Menu
Busca sexta, 22 de março de 2019
(67) 9860-3221

Câmara prorroga por dois anos alíquota de 27,5% do IR

03 dezembro 2003 - 08h21

A Câmara dos Deputados aprovou na noite de desta terça-feira a prorrogação por dois anos (2004 e 2005) da alíquota de 27,5% do Imposto de Renda para Pessoas Físicas. A aprovação foi pelo processo simbólico de votação. Durante toda a sessão, que durou quase cinco horas, a oposição usou todos os dispositivos regimentais para obstruir a votação do projeto. Diversos requerimentos para adiamento da votação foram apresentados pela oposição e rejeitados pela base governista para permitir a votação da proposta do governo na noite de hoje. O projeto terá agora que ser aprovado pelo Senado e sancionado antes de 31 de dezembro para vigorar em 2004. Ele só trata da prorrogação da alíquota e não mexe no reajuste da tabela do IR. A oposição insistiu até a última hora que era essencial à correção da tabela e também a redução da alíquota de 27,5% para 25%. O relator do projeto na Comissão de Finanças e Tributação, deputado Antonio Cambraia (PSDB-CE), queria uma correção de 22,87% na tabela do imposto, além da alíquota de 25%. O governo rejeitou o parecer do relator. Segundo o vice-líder do PT, deputado José Pimentel (CE), essa correção provocaria uma perda geral de R$ 3,45 bilhões de arrecadação no ano que vem. Desses recursos, R$ 1,325 bilhão (União), R$ 1,26 (estados), R$ 790 milhões (municípios) e R$ 75 milhões (Fundo de Desenvolvimento Regional). A aprovação do projeto do Imposto de Renda só foi possível graças a acordo firmado na base governista, pouco antes das 21 horas. Os aliados que vinham insistindo na prorrogação da alíquota por tempo indeterminado decidiram limitar a dois anos (2004 e 2005) a prorrogação dos 27,5%. Segundo o líder do governo, deputado Aldo Rebelo (PC do B-SP), esse acordo facilita a unidade da base aliada. Com o acordo fechado, o relator Antonio Cambraia pediu prazo de um dia para dar parecer às emendas apresentadas à proposta. Alegou que não tinha condições de dar um parecer sobre as propostas de imediato. O presidente da Câmara, deputado João Paulo (PT-SP), não concordou com o pedido. Diante do impasse, o relator abdicou-se da função e o presidente da Câmara indicou o deputado José Pimentel como relator de Plenário.A indicação gerou muitos protestos e gritaria da oposição. O deputado José Thomas Nono (PFL-AL) anunciou que poderá recorrer da decisão ao Supremo Tribunal Federal. Alegando que se o relator Cambraia não tinha condições de emitir seu parecer às emendas não era possível que um relator de plenário pudesse dar o parecer de imediato. Houve muita gritaria da oposição, mas prevaleceu a vontade da maioria governista.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

FÁTIMA DO SUL
Mulher é presa acusada de simulou sequestro para a própria família
TECNOLOGIA
Anatel inicia bloqueio de celulares 'piratas' em 15 estados no domingo
CAPITAL
Homem tenta matar a irmã com golpes de facão e acaba preso
MAIS CARO
Preço da gasolina sobe nos postos pela 4ª semana seguida, diz ANP
BATAYPORÃ
Ladrões furtam 14 instrumentos musicais da banda marcial
ITINERANTE
Atendimento da Carreta em Guia Lopes bate recorde de ações
CRIME AMBIENTAL
Campo-grandense é multado em R$ 15 mil por desmatamento ilegal
MARCO AURÉLIO
Ministro do STF nega liberdade ao ex-governador Moreira Franco
TRÊS LAGOAS
Para mulher reatar, homem envia foto com facão e filha no colo
TELEVISÃO
Atriz Claudia Rodrigues é internada em UTI de clínica no Rio

Mais Lidas

HU
Dengue hemorrágica causa morte de menino de 11 anos em Dourados
DOURADOS
Tripla colisão deixa dois feridos em cruzamento movimentado
DOURADOS
Universitária morre no HV quatro dias após acidente de moto
RIO BRILHANTE
Dono de oficina baleado pela manhã morre no Hospital da Vida