Menu
Busca domingo, 20 de maio de 2018
(67) 9860-3221
Clube Indaiá - Janeiro 2018

Obama nega que Brasil e outros emergentes ameacem as grandes potências

25 maio 2011 - 16h51

Em Londres, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, negou hoje (25) em discurso que as grandes potências temam o crescimento econômico do Brasil, da China e da Índia.

Obama disse que este crescimento cria novos mercados e oportunidades, sem ameaças à liderança existente no mundo. Segundo ele, Estados Unidos e Reino Unido não estão em decadência e servem como exemplos para os emergentes. O Brasil foi citado em dois momentos no discurso.

"Países como a China, o Brasil e a Índia estão crescendo rapidamente, criando oportunidades e mercados para as nossas nações. Também conseguiram tirar muitos da pobreza. Estas nações crescem porque se baseiam em princípios de mercado que os Estados Unidos e o Reino Unido sempre defenderam”, afirmou o presidente norte-americano no Parlamento Britânico, no segundo dia de visita à capital inglesa.

Em resposta aos que temem o crescimento dos emergentes, Obama tentou afastar o medo. “Há quem acredite que tal crescimento virá junto com a decadência inevitável da influência de nossos países no mundo. Há quem diga que essas nações são o futuro e nós, o passado, mas isso está errado. Esse argumento está errado. O tempo para a nossa liderança é agora", disse.

“As ameaças e os desafios exigem das nações que trabalhem em conjunto umas com as outras. Nós [norte-americanos e britânicos] continuamos a ser o maior catalisador para a ação global”, disse ele.

Obama ressaltou que os esforços globais devem priorizar a melhoria das expectativas de vida para “milhões que estão privados de direitos humanos básicos”. Segundo ele, o caminho ideal para alcançar essas pessoas é o do livre comércio. "Foi o que levou à Revolução Industrial, que começou nas fábricas de Manchester [no Reino Unido] e se estenderam para o resto do mundo estabelecendo uma nova ordem mundial”, ressaltou.

O presidente norte-americano acrescentou que a economia reflete a atuação dos Estados Unidos. “Vivemos em uma economia global que é, em grande parte, de nossa própria fabricação. Hoje, a competição pelos melhores empregos e indústrias favorece os países que são livres pensadores e progressistas, países que estimulam a criatividade, a inovação e o empreendedorismo”, disse ele.

Segundo Obama, os governos dos Estados Unidos e do Reino Unido são parceiros na promoção da paz, da justiça e da prosperidade no mundo. De acordo com ele, a liberdade e a dignidade humana são os valores que regem as políticas dos dois países.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AOS 57 ANOS
Luiza Tomé ostenta corpão em rede social
AGENDA
Assembleia homenageia Força Expedicionária e debate Escola sem Partido
PREOCUPAÇÃO
Defesa Civil do Estado avalia impactos da cheia do Pantanal nas áreas ribeirinhas
FUTEBOL DE BASE
Definidos confrontos da segunda fase da Copa Mirim “João Ângelo Rocha”
EDUCAÇÃO
Novo convênio permitirá que brasileiros usem nota do Enem em Portugal
PLANEJAMENTO
Inventário turístico de Dourados começa a ser atualizado
SEGURANÇA PÚBLICA
Números apontam redução da criminalidade em MS
Após fugir e cair em barranco, homem foge e abandona 300 kg de maconha
OPORTUNIDADE
Governo publica editais para 36 especialistas e profissionais da saúde no concurso da PM e Bombeiros
PARANAÍBA
Motorista foge após causar acidente e agredir mulher

Mais Lidas

BR-163
Caminhonete carregada com maconha é encontrada abandonada em posto de Dourados
CAMPO GRANDE
Chefe de quadrilha investigada pela PF foge de presídio
FRONTEIRA
Homem é executado por pistoleiros em "Favelinha" de Ponta Porã
PEDRO JUAN
Mulher é executada a tiros na fronteira