Menu
Busca sábado, 16 de fevereiro de 2019
(67) 9860-3221
POLÍTICA

Presidente do Senado lê pedido de criação da CPI de Brumadinho

12 fevereiro 2019 - 22h20Por G1

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), leu nesta terça-feira, dia 12 de fevereiro, o pedido de criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que vai apurar as causas do rompimento de uma barragem em Brumadinho, Minas Gerais.

A leitura é o último passo para a criação da CPI. Se os senadores não retirarem as assinaturas de apoio até meia-noite, a comissão será criada e publicada no "Diário Oficial do Senado Federal".

Diante disso, caberá aos líderes partidários, a partir desta quarta-feira (13), indicar os integrantes da CPI. Depois, a comissão será instalada, e haverá a eleição do presidente e do vice, além da designação do relator.

Conforme o pedido de criação, a CPI será composta por 11 senadores titulares e 7 senadores suplentes. A CPI terá prazo de 180 dias para concluir os trabalhos, e o limite de despesas será de R$ 110 mil.

"Temos como objetivo identificar os responsáveis, quais foram as falhas dos órgãos competentes, os autores dos laudos técnicos e tomarmos todas as providências cabíveis para evitarmos novos acidentes", diz o pedido de criação apresentado pelo senador Otto Alencar (PSD-BA).

Assinaturas

O pedido de criação da CPI foi assinado por 44 senadores. O número mínimo para a criação é de 27 assinaturas, o que corresponde a um terço do total de senadores (81).

Após a sessão desta terça, Davi Alcolumbre afirmou que era discutida a possibilidade da criação de uma CPI mista, formada por deputados e senadores. No entanto, segundo o presidente do Senado, deputados e senadores "não se entenderam em relação à formação conjunta".

"Foi discordância. O Senado e a Câmara entenderam que cada um tem que fazer a sua CPI", disse.

Rompimento da barragem

No dia 25 de janeiro, uma barragem da mineradora Vale em Brumadinho (MG) rompeu e levou uma enxurrada de lama à região.

De acordo com as autoridades locais, o rompimento da barragem de Córrego do Feijão provocou a morte de pelo menos 165 pessoas. Ao todo, segundo a Defesa Civil de Minas Gerais, 155 pessoas ainda estão desaparecidas.

Segundo a Vale, a intenção da empresa é acelerar ao máximo, por meio de acordos extrajudiciais, o processo de indenização das vítimas do rompimento.

De acordo com a colunista do G1 Andréia Sadi, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, já pediu à companhia para evitar ações judiciais e buscar acordos com as famílias das vítimas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAU
Flávia Alessandra mantém feed de tirar o fôlego e capricha nas fotos
CAMPO GRANDE
Jovem é preso por filmar corpos de assaltantes mortos por PM
JUSTIÇA
Condenado por roubo a mulher grávida tem pena aumentada em dois anos
DICAS
Portal do MS traz série de matérias sobre o concurso da educação
COSTA RICA
Polícia faz cerco e prendem quadrilha especializada em furtos rurais
ECONOMIA
Gasolina recua pela 17ª vez e atinge menor preço em 13 meses
DESEMBARGADORA
STF nega pedido de liminar e Tânia Borges continua afastada
UFGD
Clube da Leitura' retorna, com 'As Meninas', de Lygia Fagundes Telles
SONORA
Assessor de Câmara Municipal é detido suspeito de bater na esposa
PRAZO
Abertas inscrições para curso de Processo Civil da Escola de Magistratura

Mais Lidas

DOURADOS
Homem que tramou assassinato de empresário tentou se matar antes de ser levado à PED
PORTE E POSSE DE ARMA
Justiça concede HC a empresário que teve morte encomendada pela mulher
DOURADOS
Envolvidos na trama contra empresário são transferidos à PED
AMAMBAI
Douradense é preso com mais de 1 tonelada de maconha em veículo roubado