Menu
Busca sexta, 20 de setembro de 2019
(67) 9860-3221
MATO GROSSO DO SUL

A pedido de juiz, delegacias gravarão interrogatórios de homicídios dolosos

12 setembro 2019 - 09h56Por Da Redação

Atendendo ao Ofício nº 2214/2019 da 1ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, foi editada nesta terça-feira (10), pela Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (DEPAC/CG), a portaria que estabelece às equipes plantonistas da DEPAC Centro e DEPAC Piratininga a gravação audiovisual dos interrogatórios policiais dos autos de prisão em flagrante delito ou situação não flagrancial de crimes de competência do tribunal do júri – crimes dolosos contra a vida, tentados ou consumados.

A medida foi tomada a partir do pedido feito pelo juiz da 1ª Vara do Tribunal do Júri, Carlos Alberto Garcete de Almeida, que, em razão de inúmeros casos em tramitação, nos quais os acusados constantemente alegam que não declararam na delegacia o que está escrito pelas autoridades policiais nos respectivos interrogatórios juntados ao processo.

Diante desta situação, o magistrado solicitou a gravação audiovisual nos casos de inquéritos policiais envolvendo homicídios dolosos e feminicídios, sobretudo em casos envolvendo facções criminosas, a fim de que possam instruir o relatório conclusivo com as respectivas mídias.

De acordo com a portaria, as gravações serão feitas por meio das câmeras existentes nos computadores da sala do delegado plantonista ou escrivães plantonistas, devendo em seguida proceder a gravação do arquivo em DVD-R fornecido pela direção da DEPAC, o qual deverá acompanhar o auto de prisão em flagrante/boletim de ocorrência.

A gravação audiovisual tem se mostrado uma necessidade atual, uma vez que reforça a segurança jurídica das ações da polícia judiciária, o que já vem ocorrendo em algumas unidades da federação.

Nos últimos meses, os casos envolvendo crimes cometidos por rivalidades entre facções criminosas têm demonstrado a importância da adoção de tal medida, uma vez que os acusados, na fase judicial, estão rotineiramente invalidando tudo o que disseram em seus depoimentos na delegacia, sob o argumento de que estavam submetidos a tortura, maus tratos e/ou forçados a assinar sem ler.

A conduta de negar ou invalidar os depoimentos têm sido uma conduta costumeira, tanto em casos que tramitam na 1ª quanto na 2ª Vara do Tribunal do Júri da Capital. Assim, uma vez adotada esta medida, a gravação dos depoimentos será um aliado importante para a busca da verdade e da justiça nos esclarecimentos dos crimes contra a vida.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Após acidente de trabalho, homem morre no Hospital da Vida
HOSPITAL DA VIDA
Homem morre após acidente e hospital só consegue contato com a família dois dias depois
TRÂNSITO
Acidente envolvendo colegas de trabalho mata policial na fronteira
TEMPO
Após 17 dias ‘secos’, chove em Dourados e pancadas podem seguir no sábado
SANGUESSUGA
Tetila é condenado a devolver R$ 173 mil por irregularidades na compra de ambulâncias
CAMPO GRANDE
Polícia Ambiental resgata gambá de incêndio em terreno baldio
FUTEBOL
Nove jogadores do Brasileirão são convocados para Pré-Olímpico
EXÉRCITO
Brigada Guaicurus troca comando em Dourados na segunda-feira
DOURADOS
Bêbado é preso após bater carro e derrubar muro
ESTADO
Secretaria de Estado de Saúde divulga horário de funcionamento das unidades vinculadas

Mais Lidas

POLÍCIA
PRF apreende caminhonete com cerca de 3 toneladas de maconha
DOURADOS
Polícia fecha “boca do Matrix” e prende acusado de vários furtos no Centro
DOURADOS
Justiça concede liberdade a mulher que liderava quadrilha presa com 1t de maconha
DOURADOS
Preso que fugiu da PED realizava serviço com outros 10 internos