Menu
Busca sábado, 23 de março de 2019
(67) 9860-3221

TRF investaiga juízes federais por uso de verba

13 junho 2011 - 16h50



O Tribunal Regional Federal de Brasília está investigando, ainda na esfera administrativa, a venda de uma sala comercial feita pela Associação dos Juízes Federais da 1ª Região (Ajufer). A entidade está sendo acusada de ter usado o dinheiro para abater empréstimos pessoais tomados na Fundação Habitacional do Exército por três ex-presidentes da entidade de magistrados. As informações são do repórter Frederico Vasconcelos, do jornal Folha de S.Paulo.

Em 31 de maio, a Ajufer fez uma assembleia virtual. Naquele dia, 79 juízes autorizaram a atual diretoria, presidida pelo juiz Roberto Veloso, a anular a operação. O grupo também decidiu oferecer notícia-crime ao Ministério Público Federal contra a gestão anterior, sob a alegação de "destinação ilícita dos recursos".

Um instrumento particular de promessa de compra e venda foi assinado por Moacir Ramos, então presidente da Ajufer, e pela ex-presidente e diretora financeira Solange Salgado, em 12 de fevereiro de 2010. O objeto do contrato era uma sala no edifício Business Point, em Brasília, por R$ 115 mil. O comprador é um advogado, com endereço comercial no mesmo prédio. Alguns dias mais tarde, Ramos e Solange autorizaram três transferências, no total de R$ 130 mil, para a fundação do Exército.

Segundo documento firmado por diretores da fundação, Ramos orientou a amortização dos R$ 40 mil da dívida de Solange e dos R$ 40 mil da dívida de Charles Renaud Frazão de Moraes, ex-presidente da Ajufer.

A fundação, que integra o Sistema Financeiro da Habitação e oferece empréstimos a servidores de governos e do Judiciário, já havia suspendido os empréstimos à Ajufer quando o imóvel foi vendido sem autorização de assembleia. Uma auditoria de 2009, feita na fundação, apontara indícios de fraude.

Já no final de 2010, uma sindicância de magistrados identificou contratos fictícios, firmados por dez anos entre a Ajufer e a fundação. Os documentos apontaram o uso de nomes de associados que desconheciam a fraude, e até de laranjas.

Agora, a fundação cobra na Justiça uma dívida de R$ 21 milhões da segunda maior entidade de juízes federais, que atua no Distrito Federal e em 13 estados. Durante a consulta eletrônica, 85 juízes autorizaram a diretoria a "não reconhecer a dívida oriunda de contratos fraudulentos" e a imputar os débitos a quem assinou os documentos.

Fonte: Conjur

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÊS LAGOAS
Mulher que entrou em briga de casal e matou homem diz que foi acidente
FUTEBOL
Aquidauanense vence o Operário na abertura das quartas do Estadual
DOURADOS
Agehab vai aos bairros para regularização de loteamentos sociais
PONTA PORÃ
Adolescente é apreendida com maconha que levaria para São Paulo
LUTO
Ator e diretor Domingos Oliveira morre aos 83 ans no Rio de Janeiro
FUTEBOL
Paquetá marca, mas Brasil só empata com Panamá em amistoso
BRASIL
Caminhoneiros se mobilizam para nova paralisação, mostra monitoramento
IVINHEMA
Médico veterinário morre em acidente de moto na MS-276
CICLISMO
Desafio das Araras de Mountain Bike abre inscrições para 2ª etapa
TRÊS LAGOAS
Homens tentam dar calote de R$ 4,5 mil em boate e acabam na delegacia

Mais Lidas

HU
Dengue hemorrágica causa morte de menino de 11 anos em Dourados
LUTO
Fundadora da ADL, Ruth Hellman morre em Dourados
DOURADOS
Protesto contra a Reforma da Previdência leva centenas ao Centro
DOURADOS
Trio que matou e roubou cabeleireiro é condenado a 62 anos de cadeia