Menu
Busca quinta, 24 de maio de 2018
(67) 9860-3221
SICREDI
MENOS DE 2 ANOS

Comitê para atendimento de refugiados já atendeu mais de 300 pessoas em MS

14 fevereiro 2018 - 19h35

Estado acolhedor, Mato Grosso do Sul recebe imigrantes de várias partes do mundo, alguns deles em situação de vulnerabilidade. Para dar assistência a essas pessoas, em 2016 foi instituído o Comitê para Atendimento de Refugiados, Migrantes e Apátridas (Cerma), sob coordenação da Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho (Sedhast), do Governo do Estado.

Constituído por 17 membros, 12 governamentais e cinco de Organizações Não Governamentais (Ongs), o comitê já atendeu 320 pessoas, entre eles haitianos, indiano, colombianos, guineenses, palestinos, paraguaios, ugandenses, senegaleses, espanhol, uruguaios, alemão, peruano, argentino, bolivianos, cubanos, africanos, sírios, palestinos, venezuelanos, portugueses, chileno e panamenho. Entre os integrantes do comitê estão entidades como Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Polícia Federal e instituições de ensino.

Mas antes mesmo da criação do comitê, a Sedhast já fazia o trabalho de acolhimento e atendimento a estrangeiros. “Temos um trabalho de referência. Fizemos um trabalho muito grande com relação aos haitianos, em 2015. Muitos deles vieram a Mato Grosso do Sul para trabalhar no início da construção do Aquário do Pantanal. Recebemos de 2000 a 2500 haitianos, hoje são 1.200. Fornecemos alimentação, roupas, calçados, conseguimos intérpretes e fizemos encaminhamento de toda a documentação para eles permanecerem no país”, conta a secretária da pasta Elisa Nobre. De acordo com ela, apenas outros quatro estados brasileiros possuem comitês como esse: Paraná, São Paulo, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Já Brasília possui um conselho.

Recentemente, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, citou Mato Grosso do Sul como possível destino de venezuelanos que chegaram a Roraima e a Sedhast iniciou uma conversa com o Governo Federal sobre o assunto. “Não podemos ficar parados. Ainda não recebemos um comunicado oficial dessa necessidade de acolher os venezuelanos, mas já estamos em contato com Brasília. Mato Grosso do Sul não foi citado por acaso, mas pela excelência das suas ações”, afirma Elisa Nobre.


O Estado ainda não recebeu nenhum venezuelano por conta da crise política atual. O único caso relacionado à Venezuela é de um casal daquele país que pediu auxílio para encontrar a família no Rio Grande do Sul.

Elisa Nobre explica que o Governo Sul-mato-grossense está se preparando para prestar auxílio humanitário aos refugiados e amenizar o impacto para quem vem e para quem mora em Mato Grosso do Sul. Ela descartou qualquer possibilidade de o Estado “fechar” as fronteiras. “Precisamos entender que eles não vêm para roubar postos de trabalho, mas para somar. Ninguém gosta de deixar a sua casa. Eles vêm por necessidade. Precisamos nos preparar, gestores e cidadãos”, diz.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Bloqueios vão afetar transporte público a partir desta sexta
DOURADOS
MP pede para consumidores denunciarem preços abusivos no combustível
LIBERTADORES
Por liderança e vantagem, Santos encara Real Garcilaso
APREENSÃO
PRF apreende maconha em fundo falso de veículo na BR-463
GREVE DOS CAMINHONEIROS
Em aúdio vazado, ministros do STF criticam greve durante sessão
DOURADOS
Guarda Mirim ganha importantes aliados para formação de jovens
DIVISA SEGURA V
Operação vai intensificar fiscalização em nove cidades do Leste e Norte do Estado
BRASIL
Geraldo defende caminhoneiros e pede revisão tributária
ECONOMIA
Petrobras reduz preço da gasolina pelo terceiro dia consecutivo
É LEI
Casas de festas e bares terão de informar sobre perigo em brinquedos

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Douradense morre em acidente na MS-270
RODOVIAS BLOQUEADAS
Greve dos caminhoneiros pode paralisar indústria em Dourados
GASOLINA A R$ 5
Contra abuso nos preços, força-tarefa autua postos em Dourados
TENTATIVA DE HOMICÍDIO
Rixa antiga teria motivado atentado contra “zóio de gato”