Menu
Busca segunda, 18 de fevereiro de 2019
(67) 9860-3221
7 a 1

STF deve concluir hoje julgamento sobre denúncia contra Temer

21 setembro 2017 - 06h26

O Supremo Tribunal Federal (STF) deve concluir na sessão desta quinta-feira, dia 21 de setembro, o julgamento sobre o envio à Câmara dos Deputados da segunda denúncia apresentada pelo ex-procurador-geral da República (PGR) Rodrigo Janot contra o presidente Michel Temer. Até o momento, o placar da votação está em 7 votos a 1 pelo envio. Faltam os votos dos ministros Marco Aurélio, Celso de Mello e da presidente do STF, Cármen Lúcia. A denúncia contra o presidente é de organização criminosa e obstrução de Justiça,

A maioria da Corte segue voto proferido pelo relator do caso, Edson Fachin, e entende que cabe ao Supremo encaminhar a denúncia sobre o presidente diretamente à Câmara dos Deputados, conforme determina a Constituição, sem fazer nenhum juízo sobre as acusações antes da deliberação da Casa sobre o prosseguimento do processo no Judiciário.

O entendimento da Corte contraria pedido feito pela defesa de Temer, que pretendia suspender o envio da denúncia para esperar o término do procedimento investigatório iniciado pela PGR para apurar ilegalidades no acordo de delação da JBS, além da avaliação de que as acusações se referem a um período em que o presidente não estava no cargo, fato que poderia suspender o envio.

O entendimento de Fachin também foi acompanhado pelos ministros Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Ricardo Lewandoski e Dias Toffoli.

O ministro Gilmar Mendes divergiu da maioria e entendeu que a denúncia contra o presidente Temer deveria ser devolvida à PGR. Segundo o ministro, as acusações constantes na denúncia se referem a fatos que teriam ocorrido no período em que o presidente não estava no cargo.

"Se o procurador acredita que a denúncia é minimamente viável, deveria tê-la formulado com conteúdo que possa ser recebido, senão não deveria ter formulado denúncia alguma.

O prosseguimento da primeira denúncia apresentada pela PGR contra o presidente, pelo suposto crime de corrupção, não foi autorizado pela Câmara. A acusação estava baseada nas investigações iniciadas a partir do acordo de delação premiada de executivos da J&F. O áudio da conversa entre Joesley Batista e o presidente Temer, gravada pelo empresário, também foi uma das provas usadas no processo.

###Tramitação
Com a chegada da denúncia ao STF, a Câmara dos Deputados precisará fazer outra votação para decidir sobre a autorização prévia para o prosseguimento do processo na Suprema Corte.

O Supremo não poderá analisar a questão antes de uma decisão prévia da Câmara. De acordo com a Constituição, a denúncia apresentada contra Temer só poderá ser analisada após a aceitação de 342 deputados, o equivalente a dois terços do número de parlamentares que compõem a Casa.

A autorização prévia para processar o presidente da República está prevista na Constituição. O Artigo 86 diz que "admitida a acusação contra o presidente da República, por dois terços da Câmara dos Deputados, será ele submetido a julgamento perante o Supremo Tribunal Federal, nas infrações penais comuns, ou perante o Senado Federal, nos crimes de responsabilidade. "

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
PGR pede que apuração sobre caixa 2 de Lorenzoni vá para Justiça Eleitoral
FRONTEIRA
Operação conjunta prende suspeitos de terem assaltado mercado
EDUCAÇÃO
Projeto Rondon seleciona universitários para operação João de Barro
DOURADOS
Câmara aprova regulamentação do PCCR de agentes de saúde
CORUMBÁ
Receita Federal apreende 158 quilos de cocaína em caminhonete
BENEFÍCIO
UFGD oferece bolsas e auxílios para estudantes com vulnerabilidade
ECONOMIA
Petrobras sobe preço da gasolina ao maior valor desde dezembro
CRIME AMBIENTAL
Homem é autuado em R$ 4 mil por desmatamento de vegetação nativa
ITINERANTE
Comarca de Rochedo recebe Carreta da Justiça nesta semana
TECNOLOGIA
Receita alerta para falso e-mail sobre malha fina do Imposto de Renda

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Motociclista atropela, mata criança de 1 ano em Dourados e foge do local
DOURADOS
Após denúncia anônima, Polícia fecha “boca de fumo” no jardim Itália
POLÍCIA
Para defender a mãe de agressão, adolescente mata padrasto a tiros
DOURADOS
Motorista tenta desviar de outro veículo e bate carro em árvore