Menu
Busca domingo, 17 de fevereiro de 2019
(67) 9860-3221
SÃO PAULO

Após mais de 90 dias, professores da rede estadual de SP suspendem greve

13 junho 2015 - 17h19

Os professores da rede estadual de São Paulo decidiram suspender a greve. A decisão foi tomada na tarde de sexta-feira (12) em assembleia na avenida Paulista. A paralisação durou 92 dias e foi a maior greve da categoria no Estado.

A decisão ocorre em um momento de enfraquecimento da paralisação -- com o desconto dos dias parados, a adesão à greve diminuiu, segundo o sindicato. A Apeoesp, principal sindicato da categoria, contabilizava que 30% dos profissionais estão paralisados. No começo da semana retrasada, o governo Geraldo Alckmin (PSDB) afirmava que os faltosos não passam de 5%.

O motivo, segundo o sindicato, foi o corte de ponto dos grevistas, que estão desde maio sem receber salário. O sindicato recorre dos descontos no Supremo Tribunal Federal (STF).

O sindicato da categoria fez uma reunião com o governo do Estado neste mês. O governo informou que enviará, em até 30 dias, projeto de lei que estende o atendimento médico de saúde dos servidores públicos (Iamspe) a esta parcela da categoria.

O governo também sinalizou que vai diminuir o intervalo contratual dos temporários para três anos - hoje, eles precisam se afastar das aulas por 40 dias após um ano de trabalho, para não haver vínculo empregatício. A Secretaria Estadual de Educação já havia mencionado em reunião anterior que "estudava" a implementação das medidas.

A greve

Entre as reivindicações, os professores pedem a valorização da carreira, reajuste salarial que equipare perdas salariais, aumento do valor do vale-transporte e do vale-alimentação e são contra o fechamento de salas de aulas, o que ocasionou a demissão de 20.000 professores e superlotou turmas remanescentes.

A Secretaria de Educação do Estado de São Paulo afirmou que "avalia que a decisão do sindicato é extemporânea e ofensiva aos pais e alunos paulistas, uma vez que a categoria recebeu o último aumento salarial há sete meses, em agosto de 2014, o que consolidou um reajuste de 45%".

Segundo a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, em 2011 foi instituída uma política salarial que permitiu aos professores e demais servidores da rede estadual de ensino um aumento salarial de 45% em quatro anos.

A Apeoesp argumenta que, passados os quatro anos, o reajuste está defasado e que por isso o aumento de 75,33% equipararia as perdas salarias aos vencimentos das demais categorias de nível superior. Hoje, o salário é de R$ 2.145, para 40 horas semanais.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ECONOMIA
Ao menos 14 órgãos abrem inscrições para preencher quase mil vagas
EMPRÉSTIMO
Sem regra rígida para consignado, bancos mantêm assédio a idosos
CAMPO GRANDE
Advogado é preso por intimidar policiais durante fiscalização
POLÍCIA
Para defender a mãe de agressão, adolescente mata padrasto a tiros
CONCURSO
IFMS encerra inscrições para seleção de professores substitutos
TRÊS LAGOAS
Mulher morre ao dar entrada em hospital com dengue dos tipos B e C
BRASIL
MEC quer saber quantas adolescentes em idade escolar engravidaram
CAMPO GRANDE
Policial municipal embriagado é preso após atirar em frente conveniência
SHOWBIZZ
Debora Nascimento e José Loreto se separam após 6 anos
PROBLEMAS FINANCEIRO
Endividado, Emerson Fittipaldi tem contas bloqueadas por Justiça

Mais Lidas

TRÂNSITO
Vídeo mostra acidente que matou duas pessoas em Dourados
TRÂNSITO QUE MATA
Dois morrem em colisão frontal em Dourados
DOURADOS
Jovem morre após troca de tiros com a polícia no Água Boa
JARDIM COLIBRI
Homem é executado na frente da mulher em Dourados