Menu
Busca terça, 12 de novembro de 2019
(67) 9860-3221

Oxi não é droga nova, mas variante da cocaína, diz PF

08 junho 2011 - 19h05

A Polícia Federal divulgou, na manhã de segunda-feira, um estudo que nega que o que se tem chamado de "oxi" seja uma nova droga e informou que tratará como padrão nacional a classificação do entorpecente como uma "diferente forma de apresentação da cocaína". O estudo foi realizado a partir da análise de 20 amostras de "oxi" apreendidas pela Polícia Civil nas ruas e 23 de cocaína apreendidas pela PF em condições de tráfico internacional ou interestadual no Acre.

O Serviço de Laboratório do Instituto Nacional de Criminalística da PF, em Brasília, com a colaboração de equipe do programa de Perfil Químico das Drogas da PF (Projeto PeQui), identificou nas 23 amostras de cocaína teores da droga na faixa de 50-85% (média de 73%), sendo compostas predominantemente de cocaína "não oxidada", na forma de pasta base. Para as 20 amostras de "oxi", foram observados teores de cocaína na faixa de 29-85% (média de 65%), sendo que quatro amostras apresentavam menores teores de cocaína (29-47%) e quantidades significativas de carbonatos, o que a PF informou serem típicos exemplos da cocaína na forma crack.

Diferentemente do que vinha sendo divulgado como composição do "oxi", a PF identificou que não havia quantidades significativas de cal (óxido de cálcio) e de hidrocarbonetos (como querosene ou gasolina) nas amostras da droga analisadas. Sete amostras de "oxi" eram compostas por cocaína "não oxidada" e foram classificadas como pasta base de cocaína, e três amostras eram constituídas por cocaína que passou por algum refino oxidativo, sendo classificadas como cocaína base. O único adulterante encontrado nas amostras de "oxi" foi a fenacetina, cuja concentração em cinco amostras de cocaína era de 0,4-10%, enquanto sete amostras de "oxi" apresentaram índices de 0,4-22%.

"A análise de perfil químico das amostras de 'oxi' apreendidas no estado do Acre indicam que não existe uma 'nova droga' no mercado ilícito. O que se observa são diferentes formas de apresentação típicas da cocaína (sal, crack, pasta base, cocaína base) sendo arbitrariamente classificadas como 'oxi', sem que sejam utilizados para este processo critérios objetivos e técnicos", informou a PF.

O trabalho também mostra que, além do crack e da cocaína sal, os usuários têm consumindo diretamente pasta base (sem refino) e cocaína base (refinada) com elevados teores da droga (acima de 60% de cocaína), o que pode contribuir para "gerar pronunciados efeitos estimulantes e psicotrópicos e aumentar a possibilidade de efeitos deletérios como overdose".

Deixe seu Comentário

Leia Também

ALIMENTAÇÃO
‘Cozinha Experimental’ realiza edição sobre comida ‘Low-carb’, nesta terça-feira
SEM FAKES
TSE lança campanha para rádio e TV contra desinformação nas eleições 2020
CORUMBÁ
Preso apanha na cadeia após xingar mãe de desafeto
BRASIL
Bancos começam a enviar dados de clientes para cadastro positivo
OPORTUNIDADE
Instituto Federal abre mais de 900 vagas em MS
TRÁFICO
Homem é preso com maconha enrolada a banquetas
ENEM
Candidatos que se sentiram prejudicados podem pedir nova prova até o dia 18
ECONOMIA
Dólar fecha em queda após avançar por 3 sessões seguidas
LOTERIA
Com prêmio estimado em R$ 300 milhões, apostas da Mega da Virada começam a ser recebidas
BRASIL
Faturamento do mercado de seguros cresceu 18,6% em setembro

Mais Lidas

DOURADOS
Acidente mata uma pessoa próximo a Embrapa
BR-163
Motorista morre ao bater de frente com carreta em Dourados
PONTA PORÃ/PEDRO JUAN
Três são assassinados e um bebê fica ferido em "domingo sangrento" na fronteira
DOURADOS
Justiça manda município pagar salário a guarda municipal preso por tráfico