Menu
Busca Domingo, 17 de Dezembro de 2017
(67) 9860-3221
Corpal - Dezembro 2017
BRASIL

STF adia decisão sobre restrição a doação de sangue por homossexuais

25 Outubro 2017 - 18h50Por Agência Brasil

O Supremo Tribunal Federal (STF) adiou hoje (25) a decisão final sobre o julgamento da ação na qual a Procuradoria-Geral da República (PGR) pede a inconstitucionalidade de normas do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que proíbem homens homossexuais de doarem sangue por 12 meses após a última relação sexual. Até o momento, a votação está em 4 votos a 1 pela anulação. A votação será retomada amanhã (26) com seis votos restantes.

A questão começou a ser julgada na semana passada, quando o relator do caso, ministro Edson Fachin, considerou a restrição como discriminatória. As normas tratam sobre a inaptidão temporária para indivíduos do sexo masculino que “tiveram relações sexuais com outros indivíduos do mesmo sexo de realizarem doação sanguínea nos 12 meses subsequentes a tal prática”. Nesta tarde, os ministros Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Luiz Fux acompanharam o relator.

O ministro Alexandre de Moraes abriu a divergência e entendeu que as restrições não são medidas arbitrárias e discriminatórias, por estarem baseadas em estudos científicos. Segundo Moraes, as regras fazem parte de um conjunto de medidas que regem a política nacional de coleta e transfusão de sangue no Brasil. “A ideia não foi e não é, de forma alguma, a discriminação, que é inaceitável”, disse o ministro.
Em seguida, o ministro Luís Roberto Barroso seguiu o relator e entendeu que as normas tratam a questão sobre doação de sangue de maneira discriminatória. Para o ministro, não há justificativas para restrição de um direito fundamental dos homossexuais, mesmo levando em conta que o Estado tem dever de proteção da saúde pública.

“Não há qualquer dúvida de que a portaria do Ministério da Saúde e a resolução da Anvisa, claramente, criam uma situação de desequiparação em relação aos homossexuais masculinos”, entendeu Barroso.
Durante o julgamento, o ministro Marco Aurélio fez um aparte e adiantou seu posicionamento. Para o ministro, as normas foram feitas com base em critérios científicos e o STF não pode atuar como legislador, criando novas restrições e invalidando os prazos de quarentena para doação de sangue.

"Isso visa à saúde pública dos cidadãos em geral. Ninguém quer ser destinatário de uma transfusão sem ter uma segurança mínima certeza quanto ao valor em termos de não contaminação”, disse.

Outro lado

Durante o julgamento, não houve manifestação oral da Anvisa ou do Ministério da Saúde. Em informações enviadas ao STF no ano passado para subsidiar o voto do de Fachin, a Anvisa declarou que segue informações científicas internacionais para estabelecer as normas e que as regras para doação de sangue atendem aos princípios da precaução e proteção à saúde.

Na ocasião, o órgão declarou que homens homossexuais não são proibidos de doar sangue, desde que atendam aos requisitos de triagem clínica.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MESMO CRIME
Dois são condenados em processo envolvendo filho de desembargadora
PARCERIA
Investimentos do Governo do Estado em Caracol chegam a R$ 9,2 milhões
EDUCAÇÃO
Grupo da UEMS promove encontro brincante de férias em janeiro
LOTERIA
Mega-Sena acumula mais uma vez e pode pagar prêmio de R$ 43,5 milhões
FRONTEIRA
Dois jovens morrem em colisão envolvendo moto e caminhonete
FUTEBOL
Real Madrid bate o Grêmio é campeão do Mundial de Clubes da Fifa
MELHORIAS
Sicredi entrega doação para reforma do Lar do Idoso de Dourados
PEDRO JUAN
Dois homens são executados em ataque de pistoleiros na fronteira
TEMPO
Domingo de sol com aumento de nebulosidade em Dourados
UAUU
Paolla Oliveira enlouquece seguidores com foto de topless

Mais Lidas

2016
Polícia investiga possível homicídio em queda de avião no MS
HAYEL BON FAKER
Bilhete de pedágio “denuncia” e dupla é presa em Dourados após furto em Rio Brilhante
DOURADOS
Homem é preso após ser flagrado empurrando moto furtada
MANTIDO EM MS TAMBÉM
Governo mantém horário de verão para 2018, mas reduz tempo de duração