Menu
Busca sexta, 03 de julho de 2020
(67) 99659-5905

Suspeitos de corrupção consegue HC no TJ paulista

27 maio 2011 - 15h34

O Tribunal de Justiça de São Paulo concedeu Habeas Corpus a três pessoas acusadas de corrupção e fraudes em licitação na prefeitura de Campinas. De acordo com investigação do Ministério Público, os acusados fariam parte de uma organização criminosa para desvio de recursos públicos, corrupção e fraudes em licitações da Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento (Sanasa). As decisões são da 15ª Câmara Criminal.

A defesa sustentou que o decreto de prisão temporária contra os suspeitos se baseou em afirmação “mendaz” feita pelo Ministério Público. Os advogados argumentaram, ainda, a incompetência do juiz de Campinas que decretou as medidas cautelares.

Para a defesa, o caso envolveria o prefeito o que transferia a investigação para o procurador-geral de Justiça e para o Tribunal de Justiça. Segundo a defesa, os decretos de prisão violaram o princípio do juiz natural e maculou de nulidade as investigações do Gaeco de Campinas.

Dalton dos Santos Avancini, diretor da empreiteira Camargo Correia e Francisco de Lagos Viana Chagas, secretário municipal de Comunicações tiveram os decretos de prisão temporária suspensos. A turma julgadora negou o pedido de lacração dos materiais e documentos arrecadados durante a busca e apreensão. A câmara suspendeu a prisão temporária de Aurélio Cance Júnior, diretor da Sanasa e determinou a expedição de alvará de soltura a favor do suspeito.

No caso do pedido de Francisco de Lagos, o desembargador Amado de Faria, relator do recurso observou que não existia elementos capazes de envolver ou implicar o suspeito nas condutas criminosas que foram descritas pelo Ministério Público. O desembargador destacou, ainda, que em relação a Lagos não foi decretada quebra de sigilo fiscal, bancário e telefônico.

Dalton Avancini e Francisco de Lagos não chegaram a ser presos — eram considerados foragidos pela Polícia. O diretor da Sanasa, Aurélio Cance foi um dos 11 presos na última sexta-feira. O empresário Pedro Luis Ibrahim Hallack teve o pedido de revogação da prisão julgado prejudicado, uma vez que o prazo determinado para mantê-lo preso encerrou na terça-feira (24/5) e não foi prorrogado pela Justiça.

Na quarta-feira, o próprio Ministério Público pediu a revogação da prisão de três empresários. Dois deles teriam confirmado as denúncias de corrupção na administração municipal. Um dia antes, outros seis empresários foram libertados depois de serem ouvidos pelos promotores e passarem cinco dias na prisão.

Deixe seu Comentário

Leia Também

INFORME PUBLICITÁRIO
Quero Bolsa oferece até 50% de desconto para estudar na UCDB
SISU 2020
Consulta de vagas do sistema está disponível; inscrições ocorrerão de 7 a 10 de julho
PRÊMIOS
Loteria Federal retoma sorteios amanhã
BRASIL
Pandemia vai afetar todas as áreas da educação no país, diz Inep
MATO GROSSO DO SUL
Povo terena celebra asfalto após 40 anos de luta
CAMPO GRANDE
Justiça concede R$ 300 mil a membros de família sobreviventes de acidente
CORUMBÁ/LADÁRIO
Carros de aplicativos são autuados durante fiscalização
PANDEMIA
Assembleia oficializa calamidade pública em Pedro Gomes, Deodápolis e Ivinhema
BRASIL
Municípios sugerem financiamento para prefeituras pagarem precatórios
POLÍCIA
Mulher denuncia ter sido estuprada por três rapazes na capital

Mais Lidas

DOURADOS
Decretos sobre aglomerações, igrejas e comércio terão mais 10 dias de vigência
PANDEMIA
Dourados tem quatro mortes por Covid em 24 horas, uma das vítimas médico
DOURADOS
Comerciante encontra homem morto ao chegar para abrir estabelecimento
20 VEÍCULOS
"Bonde do contrabando" é apreendido abarrotado de produtos do Paraguai