Menu
Busca Segunda, 11 de Dezembro de 2017
(67) 9860-3221
PRESO EM CORUMBÁ

Supremo decide nesta terça-feira sobre extradição de Cesare Battisti

24 Outubro 2017 - 07h30Por Agência Brasil

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) deve decidir nesta terça-feira, dia 24 de outubro, sobre a extradição do ex-ativista Cesare Battisti para a Itália. O caso voltou à tona no início do mês, quando Battisti foi preso e indiciado pela Polícia Federal (PF) pelos crimes de evasão de divisas e lavagem de dinheiro. Ele foi detido em Corumbá, quando tentava atravessar a fronteira com a Bolívia com euros e dólares não declarados, mas ganhou o direito de aguardar o desfecho do processo em liberdade.

No dia 13 de outubro, o ministro relator do caso, Luiz Fux, atendeu a pedido feito pelos advogados do italiano e decidiu suspender eventual decisão do governo brasileiro para extraditar Battisti até a decisão final da Corte.

Também fazem parte do colegiado os ministros Marco Aurélio, Rosa Weber e Alexandre de Moraes. O ministro Luís Roberto Barroso atuou como advogado de Battisti em 2009, quando o STF julgou o caso pela primeira vez, e deverá ficar impedido de julgar o italiano. Dessa forma, o colegiado atuará com quatro votantes. Um empate, que pode beneficiar Battisti, não está descartado.

Outra possibilidade é uma proposta de questão de ordem durante a sessão, para que a extradição seja julgada pelo plenário da Corte, composto por 11 ministros.

Em parecer enviado ontem (23) ao STF, a Advocacia-Geral da União (AGU) defendeu que o ato de Lula que garantiu a permanência de Battisti pode ser revisto. No entendimento da AGU, a última palavra sobre a questão é do presidente Michel Temer.

Durante o julgamento, a defesa do Cesare Battisti deverá sustentar que ele não pode ser expulso do país porque tem um filho brasileiro, fato que impediria a entrega à Itália, de acordo com a jurisprudência do STF.

Histórico

Battisti foi condenado na Itália à prisão perpétua por homicídio, quando integrava o grupo Proletariados Armados pelo Comunismo. Ele chegou ao Brasil em 2004, onde foi preso três anos depois. O governo italiano pediu a extradição do ex-ativista, aceita pelo Supremo. Contudo, no último dia de seu mandato, em dezembro 2010, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu que Battisti deveria ficar no Brasil, e o ato foi confirmado pelo STF.

A Corte entendeu que a última palavra no caso deveria ser do presidente, porque se tratava de um tema de soberania nacional. Battisti saiu da Penitenciária da Papuda, em Brasília, em 9 de junho 2011, onde estava desde 2007. Em agosto daquele ano, o italiano obteve o visto de permanência do Conselho Nacional de Imigração.

Deixe seu Comentário

Leia Também

APÓS PROTESTOS
Geraldo diz que manifestação sobre a Reforma é ato democrático
É LEI
Flagrado com cerol vai pagar multa em Dourados
SAÚDE
Uso inadequado de anabolizantes dão efeitos colaterais e oferece riscos à saúde
COMER BEM
Receita de Lasanha de frango cremosa
SUPENSO
Décor do dia: Beleza Suspensa
MAU TEMPO
Chuva adia final da 1ª Copa Indaiá/Grande FM para esta quarta-feira
MODA PRAIA 2018
Moda Praia 2018: saiba quais são as cores destaques da próxima estação
MACHU PICHU
Vai para Machu Picchu? Aguas Calientes é a ótima dica para passar a noite
ANO LETIVO
Educação divulga Calendário Escolar da Rede Estadual para 2018
MÚSICA
Geraldo Espíndola se apresenta nesta terça-feira com a Orquestra UFGD

Mais Lidas

DOURADOS
Jovem encontrado no Potreirito foi morto com dois tiros
POLÍCIA
Ciclista morre após acidente no João Paulo II
DOURADOS
Assaltante “homem de ferro” foge após crime próximo a boate
POLÍCIA
Identificado morto na Linha do Potreirito
Identificado morto na Linha do Potreirito