Menu
Busca quarta, 24 de abril de 2019
(67) 9860-3221
BRASIL

STJ nega liberdade aos irmãos Batista

21 setembro 2017 - 18h50

Por quatro votos a um, a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou hoje (21) dois pedidos de habeas corpus contra a prisão dos irmãos Wesley e Joesley Batista, principais sócios da J&F. Os dois estão presos em São Paulo acusados de usarem informações privilegiadas para fraudar o sistema financeiro. Wesley foi preso no último dia 13, e Joesley já estava preso por determinação do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF).

No julgamento de hoje, apenas o relator do caso, ministro Sebastião Reis Júnior, votou a favor do pedido da defesa dos donos do grupo J&F, para substituir a prisão por outras medidas cautelares, previstas no Código de Processo Penal.

Para o relator, não há evidências de que as medidas cautelares diversas da prisão não seriam suficientes para a garantia da instrução criminal e da ordem pública.

Contudo, os ministros Nefi Cordeiro, Antonio Saldanha Palheiro e Maria Thereza de Assis Moura acompanharam o voto do colega Schietti Rogerio Schietti Cruz, favorável à manutenção das prisões. Schietti citou a Súmula 691 do Supremo Tribunal Federal (STF), que veda a análise de habeas corpus contra decisão que indeferiu liminar, sem ter havido ainda julgamento de mérito do habeas corpus anteriormente impetrado.

No caso dos irmãos Batista, o desembargador relator do pedido de habeas corpus formulado perante o Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) negou a liminar em 14 de setembro, mas ainda não houve o julgamento de mérito.

Para Schietti, soltos, os irmãos Batista poderiam voltar a delinquir e cometer ilícitos.

Defesa

Em nota, a defesa dos irmãos Batista lamentou a decisão e informou que deve recorrer ao Supremo Tribunal Federal. "O STJ não apreciou o mérito do habeas corpus por entender que a questão precisa ser debatida antes no Tribunal Regional Federal em São Paulo. Vale ressaltar que o relator Sebastião Reis em seu voto reconheceu a desproporcionalidade da medida. Os advogados recorrerão ao STF até amanhã [sexta-feira, 22]. É injusta e lamentável a prisão preventiva de alguém que sempre esteve à disposição da Justiça, prestou depoimentos e apresentou todos os documentos requeridos", diz o documento.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAARAPÓ
Bombeiros encontram corpo de criança que se afogou em rio
BRASIL
Tabela do frete é reajustada em 4,13%
CONTRA VIOLÊNCIA
Médicos de MS querem mais segurança para trabalhar
CONFORTO E ELEGÂNCIA
Visuais com vestidos fluidos para você se inspirar
TRÁFICO
Mulher é presa transportando 20kg de maconha em ônibus
TURISMO SOCIAL
Conheça quatro projetos para fazer trabalho voluntário na Amazônia
DOURADOS
“Mãe Jornalista Convida” supera as expectativas e reúne mais de 100 mães
QUARTA FASE
Vasco recebe o Santos em duelo decisivo pela Copa do Brasil
DOURADOS
Marcelino Pires terá interdição no cruzamento da “Mão do Braz” por 15 dias
BRASIL
Indígenas pedem apoio no Congresso contra MP da demarcação de terras

Mais Lidas

DOURADOS
Preso é baleado ao estourar cadeado de cela para buscar ‘encomenda’ no pátio da PED
DOURADOS
Preso baleado na perna tentava pegar malote com 13 celulares
DOURADOS
Homem morre no HV após ser espancado e polícia suspeita de latrocínio
IMPASSES
UFGD "desafia" MEC e Ministério pede realização de nova eleição para Reitoria