Menu
Busca quarta, 17 de julho de 2019
(67) 9860-3221

Servidores internacionais podem negar dados de usuários

10 janeiro 2013 - 15h20

A Justiça brasileira ainda encontra dificuldades para identificar e punir autores de mensagens ofensivas ou de caráter racista postadas em redes sociais. Um dos motivos desta barreira é que muitas empresas não possuem representação no Brasil e precisam de ordem judicial do país sede para fornecer dados dos usuários.

“Mesmo se o usuário brasileiro divulgar mensagem ofensiva na rede social, por exemplo, a empresa pode se negar a fornecer dados desta pessoa caso não tenha representação no Brasil. Mas, se tiver escritório no país terá que cumprir a ordem judicial e comunicar os dados que permitem identificar o autor”, comentou o conselheiro Estadual da OAB/MS, Leopoldo Fernandes da Silva Lopes, especialista em Direito Eletrônico.

Os principais provedores responsáveis pelas rede sociais já estão no país, o Facebook e Google possuem representantes em capital brasileiras. E no ano passado, o Twitter anunciou que irá abrir escritório no País.

Sobre a responsabilidade criminal do conteúdo das mensagens, Leopoldo Lopes explica que tanto o usuário, como o provedor podem ser responsabilizados. “A jurisprudência é que, identificado, o usuário responde criminalmente pelo conteúdo, assim como o provedor se ficar comprovado que tinha conhecimento da mensagem e não tomou providências”, comentou.

Nesta semana o Twitter negou ao Tribunal de Grande Instância de Paris, na França, dados que permitem identificar os autores de tweets racistas sem a autorização da Justiça americana. Mesmo assim, o provedor se comprometeu em retirar as mensagens.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PRAZO
Tribunal Regional do Trabalho encerra inscrições para Programa de Estágio
CAMPO GRANDE
Três homens em veículo furtado são perseguidos e presos pela Polícia
EDUCAÇÃO
UEMS abre inscrições para Pós em Educação Científica e Matemática
REUNIÃO
Bolsonaro vai à Argentina para participar da cúpula do Mercosul
PARANHOS
"Braço direito" de narcotraficante preso é executado a tiros na fronteira
TEMPO
Quarta-feira de sol com algumas nuvens em Dourados, não chove
SHOWBIZZ
De biquíni em Paraty, Mariana Ximenes suspira: "Pode já querer voltar?"
CAPITAL
Esposa de defensor público é encontrada morta em residência
POLÍCIA
Vítima de tiro do pai, estudante presta depoimento e diz que vai embora
TJ/MS
Coordenadora da Mulher debate violência de gênero em Genebra

Mais Lidas

DOURADOS
Coordenadora de Ceim é exonerada e pais fazem abaixo-assinado para tentar mantê-la
POLÍCIA
Investigação vê indícios de relação entre homicídios no Jardim Pantanal e Guanabara
DOURADOS
Assassinado em conveniência já cumpriu pena por tráfico e lavagem de dinheiro
DOURADOS
Upiran entrega carta de demissão a Délia e aguarda substituto para deixar Educação