Menu
Busca Domingo, 21 de Janeiro de 2018
(67) 9860-3221
Corpal - Dezembro 2017

População vive mais, e mais doente

14 Dezembro 2012 - 15h15

O mundo tem conseguido evitar mortes prematuras, mas as pessoas têm vivido mais e mais doentes, segundo o estudo sobre a Carga Global de Doenças (GBD, na sigla em inglês) 2010, um projeto colaborativo liderado pelo Instituto de Métrica e Avaliação de Saúde (IHME), da Universidade de Washington, nos EUA.

Os resultados serão anunciados nesta sexta-feira (14) pela Sociedade Real de Londres e também aparecerão neste sábado (15) na revista científica "The Lancet", que pela primeira vez em sua história vai dedicar uma edição inteira a uma única pesquisa. Ao todo, são sete artigos científicos e comentários sobre os maiores desafios mundiais na área da saúde.

Segundo o levantamento, o mundo tem passado por grandes mudanças desde a década de 1990, quando foi feita a primeira edição do GBD. De lá para cá, a população global tem envelhecido mais, a incidência de doenças infecciosas e desnutrição infantil tem caído, e – com exceção da África Subsaariana – as pessoas estão mais propensas a ter uma vida adulta pouco saudável, por causa do sedentarismo e da má alimentação.

Essa "carga de saúde" definida pelo GBD está mais ligada ao que nos faz mal, e não ao que está nos matando. O maior contribuinte para isso costumava ser a mortalidade precoce – que já atingiu mais de 10 milhões de crianças menores de 5 anos –, mas agora a realidade é outra, com mais doenças crônicas (como asma, pressão alta, infarto, derrame, obesidade, diabetes, fumo, alcoolismo e câncer), lesões nos músculos e ossos (como osteoporose) que causam invalidez e óbitos, e problemas mentais. E esse número cresce à medida que as pessoas vivem mais.

O estudo aponta ainda que, enquanto os países têm feito um ótimo trabalho para combater doenças fatais, principalmente as infectocontagiosas (como a Aids), a população mundial está vivendo com mais problemas de saúde que causam dor, prejudicam a mobilidade, a visão, a audição e o funcionamento cerebral.

De acordo com o diretor do IHME, Christopher Murray, pouquíssimos indivíduos estão vivendo em perfeitas condições de saúde e, com a idade, a maioria acumula doenças.

"Deveríamos recalibrar o que a vida será para nós quando tivermos 70 ou 80 anos. Isso também tem profundas implicações para os sistemas de saúde, visto que eles definem prioridades", disse.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PONTA PORÃ
Homem é encontrado morto e com pés perfurados na fronteira
CONCURSOS
16 órgãos abrem inscrições nesta segunda para preencher 2,4 mil vagas
CAMPO GRANDE
Criança de 4 anos é encontrada sozinha em rua durante a madrugada
BRIGA DE TRIBUNAIS
Advogados vão ao STF para tentar impedir posse de Cristiane Brasil
EDUCAÇÃO
Rematrículas para os acadêmicos da UEMS começam nesta segunda-feira
DOURADOS
Casal é assaltado ao ser surpreendido por dupla em motocicleta
EDUCAÇÃO
Prefeita Délia destaca atendimento às escolas do campo na sua gestão
PONTA PORÃ
Veículo furtado no centro de Dourados capota na BR-463
POLÍTICA
Se não se reelegerem 23 senadores investigados na Lava Jato ficam sem foro
CANAÃ I
Mulher tem motocicleta furtada da garagem de residência

Mais Lidas

DOURADOS
Homem é rendido por bandidos, levado para mata e tem Amarok roubada
Homem é rendido por bandidos, levado para mata e tem Amarok roubada
CAMPO GRANDE
Adolescente de 14 anos é morto em casa de shows
Adolescente de 14 anos é morto em casa de shows
MAIS UM CASO
Drone é abatido na Penitenciária Estadual de Dourados
Drone é abatido na Penitenciária Estadual de Dourados
DOURADOS
Mulher é derrubada de moto junto a filha em roubo
Mulher é derrubada de moto junto a filha em roubo