Menu
Busca sábado, 23 de fevereiro de 2019
(67) 9860-3221
BRASIL

STJ nega liberdade aos irmãos Batista

21 setembro 2017 - 18h50

Por quatro votos a um, a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou hoje (21) dois pedidos de habeas corpus contra a prisão dos irmãos Wesley e Joesley Batista, principais sócios da J&F. Os dois estão presos em São Paulo acusados de usarem informações privilegiadas para fraudar o sistema financeiro. Wesley foi preso no último dia 13, e Joesley já estava preso por determinação do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF).

No julgamento de hoje, apenas o relator do caso, ministro Sebastião Reis Júnior, votou a favor do pedido da defesa dos donos do grupo J&F, para substituir a prisão por outras medidas cautelares, previstas no Código de Processo Penal.

Para o relator, não há evidências de que as medidas cautelares diversas da prisão não seriam suficientes para a garantia da instrução criminal e da ordem pública.

Contudo, os ministros Nefi Cordeiro, Antonio Saldanha Palheiro e Maria Thereza de Assis Moura acompanharam o voto do colega Schietti Rogerio Schietti Cruz, favorável à manutenção das prisões. Schietti citou a Súmula 691 do Supremo Tribunal Federal (STF), que veda a análise de habeas corpus contra decisão que indeferiu liminar, sem ter havido ainda julgamento de mérito do habeas corpus anteriormente impetrado.

No caso dos irmãos Batista, o desembargador relator do pedido de habeas corpus formulado perante o Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) negou a liminar em 14 de setembro, mas ainda não houve o julgamento de mérito.

Para Schietti, soltos, os irmãos Batista poderiam voltar a delinquir e cometer ilícitos.

Defesa

Em nota, a defesa dos irmãos Batista lamentou a decisão e informou que deve recorrer ao Supremo Tribunal Federal. "O STJ não apreciou o mérito do habeas corpus por entender que a questão precisa ser debatida antes no Tribunal Regional Federal em São Paulo. Vale ressaltar que o relator Sebastião Reis em seu voto reconheceu a desproporcionalidade da medida. Os advogados recorrerão ao STF até amanhã [sexta-feira, 22]. É injusta e lamentável a prisão preventiva de alguém que sempre esteve à disposição da Justiça, prestou depoimentos e apresentou todos os documentos requeridos", diz o documento.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SORTEIO
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 37 milhões neste sábado
CENTRO
Homem tem moto furtada próximo ao transbordo de Dourados
PONTA PORÃ
Três são presos com carro roubado e mais de meia tonelada de droga
DOURADOS
Sensação térmica 'bate' 30,5°C nas primeiras horas do sábado
RODOVIA
Colisão traseira deixa três feridos na MS-276
PREVISÃO DO TEMPO
Sabadão promete ser quente em Dourados; chove à tarde e à noite
IGUATEMI
Caminhoneiro morre após aro de pneu atingir a cabeça durante calibragem
DÍVIDA
Agehab notifica moradores com dívida no interior do Estado
CONGRESSO
Proposta de reforma da Previdência chega à CCJ da Câmara
Comissão é a primeira etapa da tramitação do texto
INTERNACIONAL
Está mantida ajuda humanitária para Venezuela, diz Bolsonaro

Mais Lidas

DOURADOS
Trio é preso após tentar repetir furto em loja do shopping
SIDROLÂNDIA
Colisão entre motos termina com jovem morto
DOURADOS
Desconhecido pede água, invade residência e ameaça mulher de morte para furtar celular
CAMPO GRANDE
Interno é encontrado morto dentro de cela de presídio