Menu
Busca terça, 17 de julho de 2018
(67) 9860-3221

Discussões sobre mudanças climáticas serão retomadas em 2013

26 dezembro 2012 - 12h54

Nos primeiros meses de 2013, os negociadores internacionais retomarão as conversas em busca de acordos globais sobre mudanças climáticas que levarão a uma proposta comum a ser fechada até 2015. O acordo refere-se à Plataforma Durban - em substituição ao segundo período do Protocolo de Quioto -, que estabelece os compromissos dos países desenvolvidos para a redução das emissões de gases de efeito estufa e estende as responsabilidades às nações em desenvolvimento.

Há consenso entre os países signatários da Convenção do Clima das Nações Unidas, que se propõem a definir os novos compromissos no prazo máximo de dois anos. O rascunho ficará pronto até o fim de 2014.

“Podemos esperar muitos avanços em 2013. Os países acertaram várias discussões ao longo do ano sobre os elementos desse novo acordo”, disse o secretário de Mudanças Climáticas do Ministério do Meio Ambiente, Carlos Klink.

Os negociadores brasileiros não escondem o otimismo em relação às novas negociações, mesmo em meio aos resultados tímidos alcançados na última Conferência das Mudanças Climáticas, a COP18, em Doha, no Catar, no início do mês. Para os brasileiros, os resultados da COP18 foram aquém do esperado.

“A gente esperava mais de alguns temas, mas, pelo menos, conseguimos mantê-los na agenda, como por exemplo a questão de financiamento novo para os esforços dos países”, disse Klink, admitindo que alguns pontos “deixaram a desejar”.

No que se refere ao aporte de recursos para financiar medidas de adaptação, como obras de infraestrutura para enfrentamento de enchentes e inundações, a falta de ambição por parte dos países desenvolvidos foi justificada pela crise mundial que afeta muitas economias. “Ainda assim, vários países europeus mostraram boa vontade, alguns inclusive trazendo recursos novos. Não é o que gostaríamos, mas é uma sinalização”, acrescentou Klink.

A aposta dos negociadores é que, com a divulgação dos novos relatórios científicos do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, a sigla em inglês) a partir do ano que vem, indicadores sobre a emergência do problema do clima sensibilize as nações ainda resistentes. Organismos internacionais, como o Banco Mundial, publicaram advertências ao longo do ano.

Porém, a mensagem parece não ter surtido o efeito que os cientistas esperavam produzir nos debates que asseguraram o novo período do Protocolo de Quioto, único tratado internacional para o clima. Além de metas tímidas, como apontaram observadores que acompanharam as negociações, nações que nunca ratificaram o tratado, como os Estados Unidos, mantiveram-se fora do acordo. Há poucas semanas, o governo canadense reiterou o anúncio de que não participa mais do protocolo, sob forte críticas de partidos da oposição que consideraram a decisão “uma vergonha” na história do país.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SECURA
Sem chuva há quase 40 dias, umidade do ar fica abaixo de 30% em Dourados
JAPORÃ
Promotora faz visita surpresa e descobre que bioquímico de posto de saúde trabalha em outra cidade
DIÁRIO OFICIAL
Publicado edital para eleição complementar do Conselho de Alimentação
SEU BOLSO
Conta de luz subirá até 3,86% com reajuste de receita de hidrelétricas
REFUGIADOS
54% dos venezuelanos que entraram no Brasil por RR desde 2017 já deixaram o País
CRIME AMBIENTAL
PMA captura anta com ferimentos em rancho de Coxim
FURTO EM COMÉRCIO
Guarda Municipal prende autora de furto em mercado de Dourados
VOLTA AO JAPÃO
Zico é anunciado como diretor técnico do Kashima Antlers
ACIDENTES NO TRÂNSITO
Homens recebem 75% das indenizações do DPVAT
REPRESSÃO AO TRÁFICO
Polícia Federal faz operação contra roubos de carga em AL e mais cinco estados

Mais Lidas

ACIDENTE
Douradense morre horas depois de cair do cavalo em fazenda
BUSCAS
Pai busca notícias sobre filho adolescente desaparecido em Dourados
DOURADOS
Polícia prende assassino de mecânico morto a pauladas
DOURADOS
Homem é assassinado na porta da própria casa