Menu
Busca segunda, 23 de julho de 2018
(67) 9860-3221

Oxi não é droga nova, mas variante da cocaína, diz PF

08 junho 2011 - 19h05

A Polícia Federal divulgou, na manhã de segunda-feira, um estudo que nega que o que se tem chamado de "oxi" seja uma nova droga e informou que tratará como padrão nacional a classificação do entorpecente como uma "diferente forma de apresentação da cocaína". O estudo foi realizado a partir da análise de 20 amostras de "oxi" apreendidas pela Polícia Civil nas ruas e 23 de cocaína apreendidas pela PF em condições de tráfico internacional ou interestadual no Acre.

O Serviço de Laboratório do Instituto Nacional de Criminalística da PF, em Brasília, com a colaboração de equipe do programa de Perfil Químico das Drogas da PF (Projeto PeQui), identificou nas 23 amostras de cocaína teores da droga na faixa de 50-85% (média de 73%), sendo compostas predominantemente de cocaína "não oxidada", na forma de pasta base. Para as 20 amostras de "oxi", foram observados teores de cocaína na faixa de 29-85% (média de 65%), sendo que quatro amostras apresentavam menores teores de cocaína (29-47%) e quantidades significativas de carbonatos, o que a PF informou serem típicos exemplos da cocaína na forma crack.

Diferentemente do que vinha sendo divulgado como composição do "oxi", a PF identificou que não havia quantidades significativas de cal (óxido de cálcio) e de hidrocarbonetos (como querosene ou gasolina) nas amostras da droga analisadas. Sete amostras de "oxi" eram compostas por cocaína "não oxidada" e foram classificadas como pasta base de cocaína, e três amostras eram constituídas por cocaína que passou por algum refino oxidativo, sendo classificadas como cocaína base. O único adulterante encontrado nas amostras de "oxi" foi a fenacetina, cuja concentração em cinco amostras de cocaína era de 0,4-10%, enquanto sete amostras de "oxi" apresentaram índices de 0,4-22%.

"A análise de perfil químico das amostras de 'oxi' apreendidas no estado do Acre indicam que não existe uma 'nova droga' no mercado ilícito. O que se observa são diferentes formas de apresentação típicas da cocaína (sal, crack, pasta base, cocaína base) sendo arbitrariamente classificadas como 'oxi', sem que sejam utilizados para este processo critérios objetivos e técnicos", informou a PF.

O trabalho também mostra que, além do crack e da cocaína sal, os usuários têm consumindo diretamente pasta base (sem refino) e cocaína base (refinada) com elevados teores da droga (acima de 60% de cocaína), o que pode contribuir para "gerar pronunciados efeitos estimulantes e psicotrópicos e aumentar a possibilidade de efeitos deletérios como overdose".

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESTRELA DO LESTE
Rapaz esfaqueado pede socorro em conveniência, mas acaba morrendo no local
SHOWBIZ
Paolla Oliveira exibe corpão ao tomar sol em piscína
LAGUNA CARAPÃ
Polícia apreende 365 quilos de maconha em veículo abandonado
GUARAPUAVA
Acidente aéreo mata deputado estadual do Paraná Bernardo Carli
AMAMBAI
Bebê de 1 ano e 9 meses morre afogado em açude de chácara
BLOCOS
Temer vai ao México para reunião de Mercosul e Aliança do Pacífico
MEIO AMBIENTE
PMA de Dourados autua pecuarista em R$ 57 mil por desmatamento
EMPREGO
10 órgãos abrem inscrições para quase 600 vagas na segunda-feira
CAMPO GRANDE
Mulher fica gravemente ferida após ser lançada contra arame farpado
AMPLAVISÃO 1315
Nas pontes de Roma a lembrança de André

Mais Lidas

PARAGUAI
Polícia recupera caminhonete roubada de Vereador de Dourados
DOURADOS
Poste derrubado após roubo de veículos continua caído na Marcelino Pires
DOURADOS
GM apreende pasta base de cocaína na rodoviária de Dourados
FOGO
Bombeiros combatem incêndio em loja de peças para motos