Menu
Busca terça, 20 de agosto de 2019
(67) 9860-3221

Setor de energia perde 18% em valor de mercado em 4 meses, diz estudo

11 janeiro 2013 - 18h55

O valor de mercado de 34 empresas de capital aberto brasileiras do setor de energia elétrica teve queda de 18,03% (R$ 37,23 bilhões) do dia 6 de setembro de 2012, quando o governo anunciou a redução das tarifas de energia em 2013, até o dia 10 de janeiro. O valor passou de R$ 206,40 bilhões para R$ 169,17 bilhões. O levantamento é da consultoria Economatica e foi divulgado nesta sexta-feira (11).

A empresa com a maior queda nominal de valor de mercado nesse período é a Cemig. Em setembro, o valor de mercado da companhia era de R$ 28,42 bilhões e, em 10 de janeiro, de R$ 18,56 bilhões - recuo de 34,67%.

De acordo com a Economatica, a empresa com a maior queda percentual no mesmo período é a Eletrobras. O valor de mercado da empresa foi de R$ 19,22 bilhões para R$ 9,90 bilhões em janeiro, queda de 48,46%.

Das 34 empresas analisadas, 10 delas têm valor de mercado inferior ao seu patrimônio liquido. "A Eletrobras é a empresa que tem a menor relação, o valor de mercado da empresa em 10 de janeiro de 2012 é de R$ 9,90 bilhões contra patrimônio liquido de R$ 79,58 bilhões", disse a Economatica, em nota.

Plano

A presidente Dilma Rousseff afirmou em 6 de setembro que, a partir do início de 2013, a conta de energia elétrica teria redução média de 16,2% para o consumidor doméstico e de até 28% para a indústria.

O anúncio foi feito em pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão dedicado ao Dia da Independência, celebrado nesta quinta, 7 de setembro.

Atualmente, os reservatórios de hidrelétricas têm registrado baixos níveis, o que poderia comprometer a distribuição de energia e afetar o plano de redução. No entanto, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse nesta quarta-feira (9) que não há risco de um novo racionamento e que o país tem um “estoque firme” de energia (quanta energia pode ser gerada com os recursos atuais) para sustentar o consumo nos próximos meses.

O ministro garantiu ainda que o corte de 20,2% nas contas de luz, que entra em vigor em 4 de fevereiro, está garantido, e que não há risco de desabastecimento da indústria por conta do uso do gás na geração de energia pelas usinas térmicas.

"Essa redução acontecerá, a partir do próximo mês, como está prevista", afirmou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ADRENALINA
Rally dos Sertões promete edição épica em etapa de MS
BENEFÍCIO
Cerimônia de entrega das Bolsas Atleta e Técnico será na sexta-feira
CAMPO GRANDE
Mãe vai à polícia denunciar abuso sexual em entidade que atende crianças com câncer
LEGISLATIVO DE MS
Semana de debates sobre saúde e de homenagens na Assembleia
BRASIL
Jennifer Lopez exibe bumbum e esbanja boa forma em novo clique de maiô cavado
ARTIGO
Quando dessecar a braquiária para semeadura da soja?
BRASIL
Chileno aguarda decisão sobre extradição na Superintendência da PF
FUTEBOL AMADOR
Santo Antônio e Panambi estreiam com vitória no Interdistrital
PREVENÇÃO
Operação Impacto III vistoriou entidades de MS com objetivo de coibir desvios de armas e munições
FLAGRANTE
Veículo carregado com contrabando é apreendido

Mais Lidas

NO PARANÁ
Douradense morre ao ser prensado por caminhão em laticínio
DOURADOS
Acusado de participação no sequestro de família douradense se apresenta à polícia
DOURADOS
Em ato de filiação ao PSL, reitora temporária diz não ter prazo para deixar comando da UFGD
MS-376
Veículo fica completamente destruído e homem morre em acidente entre Vicentina e Fátima do Sul