Menu
Busca terça, 19 de junho de 2018
(67) 9860-3221
DEPOIMENTO

Presidente deve conversar até com ‘malandro’, diz FHC ao juiz Moro

12 junho 2018 - 07h41Por Metrópoles

Ao depor nesta segunda-feira, dia 11 de junho, o ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, disse ao juiz federal Sérgio Moro que um presidente deve ouvir “malandros” no exercício do cargo. Na ocasião, FHC falou como testemunha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no processo responsável por investigar o político petista por reformas executadas em um sítio em Atibaia (SP). As informações foram divulgadas pelo jornal O Globo.

Segundo a reportagem, a declaração de Fernando Henrique foi feita quando ele mencionou audiências que tinha, como presidente, com políticos e empresários. Inicialmente, a defesa de Lula perguntou a Fernando Henrique sobre encontros com Emilio Odebrecht, patriarca da empreiteira que leva o sobrenome de sua família.

O tucano afirmou ter conversado não só com empresários, mas com líderes sindicais e religiosos durante o período de seu mandato. De acordo com Fernando Henrique, na vida pública, não é possível escolher quem será seu interlocutor.

“É natural que o presidente se comunique com os representantes da sociedade. Tendo influência, ele deve falar. É parte da vida presidencial ouvir, conversar, discutir. MST, conversei inúmeras vezes. Sindicato, nem se fale. Igreja, nem se fale”, afirmou FHC durante depoimento, segundo o jornal carioca.

O ex-presidente, então, relembrou uma situação na qual ainda estava na Universidade de São Paulo (USP) para justificar que não se pode “discriminar” malandros.

“Mesmo o malandro, você sabe que ele é malandro, você não vai entrar na malandragem dele,” afirmou. “E ele não pode ser malandro o tempo todo, tem vez que não é. Ele não deve ser discriminado. Quem tem função pública tem a obrigação de ouvir, além de levar o país para a direção certa”, completou.

De acordo com O Globo, o depoimento do ex-político durou cerca de 30 minutos e levou em consideração outros temas, como a composição do ministério no presidencialismo de coalizão. Luiz Inácio Lula da Silva é acusado de ter dividido as esferas de influência dos partidos na base aliada na Petrobras com PP, MDB e PT, dividindo as diretorias da estatal com representantes dessas legendas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMPO GRANDE
Soltos pela justiça, casal volta a ser preso por assassinato de deficiente
CONCURSO
Inscrições para 500 vagas na Polícia Federal começam nesta terça
TEMPO
Terça-feira de sol com algumas nuvens em Dourados; não chove
UAU
Jessica Ellen faz ensaio nu e celebra "iniciar novos ciclos"
PARANHOS
Calote em venda de fazenda teria motivado atentado a prefeito
JUSTIÇA
Acusado de tentativa de homicídio vai a júri popular nesta terça-feira
ECONOMIA
Decolar.com é multada em R$ 7,5 milhões pela prática de “geopricing”
TRÊS LAGOAS
Dupla armada rende funcionária de clínica para roubar caminhonete
FRONTEIRA
Jovem tem cabelo cortado e acusa duas mulheres de agressão
LAVA JATO
PF indicia ex-procurador Marcelo Miller e Joesley Batista por corrupção

Mais Lidas

PARANHOS
Testemunha de atentado a prefeito é executada
DOURADOS
Polícia fecha boca de fumo e prende homem no Clímax
SOLIDARIEDADE
Douradense busca ajuda para conseguir manter a família
DOURADOS
Mulher é presa em posto de saúde com moto furtada há dois anos