Menu
Busca domingo, 18 de agosto de 2019
(67) 9860-3221

'Não tem mais o que fazer', diz Dilma sobre votação de veto dos royalties

13 dezembro 2012 - 15h30

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta quinta-feira (13) na Rússia que "não tem mais o que fazer" para impedir que o Congresso derrube seu veto às mudanças na divisão dos royalties do petróleo. Para a presidente, o Congresso é autônomo e poderá tomar a decisão que quiser.

Em sessão tumultuada, o plenário do Congresso aprovou na tarde desta quarta-feira (12) o regime de urgência para a apreciação do veto ao artigo 3º da Lei dos Royalties, feito por Dilma.

"Eu já fiz todos os pleitos. O maior é vetar. Não tem mais o que fazer. Não tem nenhum gesto meu mais forte do que o veto. O resto seria impossível. Eu não vou impedir que ninguém vote de acordo com a sua consciência. Que todos votem de acordo com a sua consciência”, afirmou.

"Nós vivemos numa democracia em que existem o Executivo, o Legislativo e o Judiciário. O Poder Legislativo é autônomo, independente e tem todas as condições de decidir contra a minha decisão", disse.

No entanto, a presidente voltou a defender o veto às mudanças que prejudicariam os Estados produtores em contratos que já estão em vigor.

"Eu acredito que minha decisão foi justa diante da legislação. A legislação diz claramente que não pode descumprir contratos. Tomei (a decisão) baseada nisso. A segunda parte na distribuição plena dos ganhos do petróleo para todos os brasileiros de todos os estados", disse.

A presidente disse que a medida provisória que destina ao setor da educação100% dos royalties recolhidos em futuros contratos de produção de petróleo sob o regime de concessão é "importantíssima".

"Tem uma questão importantíssima na minha medida provisória, além dessa discussão sobre a repartição federativa. Acho muito importante que tenhamos um compromisso com a educação no Brasil. Vamos ser um país desenvolvido plenamente quando tivermos uma educação de qualidade para todos. O recurso do petróleo é finito, portanto, tudo o que ganharmos com o petróleo temos de deixar a riqueza mais permanente, que é a educação que cada um carrega", disse.

Deixe seu Comentário

Leia Também

INTERNACIONAL
Ministro da Fazenda da Argentina deixa cargo
ESPORTES
Seleção Sub-17: convocados para amistosos na Inglaterra em setembro
MS
Veículo pega fogo e fica totalmente destruído em acidente, na MS-276
MS
Motorista embriagado abandona carro no meio da rua com celular e pistola dentro
CULTURA
III Festival da Canção da UEMS será neste domingo em Dourados
BRASIL
Maior rendimento do FGTS exige atenção na hora do saque
CAMPO GRANDE
Motociclista morre após avançar via preferencial
MS
“Operação Divisa Segura VII” prende foragido da polícia
MS
Criminoso foge e polícia apreende carro “recheado” de maconha
POLÍTICA
Morre, aos 96 anos, o ex-ministro Roberto Herbster Gusmão

Mais Lidas

DOURADOS
Acidente com morte pode ter ocorrido após motociclista ser fechado por carro
BR-163
Passageira morre após homem colidir moto contra placa de sinalização em Dourados
DOURADOS
Homem fica ferido após estouro de equipamento na Cabeceira Alegre
POLÍTICA
PSL lança nome para Prefeitura de Dourados e senadora descarta aliança com tucanos