Menu
Busca quarta, 16 de janeiro de 2019
(67) 9860-3221
ECONOMIA

Após variações, dólar opera em alta por exterior e expectativa de fluxo

12 junho 2015 - 16h30

G1

O dólar se firmou em alta em relação ao real, após ter alternado leves altas e baixas durante a manhã desta sexta-feira (12), com o impasse em torno da dívida da Grécia e a preocupação da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, com a alta do euro contrabalançando a expectativa de ingresso de recursos externos no Brasil diante da perspectiva de mais elevações da Selic.

Por volta das 15h30, a moeda norte-americana era vendida a R$ 3,1161, em alta de 0,33%, após cair 0,28% na véspera.

Incertezas sobre a Grécia continuam entre as preocupações do mercado. Várias autoridades afirmaram à Reuters que a União Europeia discutiu formalmente pela primeira vez a possibilidade de um default da dívida grega, em um momento em que as negociações entre Atenas e seus credores estagnaram e o Fundo Monetário Internacional (FBI) abandonou as discussões.

"Rumores de controles de capital, perdas com dívida e default estão circulando em meio à deterioração nas negociações", escreveram analistas do Scotiabank em nota a clientes.

A possibilidade de um default, que poderia levar Atenas a deixar a zona do euro, vem levando investidores a evitar ativos de maior risco e a moeda europeia, refugiando-se na segurança do dólar. Com isso, a procura pela compra de dólares é maior, estimulando alta da moeda.

Nesta sessão, o avanço global da divisa norte-americana vinha também após a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, afirmar que o fortalecimento do euro torna mais difícil para países como a Espanha e Portugal sentirem os benefícios de reformas econômicas.

No Brasil
Investidores continuavam monitorando o noticiário em busca de pistas sobre o futuro da taxa básica de juros. A percepção ampla do mercado é que a Selic tende a subir pelo menos mais 0,75 ponto percentual, encerrando o ciclo de aperto monetário a 14,50%, o que poderia atrair para o Brasil recursos aplicados nos mercados internacionais.

"O mercado precisa colocar na conta que os juros não vão parar de subir tão cedo e que isso traz capital para o Brasil, apesar de toda a pressão vinda lá de fora", disse à Reuters o superintendente de câmbio da corretora Intercam, Jaime Ferreira.

Além disso, o mercado segue atento a sinalizações de que o Banco Central irá diminuir sua interferência no câmbio. O BC sinalizou nesta semana que pretende rolar uma proporção menor dos swaps cambiais que vencem em julho. Analistas avaliam que a decisão aponta tolerância a um dólar mais alto em relação ao real para estimular a economia via exportações em meio ao ciclo de aperto monetário.

O Banco Central dará continuidade nesta sexta-feira à rolagem dos swaps cambiais que vencem em julho, com oferta de até 6,3 mil contratos.

Na véspera, a moeda norte-americana terminou o dia vendida a R$ 3,1060, em queda de 0,28%.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TELEVISÃO
'BBB19' estreia com prova de imunidade e vitória de Gustavo e Danrley
AGENDA
Governador vai a Maracaju e entrega estação de tratamento de esgoto
LOTERIA
Mega-Sena acumula mais uma vez e prêmio vai a R$ 27 milhões
EDUCAÇÃO
Inep divulga notas do Enem na próxima sexta-feira
PIS/PASEP
pagamento de abono aos nascidos em janeiro e fevereiro começa amanhã
POLÍTICA
Bolsonaro recebe presidente argentino nesta quarta-feira em Brasília
PROCESSO SELETIVO
Sebrae encerra seleção para profissionais com salários de até R$ 7 mil
CAMPO GRANDE
Mulher é presa com 31 tabletes de maconha que levaria para Goiás
TEMPO
Quarta-feira de sol com aumento de nebulosidade em Dourados
UAU
Paloma Bernardi faz passeio relaxante e impressiona com barriga negativa

Mais Lidas

GRUPOS RIVAIS
Interno do semiaberto de Dourados é morto em briga de facções
POLÍCIA
Motorista que morreu em acidente na BR-163 tinha 28 anos
BR-163
Acidente que matou motorista de ônibus deixou outros cinco feridos
DOURADOS
Délia exonera secretário e coloca interina na Agricultura Familiar