Menu
Busca domingo, 22 de julho de 2018
(67) 9860-3221

Quadrilhas buscam no Paraguai material para explodir caixas eletrônicos

30 maio 2011 - 06h40

Os rastros do crime levam a Ciudad del Este, no Paraguai. É lá que quadrilhas especializadas em explodir caixas eletrônicos encontram as ferramentas necessárias. Tem até dinamite.

O tráfico de explosivos preocupa as autoridades brasileiras. Os repórteres Fábio Almeida e Guacira Merlin registraram a ação dos traficantes e descobriram que bandidos contam, inclusive, com assessoria técnica para fazer explosões.

A Ciudad del Este, no Paraguai, faz fronteira com o Brasil. No meio da rua, ambulantes oferecem de tudo, inclusive dinamite. Um dos camelôs diz que consegue o material em pedreiras e que entrega no Brasil. Outro traz a dinamite escondida dentro do casaco. O produtor de reportagem Fábio Almeida combina de voltar depois e não realiza a compra.

O tráfico de explosivos alimenta um número cada vez maior de roubos a bancos. Só no Rio Grande do Sul, foram 12 ataques desse tipo em 2010. O estado de São Paulo também está na mira das quadrilhas: esse ano, já foram explodidos mais de 50 caixas eletrônicos.

No Brasil, exército e Polícia Civil controlam a compra, transporte, armazenamento e venda de qualquer tipo de explosivo. “A alternativa dos criminosos, e sem dúvida sempre uma boa alternativa, pela pouca fiscalização das nossas fronteiras, é a busca destes explosivos no Paraguai, Argentina e o Uruguai”, alerta o delegado Juliano Ferreira, do Departamento Estadual de Investigações Criminais.

O exército diz que está preocupado com os ataques. “Tem sido feito treinamento de pessoal, investido em tecnologia da informação para a gente conseguir coletar mais informação e dados para a gente distribuir nas investigações dos órgãos de segurança pública”, garante o capitão Reuel, da Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlados do Exército.

Para não chamar a atenção da polícia, os criminosos evitam roubos às mineradoras, pedreiras e empresas que trabalham com detonação. Preferem desviar o material. Contam até com a ajuda de alguns especialistas em detonação, chamados de “blasters”.


Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZ
Paolla Oliveira exibe corpão ao tomar sol em piscína
LAGUNA CARAPÃ
Polícia apreende 365 quilos de maconha em veículo abandonado
GUARAPUAVA
Acidente aéreo mata deputado estadual do Paraná Bernardo Carli
AMAMBAI
Bebê de 1 ano e 9 meses morre afogado em açude de chácara
BLOCOS
Temer vai ao México para reunião de Mercosul e Aliança do Pacífico
MEIO AMBIENTE
PMA de Dourados autua pecuarista em R$ 57 mil por desmatamento
EMPREGO
10 órgãos abrem inscrições para quase 600 vagas na segunda-feira
CAMPO GRANDE
Mulher fica gravemente ferida após ser lançada contra arame farpado
AMPLAVISÃO 1315
Nas pontes de Roma a lembrança de André
DOURADOS
Poste derrubado após roubo de veículos continua caído na Marcelino Pires

Mais Lidas

ÁGUA BOA
Ferido com tiro durante comemorações na Copa é preso com drogas em Dourados
CAMPO DOURADO
Jovem nega tráfico e diz que pedido de carona o levou até casa com droga
DOURADOS
Índios invadem fazenda, torturam e fazem caseiro refém por 6h
CAMPO GRANDE
Mulher morre ao bater carro na traseira de caminhão parado