Menu
Busca segunda, 16 de setembro de 2019
(67) 9860-3221

Câmara prorroga por dois anos alíquota de 27,5% do IR

03 dezembro 2003 - 08h21

A Câmara dos Deputados aprovou na noite de desta terça-feira a prorrogação por dois anos (2004 e 2005) da alíquota de 27,5% do Imposto de Renda para Pessoas Físicas. A aprovação foi pelo processo simbólico de votação. Durante toda a sessão, que durou quase cinco horas, a oposição usou todos os dispositivos regimentais para obstruir a votação do projeto. Diversos requerimentos para adiamento da votação foram apresentados pela oposição e rejeitados pela base governista para permitir a votação da proposta do governo na noite de hoje. O projeto terá agora que ser aprovado pelo Senado e sancionado antes de 31 de dezembro para vigorar em 2004. Ele só trata da prorrogação da alíquota e não mexe no reajuste da tabela do IR. A oposição insistiu até a última hora que era essencial à correção da tabela e também a redução da alíquota de 27,5% para 25%. O relator do projeto na Comissão de Finanças e Tributação, deputado Antonio Cambraia (PSDB-CE), queria uma correção de 22,87% na tabela do imposto, além da alíquota de 25%. O governo rejeitou o parecer do relator. Segundo o vice-líder do PT, deputado José Pimentel (CE), essa correção provocaria uma perda geral de R$ 3,45 bilhões de arrecadação no ano que vem. Desses recursos, R$ 1,325 bilhão (União), R$ 1,26 (estados), R$ 790 milhões (municípios) e R$ 75 milhões (Fundo de Desenvolvimento Regional). A aprovação do projeto do Imposto de Renda só foi possível graças a acordo firmado na base governista, pouco antes das 21 horas. Os aliados que vinham insistindo na prorrogação da alíquota por tempo indeterminado decidiram limitar a dois anos (2004 e 2005) a prorrogação dos 27,5%. Segundo o líder do governo, deputado Aldo Rebelo (PC do B-SP), esse acordo facilita a unidade da base aliada. Com o acordo fechado, o relator Antonio Cambraia pediu prazo de um dia para dar parecer às emendas apresentadas à proposta. Alegou que não tinha condições de dar um parecer sobre as propostas de imediato. O presidente da Câmara, deputado João Paulo (PT-SP), não concordou com o pedido. Diante do impasse, o relator abdicou-se da função e o presidente da Câmara indicou o deputado José Pimentel como relator de Plenário.A indicação gerou muitos protestos e gritaria da oposição. O deputado José Thomas Nono (PFL-AL) anunciou que poderá recorrer da decisão ao Supremo Tribunal Federal. Alegando que se o relator Cambraia não tinha condições de emitir seu parecer às emendas não era possível que um relator de plenário pudesse dar o parecer de imediato. Houve muita gritaria da oposição, mas prevaleceu a vontade da maioria governista.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

PELA VIDA
Dourados terá “Concerto para a Vida“ no dia 28
MEIO AMBIENTE
“Operação Mata Atlântica em Pé” deflagra 3ª edição com participação de MS e 16 Estados
MATO GROSSO DO SUL
Debate sobre direito ambiental em MS resulta na edição de enunciados
COMER BEM
Restaurante Cheiro Verde
DOURADOS
Motorista foragido desde que família foi feita refém tem habeas corpus negado
EDUCAÇÃO
MEC lança portal para emissão da carteirinha digital
NOTA FISCAL
Atenção varejistas: o prazo do credenciamento da Nota Fiscal Eletrônica está acabando, a Visual Informática tem um recado para você
ECONOMIA
Brasil eleva em 9,5% comércio com EUA, mas diminui com outros países
RIO BRILHANTE
Cocaína é apreendida em tanque de combustível de veículo
DOURADOS/PONTA PORÃ
Traficante é preso com mais de 1t após perseguição na BR-463

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Homem morre e três ficam em estado grave em acidente na MS-429
MS
Motorista morre após bater carro em árvore em rodovia
POLÍCIA
Adolescente capota carro com droga na BR-463
DOURADOS
Jovem é preso com cocaína e crack avaliados em R$ 100 mil na rodoviária