Menu
Busca quinta, 19 de abril de 2018
(67) 9860-3221
BANNER CORPAL TOPO SITE

Sistema elétrico deve receber cerca de 10 mil megawatts no próximo ano

30 dezembro 2012 - 15h15

As perspectivas do setor elétrico brasileiro para 2013 são muito boas, segundo assegurou à Agência Brasil Maurício Tolmasquim, presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), vinculada ao Ministério de Minas e Energia.

Conforme o dirigente, devem entrar no sistema elétrico nacional, durante o período, cerca de 10 mil megawatts (MW), englobando usinas hidrelétricas, eólicas (dos ventos) e térmicas, já leiloadas. “Vai ser um ano muito bom”.

No início de 2013, a EPE pretende fazer dois leilões de energia nova para contratação antecipada de energia, visando a garantir o atendimento da demanda para fornecimento entre três e cinco anos à frente, denominados, respectivamente, leilões A-3 e A-5. A empresa também estuda fazer, eventualmente, um leilão de reserva.

Tolmasquim acredita que, durante o próximo ano, serão leiloadas as usinas hidrelétricas de Sinop (MT) e São Manoel, situada entre Mato Grosso e o Pará. A usina de São Luiz do Tapajós (PA) poderá ficar para o início de 2014, segundo estimou.

Na medida em que a expansão e a modicidade tarifária já estão “devidamente equacionadas”, os economistas do Grupo de Estudos do Setor Elétrico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Gesel/UFRJ) acreditam que os maiores desafios para 2013 “estão na órbita do sistema elétrico e do seu planejamento”.

O coordenador do Gesel, professor Nivalde de Castro, disse à Agência Brasil que a avaliação se baseia em dois fatos. “O primeiro é que a construção de novas hidrelétricas está tendo que diminuir ao máximo o volume dos reservatórios [chamadas usinas de fio d’água], passando a exigir a construção de usinas térmicas, exigência esta que se fará mais presente com o aumento da contratação de plantas eólicas [que geram energia a partir dos ventos]”.

O segundo desafio, salientou Castro, é a revisão dos procedimentos de planejamento das linhas de transmissão, “pois há um descompasso crescente entre a construção de plantas geradoras e de linhas de transmissão”. Segundo ele, o planejamento das linhas de transmissão “está muito passivo e vem sendo determinado após a realização dos leilões de geração”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRANSPARÊNCIA
Anatel abre consulta para regulamentar serviços de telemarketing
DOURADOS
Filho de apresentadora é preso na rodoviária com dinheiro falso
EDUCAÇÃO
UEMS e UFGD realizam III Seminário de Formação Docente em maio
TRÁFICO
Polícia Militar prende mato-grossense com mala “recheada” de maconha
FUTEBOL
Brasil bate a Argentina por 3 a 0 e fica perto do Mundial feminino
NOVA ANDRADINA
Polícia apreende carreta com 960 caixas de cigarros contrabandeados
ECONOMIA
Frigorífico de Dourados está proibido de exportar frango para a UE
PCdoB
Ministro manda nova ação sobre 2ª instância para o plenário do STF
EVENTO
UFGD convida estudantes para Diálogos sobre Assistência Estudantil
NOVA ANDRADINA
Acidente com linha de cerol deixa motociclista gravemente ferida

Mais Lidas

ITAPORÃ
Mortos em troca de tiros após assalto eram de Dourados
SEGURANÇA PÚBLICA
Em comunicado, PCC convoca integrantes para “alerta geral”
TENSÃO EM MS
Presos tentam impedir pente-fino na PED, mas agentes fazem ‘limpa’
DOURADOS
Após invadir Ceim, dupla ameaça vigia de morte e rouba equipamentos