Menu
Busca segunda, 09 de dezembro de 2019
(67) 9860-3221
HISTÓRICO ESCOLAR FALSO

Condenação por falsificação e estelionato é mantida pela 3ª Câmara Criminal

21 setembro 2019 - 18h23Por Da Redação

No julgamento de uma apelação, os desembargadores da 3ª Câmara Criminal mantiveram a condenação do apelante, que ingressou com recurso visando a reforma da sentença que o condenou a quatro anos, quatro meses e 24 dias de reclusão, em regime semiaberto, por estelionato e uso de documento falso.

Segundo o processo, no ano de 2016 o réu usou histórico escolar falso ao realizar sua matrícula no curso de formação de Sargentos da Polícia Militar. Ele apresentou à comissão do concurso histórico escolar emitido por uma escola com sede em São Paulo (SP), mas a Seção de Contra Inteligência entrou em contato com o estabelecimento de ensino e verificou que o réu não havia estudado naquele local, além de não haver oferta de curso na modalidade EJA, como apresentado pelo acusado, comprovando-se a falsidade do documento.

Após a conclusão do curso de sargento, o réu recebeu indevidamente o certificado ao cargo, obtendo vantagem indevida e mantendo a administração militar em erro, por meio fraudulento.

Diante da decisão de primeiro grau, a defesa alegou que o conjunto probatório é insuficiente para condená-lo, objetivando sua absolvição, além de requerer o princípio da consunção – aplicado em casos em que há uma sucessão de condutas com existência de nexo de dependência, e a substituição da pena corpórea por uma restritiva de direitos.

A Procuradoria-Geral de Justiça opinou pelo improvimento do apelo.

Para o relator do processo, Des. Jairo Roberto de Quadros, o réu não apresentou nenhum indício da realização de curso nem de ter participado de aulas, ou mesmo realizado provas ou trabalhos. No entender do desembargador, há também nítidas contradições entre o depoimento do réu e o da testemunha inquirida, despontando do caderno processual elementos de convicção suficientes acerca da materialidade, autoria e comportamento doloso imputados, descabendo a almejada absolvição.

O relator apontou ainda que o pedido de aplicação do princípio da consunção não deve ser acolhido, tendo em vista que o crime-meio (uso de documento falso) é utilizado apenas para alcançar o crime-fim (estelionato).

“Não cabe ao caso o pedido de substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direitos, conforme o inciso I do art. 44 do Código Penal, portanto conheço do recurso e nego provimento, mantendo inalterada a sentença”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MEIO AMBIENTE
Universidades estudam como reduzir emissões de CO2 na atmosfera
MEIO AMBIENTE
Governo vai remunerar quem atua na conservação ambiental
CONCURSO
11 órgãos abrem inscrições para 1,4 mil vagas nesta segunda-feira
SUMIÇO
Família procura por homem que desapareceu na região de Taquarussu
MÚSICA
Festival em meio a 'reserva natural' acontece hoje em Dourados
FUTEBOL
Última rodada do Brasileirão 2019 será disputada neste domingo
ECONOMIA
Com a certeza de dinheiro na conta, servidor estadual faz planos com 13°
INTERNACIONAL
Pelo menos 43 pessoas morrem em incêndio em fábrica da Índia
AGEPAN
Portaria homologa tarifas de pedágio de ponte sobre o Rio Paraguai
DOURADOS
Inteligência da PM prende dois por tráfico no bairro Estrela Tovi

Mais Lidas

CAMPO GRANDE
Deputado perde Carteira de Habilitação ao cair em blitz da Lei Seca
RIBAS DO RIO PARDO
Casal aparece e relata que “sumiço” foi por contratempo com celular
POLÍTICA
Plenário do Senado pode votar o Pacote Anticrime ainda neste ano
Homem "furta" carro penhorado em "boca" e é perseguido por traficantes