Menu
Busca quinta, 14 de novembro de 2019
(67) 9860-3221

Suspeitos de corrupção consegue HC no TJ paulista

27 maio 2011 - 11h36

O Tribunal de Justiça de São Paulo concedeu Habeas Corpus a três pessoas acusadas de corrupção e fraudes em licitação na prefeitura de Campinas. De acordo com investigação do Ministério Público, os acusados fariam parte de uma organização criminosa para desvio de recursos públicos, corrupção e fraudes em licitações da Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento (Sanasa). As decisões são da 15ª Câmara Criminal.

A defesa sustentou que o decreto de prisão temporária contra os suspeitos se baseou em afirmação “mendaz” feita pelo Ministério Público. Os advogados argumentaram, ainda, a incompetência do juiz de Campinas que decretou as medidas cautelares. Para a defesa, o caso envolveria o prefeito o que transferia a investigação para o procurador-geral de Justiça e para o Tribunal de Justiça. Segundo a defesa, os decretos de prisão violaram o princípio do juiz natural e maculou de nulidade as investigações do Gaeco de Campinas.

Dalton dos Santos Avancini, diretor da empreiteira Camargo Correia e Francisco de Lagos Viana Chagas, secretário municipal de Comunicações tiveram os decretos de prisão temporária suspensos. A turma julgadora negou o pedido de lacração dos materiais e documentos arrecadados durante a busca e apreensão. A câmara suspendeu a prisão temporária de Aurélio Cance Júnior, diretor da Sanasa e determinou a expedição de alvará de soltura a favor do suspeito.

No caso do pedido de Francisco de Lagos, o desembargador Amado de Faria, relator do recurso observou que não existia elementos capazes de envolver ou implicar o suspeito nas condutas criminosas que foram descritas pelo Ministério Público. O desembargador destacou, ainda, que em relação a Lagos não foi decretada quebra de sigilo fiscal, bancário e telefônico.

Dalton Avancini e Francisco de Lagos não chegaram a ser presos — eram considerados foragidos pela Polícia. O diretor da Sanasa, Aurélio Cance foi um dos 11 presos na última sexta-feira. O empresário Pedro Luis Ibrahim Hallack teve o pedido de revogação da prisão julgado prejudicado, uma vez que o prazo determinado para mantê-lo preso encerrou na terça-feira (24/5) e não foi prorrogado pela Justiça.

Na quarta-feira, o próprio Ministério Público pediu a revogação da prisão de três empresários. Dois deles teriam confirmado as denúncias de corrupção na administração municipal. Um dia antes, outros seis empresários foram libertados depois de serem ouvidos pelos promotores e passarem cinco dias na prisão

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA
Motociclista será indenizado por queda em "boca de lobo"
ACIDENTE
Queda de jatinho em resort na Bahia deixa um morto e 9 feridos
EDUCAÇÃO
Consulta do Currículo do Ensino Médio segue aberto até 17 de novembro
DOURADOS
Após mais de 20h, homem consegue expelir 52 cápsulas de haxixe que havia engolido
COTAÇÃO
Dólar encerra semana em alta e renova segundo maior patamar de fechamento da história
FESTIVAL AMÉRICA DO SUL
Em Corumbá, Reinaldo Azambuja recebe apoio a cota zero
BRASIL
BNDES vai antecipar devolução de recursos para a União, diz Montezano
SAÚDE PÚBLICA
Estado repassa mais R$ 7,9 milhões para Santa Casa de Campo Grande
TRÊS LAGOAS
MPT exige regularização dos serviços de segurança e medicina do Trabalho
REGISTROS
Acordo deve acelerar pedidos de patentes no país

Mais Lidas

DOURADOS
Encontrado morto na PED dividia cela com 18 internos em ala comandada por facção
TRÂNSITO
Bêbado invade preferencial e deixa família ferida em Dourados
ENCOMENDADA
Quadrilha desarticulada tinha ordem de facção para roubar seis motos em Dourados
PURIFICAÇÃO
Preso, ex-secretário de Saúde é exonerado do cargo de coordenador do Samu