Menu
Busca quinta, 18 de abril de 2019
(67) 9860-3221
POLÍTICA

Presidente do Senado lê pedido de criação da CPI de Brumadinho

12 fevereiro 2019 - 22h20Por G1

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), leu nesta terça-feira, dia 12 de fevereiro, o pedido de criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que vai apurar as causas do rompimento de uma barragem em Brumadinho, Minas Gerais.

A leitura é o último passo para a criação da CPI. Se os senadores não retirarem as assinaturas de apoio até meia-noite, a comissão será criada e publicada no "Diário Oficial do Senado Federal".

Diante disso, caberá aos líderes partidários, a partir desta quarta-feira (13), indicar os integrantes da CPI. Depois, a comissão será instalada, e haverá a eleição do presidente e do vice, além da designação do relator.

Conforme o pedido de criação, a CPI será composta por 11 senadores titulares e 7 senadores suplentes. A CPI terá prazo de 180 dias para concluir os trabalhos, e o limite de despesas será de R$ 110 mil.

"Temos como objetivo identificar os responsáveis, quais foram as falhas dos órgãos competentes, os autores dos laudos técnicos e tomarmos todas as providências cabíveis para evitarmos novos acidentes", diz o pedido de criação apresentado pelo senador Otto Alencar (PSD-BA).

Assinaturas

O pedido de criação da CPI foi assinado por 44 senadores. O número mínimo para a criação é de 27 assinaturas, o que corresponde a um terço do total de senadores (81).

Após a sessão desta terça, Davi Alcolumbre afirmou que era discutida a possibilidade da criação de uma CPI mista, formada por deputados e senadores. No entanto, segundo o presidente do Senado, deputados e senadores "não se entenderam em relação à formação conjunta".

"Foi discordância. O Senado e a Câmara entenderam que cada um tem que fazer a sua CPI", disse.

Rompimento da barragem

No dia 25 de janeiro, uma barragem da mineradora Vale em Brumadinho (MG) rompeu e levou uma enxurrada de lama à região.

De acordo com as autoridades locais, o rompimento da barragem de Córrego do Feijão provocou a morte de pelo menos 165 pessoas. Ao todo, segundo a Defesa Civil de Minas Gerais, 155 pessoas ainda estão desaparecidas.

Segundo a Vale, a intenção da empresa é acelerar ao máximo, por meio de acordos extrajudiciais, o processo de indenização das vítimas do rompimento.

De acordo com a colunista do G1 Andréia Sadi, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, já pediu à companhia para evitar ações judiciais e buscar acordos com as famílias das vítimas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SIDROLÂNDIA
Polícia apreende mais de 1t de maconha em veículo furtado
INTERNACIONAL
Rússia confirma primeiro encontro entre Putin e Kim Jong-un
JUDICIÁRIO
Juiz de Dourados será empossado desembargador na próxima quarta
DOURADOS
Consumidores lotam estabelecimentos em busca de peixes para o feriado
DOURADOS
Corpo desovado no IV Plano é de homem que matou e jogou mulher dentro de poço há 6 anos
DOURADOS
Ladrão cai do telhado após tentar fugir da polícia
FAMOSOS
Patricia Poeta posta foto sem maquiagem e ganha elogios: "Maravilhosa"
RIO BRILHANTE
Veículo roubado no Rio de Janeiro é recuperado em MS
TRÁFICO
Homem é preso tentando levar maconha dentro de travesseiro
DELAÇÃO
Justiça suspende ação contra Puccinelli e depoimentos de donos da JBS

Mais Lidas

AEDES AEGYPTI
Em situação de emergência, Dourados confirma terceira morte por dengue
DOURADOS
Contratadas em grupo de whats “só maloqueiros”, mulheres são presas por tráfico
TRÁFICO
Avião suspeito de ser usado no tráfico é apreendido após sair de MS
DOURADOS
Menores são detidos traficando cocaína e com bicicleta furtada