Menu
Busca domingo, 18 de fevereiro de 2018
(67) 9860-3221
TENDÃO DE AQUILES

Polícia Federal prende Wesley Batista, presidente do grupo JBS em São Paulo

13 setembro 2017 - 06h58

A Polícia Federal prendeu na manhã desta quarta-feira, dia 13 de setembro, um dos donos da J&F e diretor presidente da JBS, Wesley Batista, em São Paulo. A ordem de prisão foi expedida pela 6ª Vara Federal Criminal de São Paulo.

Ele foi preso na investigação do uso de informações privilegiadas para lucrar no mercado financeiro entre abril e 17 maio de 2017, data de divulgação de informações relacionadas a acordo de colaboração premiada firmado com a Procuradoria Geral da República no período da divulgação da delação premiada dos executivos do grupo.

O irmão de Wesley, Joesley também foi alvo de mandado de prisão expedido pela Justiça Federal em São Paulo nesta mesma ação. No entanto, ele está preso desde domingo (10) após o relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, acatar os pedidos de prisão em investigação sobre o acordo de delação premiada.

A prisão faz parte da 2ª fase da operação Tendão de Aquiles em que também foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão. A 1ª fase foi deflagrada em 9 de junho quando foram cumpridos três mandados de busca e apreensão e quatro mandados de condução coercitiva.

###Informação privilegiada
A JBS, seus controladores e outras empresas do grupo são investigadas por uso de informação privilegiada. A JBS confirmou que comprou dólar no mercado futuro horas antes da divulgação de que seus executivos fizeram delação premiada. O dólar disparou no dia seguinte, subindo mais de 8%, o que trouxe ganhos a empresa.

Os irmãos Batista teriam praticado, então, o chamado "insider trading", que é o uso de informações privilegiadas para lucrar na venda ou na compra no mercado financeiro, com a compra de U$ 1 bilhão às vésperas da divulgação da gravação e da venda de R$ 327 milhões em ações da JBS durante seis dias do mês de abril enquanto os réus negociavam a delação premiada com a Procuradoria Geral da República.

A compra de dólar na véspera do vazamento dos aúdios da delação premiada da JBS teria levado a empresa a obter ganhos financeiros, já que a cotação da moeda disparou nos dias seguintes à divulgação das conversas. A Justiça Federal chegou a determinar o bloqueio de R$ 800 milhões das contas de Joesley Batista após a denúncia, mas depois autorizou que a quantia voltasse a ficar disponível para o empresário.

Em nota divulgada quando a denúncia foi protocolada na Justiça, a J&F afirmou que "tem como política e prática a utilização de instrumentos de proteção financeira visando, exclusivamente, minimizar os seus riscos cambiais e de commodities provenientes de sua dívida, recebíveis em dólar e de suas operações".

Além de operações feitas pela JBS, a polícia investiga também transações envolvendo a FB Participações, empresa que reúne os negócios da família Batista, controladora da JBS, e do Banco Original, que pertence ao mesmo grupo, de acordo com comunicado da CVM.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CONCURSOS
Ao menos 10 órgãos abrem as inscrições nesta segunda para 1,1 mil vagas
CORUMBÁ
Homem é preso acusado de estuprar vizinha de apenas seis anos
EDUCAÇÃO
Nota do Enem pode ser usada para ingresso em universidades portuguesas
DOURADOS
Polícia Civil registra dois assaltos praticados por dupla em moto
RURAL
Colheita da soja chega a 5,1% da área cultivada em Mato Grosso do Sul
CAMPO GRANDE
Trio é preso com 614 quilos de maconha que iria para Minas Gerais
DOENÇA
Preconceito e desinformação dificultam combate ao alcoolismo
MEIO AMBIENTE
Paranaense é autuado por entrar e navegar no Parque das Várzeas
FUTEBOL
Três jogos movimentam a rodada do Estadual neste domingo
PEDRO JUAN
Jovem desaparece e pode estar relacionado ao tráfico de pessoas

Mais Lidas

MARACAJU
Homem é assassinado brutalmente por adolescentes
SUL DE MS
Homem morre após fugir e capotar veículo carregado com maconha
RESGATE
Casal é encontrado com vida após 10h de sequestro na Capital
TRÁFICO
Mato-grossense é presa com maconha na rodoviária de Dourados