seco
REDE MUNICIPAL
Alunos de Dourados lançam livros com direito a ‘noite de autógrafos’
TRIBUTO
IPVA 2020: contribuinte tem 15% de desconto pagando à vista até final de janeiro
ARTIGO
O difícil cultivo da Paciência
BATAGUASSU
Televisão é furtada de posto de saúde e recuperada pela polícia
BRASIL
Pagamento do 13º do Bolsa Família vai até 23 de dezembro
INTERNACIONAL
Continuam as buscas por aeronave chilena que desapareceu na Antártica
DOURADOS
Mais de dois meses após fuga, maior presídio de MS amplia videomonitoramento
OPERAÇÃO VILA BRASIL
Investigação aponta uso de ‘laranjas’ para direcionamento de licitações

Mais Lidas

CAARAPÓ
Homem é assassinado a golpes de faca após discussão em bar
DOURADOS
Inteligência da PM prende dois por tráfico no bairro Estrela Tovi
GRANDE DOURADOS
Quadrilha especializada em roubo de caminhonetes é desarticulada e seis são presos
FURTO
Polícia recupera objetos e fecha ponto de receptação em Dourados