Menu
Busca quinta, 09 de julho de 2020
(67) 99659-5905

Nova alta do juro reduz interesse pela poupança

09 junho 2011 - 20h11

A caderneta de poupança fica ainda menos atrativa com a nova alta de 0,25 ponto porcentual promovida na taxa básica de juros (Selic). Os fundos de renda fixa e alguns títulos do Tesouro Direto, por sua vez, fazem o caminho contrário e se consolidam como boas alternativas aos pequenos investidores.
No mês passado, com a taxa Selic ainda em 12% ao ano, esse efeito foi sentido na prática. Segundo o Banco Central, em maio, os investidores sacaram R$ 1,3 bilhão mais do que depositaram na poupança.

Já os fundos de renda fixa receberam novos depósitos de R$ 3,4 bilhões durante o mês passado, de acordo com a Anbima (associação que representa as entidades do mercado financeiro). Os dois resultados são os maiores registrados em maio desde 2006.

"Assim como os fundos de renda fixa, os DI também são melhores alternativas do que a poupança neste momento", diz Fábio Colombo, administrador de investimentos. O especialista lembra que é importante checar a taxa de administração dessas modalidades de investimento antes de optar pela aplicação.

Já no Tesouro Direto, diz Colombo, é preciso saber escolher qual o melhor título para o atual momento econômico.

Para o administrador de investimentos, as LFTs e as NTN-Bs (ambas pós-fixadas) são as melhores opções disponíveis. "Mas deve-se manter o investimento por pelo menos dois anos para que o Imposto de Renda seja o menor possível." Fábio Colombo comenta que, na sua opinião, deve-se pôr até 20% do saldo total destinado aos investimentos nesses títulos.

Sobre os títulos prefixados do Tesouro Direto, o especialista diz que são arriscados para pequenos investidores, já que qualquer alteração inesperada no juro poderá causar perdas. "Também pode causar ganhos. Ou seja, nos prefixados há risco", comenta.

Há, no entanto, alguns especialistas mais arrojados que preferem indicar a aplicação nos prefixados, na confiança de que a Selic não terá alta significativa de agora em diante.

"Títulos prefixados vendidos no Tesouro ou fundos prefixados oferecem risco um pouco maior. Mas, até o momento, a inflação tem vindo cada vez mais fraca", diz José Góes, economista da Wintrade, ao comentar que o juro deve parar de subir no curto prazo e, portanto, os prefixados são melhores alternativas de investimento neste momento.

Bolsa

Quem aplica em ações não deve sentir alterações nos investimentos por causa da alta na taxa básica de juros. "A Bolsa de Valores de São Paulo já tem apresentado volatilidade, por fatores externos. Esta alta da Selic já era esperada pelo mercado", considera o analista da SLW, Pedro Galdi.

Fábio Colombo acrescenta que os preços das ações estão baixos. "Então, creio que, para quem tem apetite ao risco, é um bom momento para começar a comprar ações. Sempre gradativamente", pondera. Aos que não têm experiência com ações, Colombo sugere a adesão a fundos de ações ou com portfólio diversificados.

Fonte: Estadão/ COLABOROU YOLANDA FORDELONE



Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Entregadores de aplicativos pedem legislação específica para categoria
MATO GROSSO DO SUL
Loja deve indenizar por forçar pagamento de produto não adquirido
CAMPO GRANDE
Exército Brasileiro realiza controle de fluxo e aferição de temperatura no HRMS
POLÍCIA
DNA revela que preso em São Paulo é autor de estupro em MS
SAÚDE
MPF ajuíza ação pedindo atendimento para indígenas residentes em áreas urbanas
REGIÃO
PMA flagra trio por pesca ilegal no rio Paraná
MATO GROSSO DO SUL
Hospitais terão que informar Secretaria sobre situação de internações por Covid-19
LEGISLATIVO DE MS
Aprovada utilização de Libras nos programas da rede pública de TV
ECONOMIA
Dólar fecha em queda com exterior e dados de varejo
DESMATAMENTO
Gaúcho leva multa de R$ 33 mil por crime ambiental praticado em MS

Mais Lidas

DOURADOS
Acusado de matar secretário pode ter tido surto de esquizofrenia
BR-163
Casal que morreu ao bater em carreta morava em Campo Grande
PANDEMIA
Dourados confirma mais três óbitos por coronavírus e ultrapassa 3 mil casos
PANDEMIA
Comerciante de 45 anos é a 37ª vítima do coronavírus em Dourados