Menu
Busca Segunda, 11 de Dezembro de 2017
(67) 9860-3221
Reveillon - Clube Indaiá
MEIO AMBIENTE

Azambuja diz esperar que MS atinja o nível de “‘carbono neutro”

07 Novembro 2017 - 09h09

O governador Reinaldo Azambuja defendeu, como porta-voz do bloco de governadores dos estados do Brasil Central, “uma política de Estado e não de governo” para estimular a produção de biocombustíveis, dentro da proposta RenovaBio. O Forúm do Brasil Central foi criado em 2015 pelos governadores de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Tocantins e Distrito Federal e recebeu a adesão também dos estados de Rondônia e Maranhão.

O governador participou segunda-feira, em São Paulo, da abertura da 17ª Conferência Internacional Datagro – “Um novo começo para o açúcar e etanol”, realizada em São Paulo. Ele foi homenageado pela contribuição às ações socioambientais e falou da importância estratégica do setor agroenergético para o crescimento econômico sustentável, mas lembrou dos desafios quanto à regulação, infraestrutura e logística.

Reinaldo Azambuja destacou a liderança do Brasil na geração de energia limpa, de fontes renováveis, deve se fortalecer e refletir no crescimento do setor sucroenergético, segmento que, segundo o governador de Mato Grosso do Sul, dá uma grande contribuição ao desenvolvimento econômico e social, mas a falta de um programa de estímulo ao setor e restrições do mercado inibiram investimentos na produção de biocombustíveis nos últimos cinco anos, conforme demonstram as estatísticas.

O RenovaBio foi à consulta pública no primeiro trimestre de 2017, teve suas diretrizes aprovadas pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) em junho e depois foi enviado à Casa Civil para formatação como Medida Provisória (MP) ou Projeto de Lei. O governador Reinaldo Azambuja disse que todos os estados do Brasil Central assinaram documento em defesa da proposta.

Reinaldo Azambuja aproveitou o evento para reforçar a necessidade da reforma da previdência, com o fim das distorções e “privilégios que drenam grande parte da receita das contribuições”.  O governador disse que as reformas não de vem ser tratadas como política de governo, mas sim de Estado. “Os governos passam”, afirmou, notando que no caso da previdência é vital para a saúde financeira da União, Estados e Municípios, cujos orçamentos já estão comprometidos em razão do déficit previdenciário.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PERSEGUIÇÃO
Motorista foge e abandona carro com 1t de maconha em MS
REAJUSTE
Petrobras elevará preços do diesel em 1,8% e da gasolina em 1,4% amanhã
DOURADOS
Agricultura familiar cresce e se consolida com atuação da Prefeitura
ESPORTE
Definidos os campeões da última etapa do estadual de beach tennis
CINEMA
Cultura reabre edital que destina R$ 300 mil para a produção de filmes
DOURADOS
Servidores não descartam greve no Hospital da Vida
FUTEBOL
PSG x Real, Chelsea x Barça: confira o sorteio das oitavas da Champions
IVINHEMA
Braço de motociclista vai parar no banco de veículo após colisão
EDUCAÇÃO
Unigran sela parceria com Google e aprimora ferramentas pedagógicas
AMPLIAÇÃO
Presídio de Ponta Porã ganha 144 novas vagas nesta segunda-feira

Mais Lidas

DOURADOS
Jovem encontrado no Potreirito foi morto com dois tiros
POLÍCIA
Ciclista morre após acidente no João Paulo II
DOURADOS
Assaltante “homem de ferro” foge após crime próximo a boate
POLÍCIA
Identificado morto na Linha do Potreirito
Identificado morto na Linha do Potreirito