Menu
Busca quinta, 13 de dezembro de 2018
(67) 9860-3221

Teste simples indica câncer nos olhos. Saiba como!

28 novembro 2012 - 14h30

A exposição ao sol sem proteção faz crescer no verão a incidência do pterígio na população adulta, principalmente entre pessoas que trabalham ao ar livre, por causa da maior da radiação ultravioleta (UV). De acordo com o oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto, a doença tem a mesma aparência de lesões pré-malignas e cancerígenas que ocorrem na córnea e conjuntiva.

Por isso, sem um exame clínico completo e análise anatomopatológica, as lesões malignas podem ser confundidas com pterígio que é benigno

O pterígio é caracterizado por uma membrana que cobre a esclera, parte branca do olho, e cresce em direção à córnea. Queiroz neto diz que um teste simples e barato que pode ser feito por todo oftalmologista para determinar se a lesão é maligna ou benigna é a aplicação de colírio azul de toluidina durante o exame clínico.

Ele conta que de um total de 65 pacientes, dos quais 10 apresentavam alterações pré-malignas e malignas só 1 olho com lesão pré-maligna não teve coloração positiva da lesão com azul de toluidina, enquanto entre os portadores de pterígio todos tiveram coloração negativa.

Sintomas e fatores de risco

Os sintomas tanto do pterígio como dos tumores oculares externos são: coceira, olho vermelho, ardência, alterações no filme lacrimal, e acúmulo de lágrima nas bordas da membrana.

Queiroz Neto explica que as doenças também podem induzir ao astigmatismo, dependendo do estágio de desenvolvimento, porque a membrana formada na superfície do olho exerce pressão sobre a córnea.

Além da radiação UV, outros fatores de risco que contribuem com o aparecimento de alterações malignas são: idade avançada, exposição ao diesel ou gasolina, infecções por HPV e HIV.

Tratamento

Queiroz Neto afirma que o tratamento tanto do pterígio como das lesões malignas na superfície dos olhos é a extração cirúrgica. A retirada incompleta e a manutenção de hábitos de risco fazem com que a lesão reapareça. A aplicação de colírio azul de toluidina nos exames clínicos permite o diagnóstico de recidivas logo no início. O especialista diz que no caso de alterações malignas o tratamento também pode incluir crioterapia e uso de medicamentos quimioterápicos que além de inibir o reaparecimento, evitam complicações relacionadas à intervenção cirúrgica.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CIGARROS
Veículo com contrabandeados que seguia para SP é apreendido
OPORTUNIDADE
Inscrições para o mestrado em Agronomia em Cassilândia estão abertas
BRASIL
CNI/Ibope: para 75% dos brasileiros, Bolsonaro está no caminho certo
MS
Governador assina hoje o Decreto Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação
CAMPO GRANDE
Após invadir casa, ladrão obriga estudante a amarrar mãe e depois a estupra
DOURADOS
Apresentação de corais emociona público no shopping
BRASIL
TSE arquiva ação de Bolsonaro contra shows de Roger Waters
FAMOSOS
Sabrina Sato aparece agarradinha com Zoe: "Gosta de dormir assim"
DOURADOS
Promotor vai à Câmara e encontra gabinetes de vereadores trancados
UEMS
Criada comissão para estudar políticas de saúde mental em MS

Mais Lidas

DOURADOS
Idoso é preso por abusar de criança durante três anos: “ela fazia porque gostava”
REGIÃO
Rapaz é encontrado enforcado às margens da MS-156
DOURADOS
Jovem que matou namorada e filha é indiciado por duplo feminicídio
PANTANAL
Homem rodeado por jacarés é resgatado de riacho em MS