Menu
Busca quarta, 03 de junho de 2020
(67) 99659-5905
PARAISÓPOLIS

Seis PMs são afastados das ruas após operação com 9 mortos em baile funk

02 dezembro 2019 - 22h05Por G 1

Seis policiais militares envolvidos na ocorrência que resultou na morte de nove pessoas na madrugada deste domingo, dia 1º de dezembro, em Paraisópolis, na Zona Sul de São Paulo, foram afastados do trabalho na rua nesta segunda-feira (2). As vítimas foram mortas pisoteadas durante a ação da Polícia Militar em um baile funk.

"Os policiais estão preservados. Temos que concluir o inquérito. Eles continuarão nas unidades em serviços administrativos no mesmo horário deles fazendo outras coisas porque é uma área complexa, a área da primeira companhia é uma área complexa. Havendo um outro evento parecido eles poderão ser prejudicados. Então eles estão sendo preservados", disse o comandante da Polícia Militar do estado de São Paulo, coronel Marcelo Vieira Salles.

Segundo Benedito Mariano, ouvidor da Polícias, a Corregedoria da PM vai analisar quais policiais serão afastados do trabalho nas ruas. "No primeiro momento da ocorrência sim, foram seis policiais militares, mas cabe ao corregedor analisar e definir quem será afastado".

O porta-voz da PM, tenente-coronel Emerson Massera disse, em entrevista coletiva no domingo, que 38 policiais participaram da ação no baile funk e que resultou na morte de nove pessoas.

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) pediu, em nota, "prioridade máxima das instituições competentes no governo do estado, para que apurem com rigor os acontecimentos em Paraisópolis, assim como modifiquem os procedimentos de intervenção policial, para que sejam evitadas mais mortes".

Segundo o boletim de ocorrência registrado no 89° DP (Portal do Morumbi), as nove mortes são investigadas como suspeitas provocadas em um acidente. Não há registro de que sejam classificadas como Morte Decorrente de Intervenção Policial (MDIP).

A Polícia Militar alega que as mortes ocorreram depois de uma perseguição policial seguida de tiros, mas moradores disseram que houve uma emboscada da polícia.

Além disso, o boletim explicita que os policiais sofreram tentativa de homicídio. O boletim também registrou uma lesão corporal porque uma mulher foi internada com ferimento na perna que teria sido causado por arma de fogo. As armas dos policiais foram apreendidas para exame balístico, se necessário.

O boletim só traz a versão de seis policiais do 16º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano (BPM/M), que realizavam uma Operação Pancadão na comunidade.

Os seis foram submetidos a exames residuográficos para identificar eventuais vestígios de pólvora nas mãos. Isso é feito para descobrir se os PMs atiraram com arma de fogo durante o tumulto.

Segundo eles, um grupo de policiais em motos estava na Avenida Hebe Camargo na altura do cruzamento com a Rua Rodolf Lotze. Eles foram surpreendidos por uma moto XT 660 de cor preta, que passou pelo meio do comboio policial. Depois, ainda de acordo com a PM, um dos ocupantes da moto atirou contra os policiais, que perseguiram a moto até o local onde ocorria o baile funk, na rua Ernest Renan, onde foram hostilizados pelo público. Por isso, os agentes afirmam que foi necessário o "uso moderado da força" ao usar o cassetete e munição química para dispersar a multidão. As pessoas fugiram para vielas e foram pisoteadas, segundo os policiais.

Já os moradores dizem que a a polícia entrou na comunidade e fechou as esquinas da Rua Ernest Renan com a Rua Herbert Spencer e Rodolf Lotze. Depois, os policiais atiraram bombas de gás e balas de borracha, jogaram garrafas, bateram com cassetetes e usaram sprays de pimenta na multidão e muitos jovens entraram em vielas e foram pisoteados.

A investigação da Polícia Civil que estava a cargo do 89° DP, ficará com o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

PM

A Corregedoria da Polícia Militar de São Paulo assumiu o inquérito policial militar sobre a ação da PM em Paraisópolis.

Segundo o porta-voz da PM, tenente-coronel Emerson Massera, a decisão de a Corregedoria assumir o caso partiu do comandante Marcelo Vieira Salles, comandante-geral da PM paulista. "O Coronel Salles determinou ontem [domingo] à noite que a Corregedoria avocasse o inquérito policial", disse Massera em entrevista à GloboNews. A Ouvidoria das polícias também tinha sugerido que a Corregedoria assumisse o caso.

A Corregedoria assume quando precisa apurar a conduta dos policiais em determinada ocorrência.

Além disso, o comando da PM decidiu que a investigação que vai apurar a conduta dos policiais na tragédia de Paraisópolis será investigada pelo subcomandante geral da PM do Estado, coronel Fernando Alencar Medeiros com o apoio da Corregedoria da corporação.

O porta-voz da Polícia Militar, o tenente-coronel Emerson Massera, defendeu a atuação da tropa. Ele disse que nenhum policial fez disparos com armas de fogo e que os criminosos em fuga usaram os frequentadores para se proteger. A polícia também negou que a ação tenha sido em retaliação pela morte de um policial.

Vítimas

Veja quem são os mortos:

Marcos Paulo Oliveira dos Santos, 16 anos

Bruno Gabriel dos Santos, 22 anos

Eduardo Silva, 21 anos

Denys Henrique Quirino da Silva, 16 anos

Mateus dos Santos Costa, 23 anos

Homem não identificado 1, aproximadamente 28 anos

Gustavo Cruz Xavier, 14 anos

Gabriel Rogério de Moraes, 20 anos

Luara Victoria de Oliveira, 18 anos

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÁFICO
PRF apreende 1,2 tonelada de maconha e 20 Kg de skunk na BR-267
SENADO
Aprovado congelamento de preços de medicamentos e de planos de saúde
COSTA RICA
Filho acusado de agredir pai de 91 anos é preso descumprindo medida judicial
ÁUDIO VAZADO
Presidente da Fundação Palmares chama movimento negro de 'escória'
CAPITAL
Condenado por estupro de vulnerável, homem é preso em encontro religioso
POLÍTICA
Senado aprova em definitivo projeto de doação de refeições não vendida
PORTO MURTINHO
Técnico de laboratório suspeito de aborto consegue habeas corpus
JUSTIÇA
Banco deve indenizar por inserir gravame a terceiros sem consentimento
MARACAJU
Mulheres denunciam tarado que se tocava em terminal rodoviário
COVID-19
'Lamento todos os mortos, mas é o destino de todo mundo', diz Bolsonaro

Mais Lidas

6ª VARA CÍVEL
Empresário vai à Justiça contra toque de recolher em Dourados
PANDEMIA
Com mais 27 casos, Dourados ultrapassa 300 confirmações de coronavírus
PANDEMIA
Novo epicentro, Dourados é a cidade com mais casos de coronavírus em MS
PED
Policiais penais frustram tentativa de fuga na Penitenciária de Dourados