Menu
Busca quarta, 17 de outubro de 2018
(67) 9860-3221

SUS atende 2,6 vezes mais mulheres vítimas de violência do que homens

25 novembro 2012 - 19h30

A violência contra mulheres no Brasil causou aos cofres públicos, em 2011, um gasto de R$ 5,3 milhões somente com internações. O dado foi calculado pelo Ministério da Saúde a pedido da Agência Brasil. Foram 5.496 mulheres internadas no Sistema Único de Saúde (SUS), no ano passado, em decorrência de agressões.

Além das vítimas internadas, 37,8 mil mulheres, entre 20 e 59 anos, precisaram de atendimento no SUS por terem sido vítimas de algum tipo de violência. O número é quase 2,5 vezes maior do que o de homens na mesma faixa etária que foram atendidos por esse motivo, conforme dados do Sistema de Informações de Agravos de Notificação (Sinan), do Ministério da Saúde.

A socióloga Wânia Pasinato, pesquisadora do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (USP), destaca que além dos custos financeiros, há “enormes prejuízos sociais” gerados pela violência contra a mulher. Ela citou estudos que indicam, por exemplo, que homens que presenciaram cenas de violência doméstica durante a infância tendem a reproduzir, com mais frequência, características de dominação e agressividade em suas relações afetuosas.

“Os danos para a sociedade são enormes, com perdas em diversas esferas. Além de impactar a forma como os filhos dessas relações vão constituir suas próprias relações no futuro, as mulheres vítimas de violência deixam de produzir e de se desenvolver como poderiam no mercado de trabalho”, explicou, acrescentando que também é comum que as vítimas incorporem a violência e a agressividade em seus relacionamentos e nas formas de comunicação.

A diretora executiva do Instituto Patrícia Galvão, organização não governamental que atua em projetos de defesa dos direitos da mulher, Jacira Vieira de Melo, destacou que os números confirmam que, apesar de a Lei Maria da Penha, criada há seis anos, ser uma referência nacional e conhecida pela maioria da população, a violência contra a mulher ainda é um grave problema social. Ela defende que para enfrentar a questão é preciso fortalecimento das políticas públicas e incremento orçamentário.

“Pesquisas de opinião indicam que mais de 95% da população já ouviram falar na lei, que prevê punições severas para os agressores. Ela tem contribuído para que a violência contra a mulher cada vez mais seja vista como violação de direito fundamental, como crime, mas as estatísticas mostram que a questão continua sendo um grave problema social”, disse, lembrando que a violência é a maior causa de assassinatos de mulheres no Brasil.

Dados do Mapa da Violência 2012, estudo feito pelo sociólogo Julio Jacobo, atualizado em agosto deste ano, revelam que ,de 1980 a 2010, foram assassinadas no país quase 91 mil mulheres, das quais 43,5 mil somente na última década. De 1996 a 2010 as taxas ficaram estabilizadas em torno de 4,5 homicídios para cada 100 mil mulheres.

Deixe seu Comentário

Leia Também

REPAROS
Sites do governo do estado foram restabelecidos após problemas técnicos
PANTANAL
Briga por ração de gado termina em assassinato em fazenda
POLÍCIA
Operação Hipster apreende comprimidos de ecstasy em vários estados
HOMENAGEM
Plenário do Tribunal do Júri de Fátima do Sul terá nome de servidor
EDUCAÇÃO
MEC libera R$ 2 milhões para universidades e institutos federais do MS
PÂNICO
Menino entra armado e dispara dentro de escola na Capital
ECONOMIA
Dólar fecha o dia em queda de 1,04%, o menos valor desde 25 de maio
MATO GROSSO DO SUL
STJ adia para dia 24 julgamento de arquivamento de inquérito contra governador
BRASIL
Senado aprova MP que cria cargos no Ministério da Segurança Pública
CRIME AMBIENTAL
Trio é detido e multado em R$ 15 mil por pesca predatória

Mais Lidas

DOIS DIAS DEPOIS
Servidora pública é encontrada nos fundos de residência que estava para alugar
DOURADOS
Cinco anos após crime, acusados pela morte de vendedor douradense vão a júri popular
CENAS DE CINEMA
Perseguição e troca de tiros termina com veículos recuperados em Dourados
DOURADOS
Familiares continuam na busca por mulher desaparecida e criticam falsos alertas