Menu
Busca quinta, 23 de maio de 2019
(67) 9860-3221

Taxa de homicídios de jovens cresce 14% de 2009 para 2010

13 dezembro 2012 - 15h15



Três adolescentes a cada grupo de mil morrem no País antes de completar 19 anos, revela o Índice de Homicídios na Adolescência (IHA). A taxa cresceu 14% de 2009 para 2010. A estimativa, se não houver queda no índice nos próximos anos, é que 36.735 jovens de 12 a 18 anos sejam mortos, possivelmente por arma de fogo, até 2016. A maioria das vítimas é homem e negra.

Calculado pelo Laboratório de Análise da Violência (LAV) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), o IHA passou de 2,61 mortes por grupo de mil jovens para 2,98. Os dados, referentes a municípios com mais de 100 mil habitantes, foram divulgados nesta quinta-feira pela Secretaria de Direitos Humanos (SDH) da Presidência da República, pelo Fundo das Nações Unidas para Infância (Unicef) e pela organização não governamental Observatório de Favelas, no Rio.

Com base em indicadores do Ministério da Saúde de 2010, o LAV constatou que o homicídio é a principal causa de morte dos adolescentes e equivale a 45,2% do total de óbitos nessa faixa etária. Na população geral, as mortes por homicídios representam 5,1% dos casos. O dado inclui mortes em conflito com a polícia, conhecidas como auto de resistência.

Alguns fatores, como gênero e raça, aumentam a possibilidade de um jovem ser morto. Em 2010, a chance de um adolescente do sexo masculino ser assassinado era 11,5 vezes maior que a de jovens do sexo feminino. Se o indivíduo for preto ou pardo, a possibilidade aumenta quase três vezes em relação ao branco. Entre as regiões, correm mais risco os jovens do Nordeste, onde o IHA é 4,93, bem superior ao nacional (2,98). Estima-se que, entre 2010 e 2016, ocorram 13.094 assassinatos de adolescentes na região. O Norte (3,62) está em segundo lugar, seguido do Sul (3,19). Já o Sudeste tem a menor a taxa (2,01), mas a maior população, o que pode significar 12.475 jovens mortos no período.

Realizado em 283 municípios com mais de 100 mil habitantes, o levantamento mostra que as cidades com o IHA mais alto estão concentradas nos estados de Alagoas (9,07), da Bahia (7,86) e do Espírito Santo (6,54), que também estavam no topo do ranking em 2009. O menor índice foi identificado em São Paulo (0,94), cuja capital também é a menos letal para adolescentes. O município mais violento é Itabuna (BA), que registra 10,59 homicídios em cada grupo de mil jovens. Em seguida vem Maceió, com 10,15, Serra (ES), com 8,92, Ananindeua (PA) com 8,89, e Salvador, com 8,76.

“O Nordeste se consolida como maior polo de preocupação no país, sendo que Maceió e Salvador) por serem as capitais mais violentas) causam a maior preocupação”, destacou Ignácio Cano.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍCIA
Mercadoria contrabandeada é apreendida pelo DOF em Ponta Porã
PRESO NA LAVA JATO
Justiça autoriza transferência de Eduardo Cunha para o Rio de Janeiro
SOCIAL
Famílias de baixa renda podem solicitar abatimento na conta de luz
PMA
Dono de imobiliária é autuado por prejuízo em área protegida durante construção de loteamento
FUTEBOL FEMININO
Seleção Brasileira começa trabalhos nesta tarde visando a Copa do Mundo
AMBIENTAL
Homem é autuado por desmatamento ilegal de 10 hectares em Corguinho
SAÚDE
Saúde confirma mais duas mortes por dengue em Dourados
DOURADOS
Mulher é presa na rodoviária com droga que seria levada para o interior de SP
POLÍCIA
Motorista de caminhonete receberia R$ 6,5 mil para levar droga até São Paulo
GUERRA DAS FRUTAS
Mulher Melão e Mulher Pêra trocam farpas no palco do "Superpop"

Mais Lidas

POLÍCIA
Após pescaria, marido encontra desconhecido na frente de casa e ameaça mulher com arma em Dourados
DOURADOS
Preso em operação estava sob monitoramento por assalto
PEDRO JUAN
Três suspeitos de chacina na fronteira são presos pela polícia paraguaia
PEDRO JUAN
Seis morrem e uma criança fica ferida após ataque de pistoleiros na fronteira