Menu
Busca sexta, 15 de novembro de 2019
(67) 9860-3221

Quadrilhas buscam no Paraguai material para explodir caixas eletrônicos

30 maio 2011 - 06h40

Os rastros do crime levam a Ciudad del Este, no Paraguai. É lá que quadrilhas especializadas em explodir caixas eletrônicos encontram as ferramentas necessárias. Tem até dinamite.

O tráfico de explosivos preocupa as autoridades brasileiras. Os repórteres Fábio Almeida e Guacira Merlin registraram a ação dos traficantes e descobriram que bandidos contam, inclusive, com assessoria técnica para fazer explosões.

A Ciudad del Este, no Paraguai, faz fronteira com o Brasil. No meio da rua, ambulantes oferecem de tudo, inclusive dinamite. Um dos camelôs diz que consegue o material em pedreiras e que entrega no Brasil. Outro traz a dinamite escondida dentro do casaco. O produtor de reportagem Fábio Almeida combina de voltar depois e não realiza a compra.

O tráfico de explosivos alimenta um número cada vez maior de roubos a bancos. Só no Rio Grande do Sul, foram 12 ataques desse tipo em 2010. O estado de São Paulo também está na mira das quadrilhas: esse ano, já foram explodidos mais de 50 caixas eletrônicos.

No Brasil, exército e Polícia Civil controlam a compra, transporte, armazenamento e venda de qualquer tipo de explosivo. “A alternativa dos criminosos, e sem dúvida sempre uma boa alternativa, pela pouca fiscalização das nossas fronteiras, é a busca destes explosivos no Paraguai, Argentina e o Uruguai”, alerta o delegado Juliano Ferreira, do Departamento Estadual de Investigações Criminais.

O exército diz que está preocupado com os ataques. “Tem sido feito treinamento de pessoal, investido em tecnologia da informação para a gente conseguir coletar mais informação e dados para a gente distribuir nas investigações dos órgãos de segurança pública”, garante o capitão Reuel, da Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlados do Exército.

Para não chamar a atenção da polícia, os criminosos evitam roubos às mineradoras, pedreiras e empresas que trabalham com detonação. Preferem desviar o material. Contam até com a ajuda de alguns especialistas em detonação, chamados de “blasters”.


Deixe seu Comentário

Leia Também

INTERNACIONAL
Governo e oposição no Chile fazem acordo para convocar plebiscito
ESPORTES RADICAIS
Eco Pantanal extremo começa hoje com 1,2 mil participantes
CULTURA
Governador destaca pluralidade e continuidade na abertura do Festival América do Sul
BRASIL
Morales diz que não se sente responsável pela atual crise na Bolívia
LEGISLATIVO
Assembleia aprova projeto de lei que institui renda mínima ao Registrador Civil
FERIADÃO
PMRE inicia operação nas rodovias estaduais de MS
IMUNIZAÇÃO
2ª etapa da campanha nacional de vacinação contra o sarampo começa na segunda
MARACAJU
Caminhonete com maconha avaliada em mais de R$ 1 milhão é apreendida
CAMPO GRANDE
Mulheres fecham terminal e Guarda Municipal usa spray de pimenta para conter protesto
PERÍCIA
Em MS, material genético coletado de presos vai abastecer banco nacional e contribuir em investigações

Mais Lidas

DOURADOS
Motorista cai em golpe, tenta fugir e é amarrado por criminosos às margens de rodovia
REPRODUÇÃO SIMULADA
Às vésperas de júri popular, assassinato terá reconstituição em Dourados
MARACAJU
Homem tenta fugir da polícia, capota carro com quase 1t de maconha e morre
Proclamação da República
Confira o que abre e fecha em Dourados no feriado