Menu
Busca terça, 19 de fevereiro de 2019
(67) 9860-3221
CONGRESSO

Projeto que acaba com "saidinha" de presos pode ser votado na semana

07 novembro 2017 - 08h03Por Agência Câmara

Os líderes partidários da Câmara dos Deputados decidiram na segunda-feira (6) dedicar a semana a projetos na área de segurança pública. Entre eles estão o fim da saída temporária de presos (PL 388/15); penas mais rígidas para assassinos de policiais (PL 8504/17); o fim do auto de resistência para obrigar investigação de mortes em confrontos com policiais (PL 4471/12); tornar crime o uso de pessoas como escudo humano (PL 8048/17); bloqueio de telefonia celular nos presídios (PL 5062/16); e fim de atenuante de pena para menores de 21 anos e maiores de 70 anos (PL 1383/15).

Na noite de ontem, foi aprovado o regime de urgência para o Projeto de Lei 5062/16. De autoria do deputado Cabo Sabino (PR-CE), a proposta caracteriza como infração gravíssima a não instalação, pelas prestadoras de serviços de telefonia celular, de bloqueadores de sinais em áreas próximas a estabelecimentos penais.

A votação da urgência das demais propostas será realizada nesta terça-feira (7). Já a votação do mérito dos projetos poderá ocorrer entre terça e quinta-feira (9). Nesse período, deve haver sessão do Plenário das 11h às 21h30. Também está prevista sessão na sexta-feira (10), até as 15h, para votação de acordos internacionais e outros itens.

Rito para MPs

Os deputados também chegaram a acordo para discutir outros temas no decorrer da semana, caso da proposta de emenda à Constituição que altera o rito de tramitação das medidas provisórias (PEC 70/11).

O texto acaba com a análise obrigatória por comissão mista, determina a discussão das MPs por comissões na Câmara e no Senado, mas permite que a medida provisória seja votada diretamente no Plenário se esgotado o prazo para discussão no colegiado. Hoje, a MP só vai a voto em Plenário depois de aprovada pela comissão mista, independentemente do prazo.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, defende a análise da proposta e já disse que não colocará em votação medidas provisórias enquanto a PEC não for aprovada. Votada a PEC 70, os deputados poderão discutir a MP 786/17, para financiar a elaboração de estudos técnicos que viabilizem concessões e parcerias público-privadas.

Congresso Nacional

Está prevista para quarta-feira (8) sessão do Congresso Nacional para análise de vetos e de projetos de lei que liberam créditos orçamentários. Entre os itens polêmicos está o fim do limite de doações de pessoas físicas a candidatos, veto de Temer ao projeto de reforma política que criou o fundo de financiamento de campanhas eleitorais (PL 8612/17).

Parlamentares também já declararam posição contrária aos vetos feitos à MP 770/17, que prorroga o prazo para utilização do Regime Especial de Tributação para Desenvolvimento da Atividade de Exibição Cinematográfica (Recine).

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASÍLIA
Bancada de MS no Congresso elege Nelsinho Trad como o coordenador do grupo
BRASIL
Marco Aurélio nega recurso e Bolsonaro terá de pagar indenização
RURAL
Em MS, Iagro e SES enfrentam venda e uso irregular de agrotóxicos na agricultura
DOURADOS
Processo contra frigorífico resulta em equipamentos a unidades hospitalares
TV
Marina Ruy Barbosa nega festinha íntima com colegas de novela
DOURADOS
Câmara revoga financiamento de R$ 5 milhões autorizado à prefeitura
BRASIL
Maior superlua do ano ocorre nesta terça-feira
BR-463
Carro de luxo roubado em SP é recuperado no mesmo dia em MS
REUNIÃO EM BRASÍLIA
Reinaldo Azambuja discute Lei Kandir e concessão da BR-163 com bancada federal
BRASIL
Morre no Rio ex-ministro João Paulo dos Reis Velloso

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Motociclista atropela, mata criança de 1 ano em Dourados e foge do local
DOURADOS
Motorista tenta desviar de outro veículo e bate carro em árvore
NOVA ANDRADINA
Mãe de 16 anos mata filha de apenas 21 dias
DOURADOS
Um ano após pedido de demissão, ex-secretário de Délia retorna à prefeitura