Menu
Busca terça, 18 de setembro de 2018
(67) 9860-3221
BRASIL

Aprendiz que engravidou durante contrato consegue reintegração

05 junho 2015 - 17h30

Assessoria

Uma aprendiz menor de idade contratada pelo Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) como "aprendiz legal de práticas bancárias" que ficou grávida durante o contrato vai ser reintegrada ao trabalho, com base na estabilidade provisória gestante. A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho negou provimento a recurso da instituição.

O relator, ministro José Roberto Freire Pimenta, esclareceu que o direito da gestante à garantia de emprego visa, em particular, à proteção do nascituro. Ele observou que o Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região (RO/AC) registrou que a concepção ocorreu na vigência do contrato de aprendizagem, condição essencial para que seja assegurada a estabilidade, não sendo exigido o conhecimento da gravidez pelo empregador (Súmula 244, item III, do TST).

Na reclamação, a aprendiz pediu a reintegração ao emprego, informando que o contrato de aprendizagem com a instituição abrangeu o período de setembro de 2011 a setembro de 2013. Embora tenha cientificado a empresa de seu estado gestacional, iniciado em abril de 2013, o contrato foi extinto.

O CIEE alegou que o contrato abrangia atividades práticas, realizadas no âmbito do Banco do Brasil, e formação teórica, sob a sua responsabilidade. Entendia, por isso, ser incabível a continuidade do pacto porque já havia exaurido seu objeto, ou seja, a formação técnico/profissional metódica da aprendiz por tempo certo e determinado.

Segundo o relator, porém, a decisão regional está em conformidade com artigo 10, inciso II, alínea "b", do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT), que veda a dispensa arbitrária da empregada gestante, desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto. Também a jurisprudência do TST já se firmou no sentido de que a gestante tem direito à estabilidade provisória, "mesmo em caso de contrato de aprendizagem", espécie de contrato por prazo determinado, conforme estabelecido na nova redação dada ao item III da Súmula 244.

A decisão foi por maioria, ficando vencido o ministro Renato de Lacerda Paiva.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GOLPE
Homem teve celular e dinheiro roubados após ser vítima de "boa noite Cinderela"
DOURADOS
Abevê realiza décima edição da Sipat
CULTURA
Festival do Chamamé começa amanhã em MS
REGIÃO
Agehab notifica moradores de Itaporã por irregularidade contratual
BRASIL
Bolsonaro apresenta boa resposta a tratamento
EDUCAÇÃO
Mais de 80 mil jovens e adultos privados de liberdade fazem o Encceja
JUSTIÇA
Justiça do Trabalho inicia mutirão para solucionar processos durante fase de execução
ESPORTE
1ª Copa Abevê de Futsal começa nesta quarta-feira
FAMOSOS
Bruna Linzmeyer curte praia com suas amigas enquanto se prepara para novo papel
DEVER CUMPRIDO
Guarda Municipal aposenta mulher da 1ª turma da Corporação em Dourados

Mais Lidas

DOURADOS
Homem encontrado na Marcelino morreu de causas naturais
FLAGRANTE
Mãe é presa na frente da filha traficando cocaína
DOURADOS
Corpo é encontrado na Marcelino Pires
DOURADOS
Morador flagra ladrão e aciona a polícia que consegue prende-lo